Plano B’ola nas costas: como BTG Pactual, Eduardo Cunha e doleiro Dario Messer entram na campanha por Haddad

Mais uma vez preparamos um condensado do Programa Duplo Expresso de hoje. Nele tratamos das desastradas – e desastrosas – declarações que Fernando Haddad deu ontem à Finança, na sede do Banco BTG Pactual. Teve de correr depois à imprensa (amiga) para tentar apagar o incêndio. Mas já era tarde: a declaração de que poderia apoiar “sem preconceitos” Alckmin num segundo turno contra Bolsonaro já se espalhara pelas redes. Inclusive petistas.
Mais que isso, num gesto de gentileza “PTucana” que só a USP explica, concordou em gravar a primeira peça a ser usada como spot de TV pela campanha de Geraldo Alckmin (!): um atestado da honestidade do (suposto) “adversário” (!)
Mas há um link a mais entre os articuladores do Plano B dentro do PT e o mesmo banco BTG Pactual, devidamente explorado neste programa…

Ler mais

Bretas – A mão da bíblia é a mesma do fuzil

Em recente evento realizado pela FLIP, o Juiz “Bretas Moro”, revestido de todo o seu proselitismo político, populismo judiciário e ativismo judicial, temperado com uma grande dose de cinismo e imbecilidade, defende ‘pena de morte política para políticos corruptos.” Somente numa República das bananas, comandada pela Rede Globo um juiz que recebe 2 auxílios moradias tem a cara de pau de vir a público dizer uma asneira dessas.

Ler mais

Moro, Cunha, Messer (o doleiro) e o pacto para decapitar Lula

*Atualizado em 24/jul/2018 – 12:12*
Armistício: a guerra – de quadrilhas – está suspensa. O doleiro Dario Messer e o ex-deputado Eduardo Cunha parecem ter chegado a uma repactuação clandestina, mafiosa, com a Lava Jato. E isso após a dramática virada de mesa do esquema Moro, antes vítima de chantagem por parte de ambos em vista da propina paga para o enterro do caso Banestado.
E onde isso nos deixa?
Bem, com menos possibilidades de explorar fissuras.
E é exatamente por isso que “não” é possível compreender por que indivíduos supostamente engajados na defesa jurídica – e política – de Lula dedicam-se a exibições de “Telecatch”, em vez de usar munição de verdade contra o esquema Moro.
Será por conta da extensa ramificação da rede de chantagens e/ ou cooptação que o resguarda? Politicamente “ecumênica”, compromete também elementos supostamente do “nosso lado”. A cooptação, inclusive por atuação direta de inteligência estrangeira, é ampla. Não apenas em partido político mas também em instituições. Recentes publicações aqui do Duplo Expresso, como “Incógnito ‘Mr. Dodge’: Raquel, a PGR, vive com ‘espião que veio do frio’?” (20/jul/2018), ajudam a compreender o exato contexto em que nos encontramos. Há diversos outros de onde Dodge saiu. E sem “sotaque” tão aparente, digamos…

Ler mais

Beabá: quem é o doleiro que pode destruir Moro – e como ele trabalha

O sistema dólar-cabo é, digamos, o “tataravô” das criptomoedas. Não passa pelo Banco Central!. Quer dizer, não passa na saída. Passa na volta, quando entra como (pseudo!) “investidor estrangeiro”. As entregas e retiradas de dinheiro em Reais/ Dólar são físicas no Brasil, usando carro forte e tudo! A pessoa, p.e., dá 10 milhões em Reais e o doleiro faz aparecer numa conta offshore, em paraíso fiscal (como a Suíça) o valor correspondente em Dólar. Mas é como banco: não é o mesmo dinheiro físico. O doleiro – já – tem fundos fora (em USD) e dentro do brasil (nas duas moedas). Esse seria o “capital social” do “banco”, digamos. E vai fazendo as compensações no Brasil e no respectivo paraíso fiscal, tirando a sua comissão. Know-how legitimamente brasileiro! Aqui na Suíça, p.e., há casas que fazem remessas de imigrantes para os seus países de origem nesse mesmo esquema. Quase todas são de doleiros… brasileiros!

Ler mais

A farsa da Lava Jato com o doleiro Dario Me$$er: o Duplo Expresso avisou!

Atualizado em 3/mai/2018 – 21:21
Sim, o Duplo Expresso avisou… e desde 2016. Culminando na publicação do artigo “Sergio Moro & Dario Messer, o doleiro: o elo ‘perdido’ – e explosivo – ligando Lava Jato e Bane$tado”, em 7/jan/2018.
– Moro/ Bretas/ EUA visam não apenas a se blindarem contra a possibilidade de traições – no governo Temer/ PMDB/ PSDB, no STF/ STJ, na Globo, na Avenida Paulista e… no “PT JUDICIÁRIO” (e no “PT com rabo preso”) – como também a garantir a consecução do seu objetivo político maior nos processos – leia-se “delenda Lula, delenda PT ” – quando os recursos começam a chegar a Brasília (onde passa a haver choques com o STF e o STJ).
(mais: “delenda bois de piranha no PSDB/ PMDB/ ‘Centrão'”)
– Bônus: Moro e Bretas (e EUA) podem ainda estar fartos da chantagem de Eduardo Cunha – e associados. Resolveram então desarmá-los, controlando a fonte primária do dossiê “Banestado”. O custo de imagem da blindagem a Cunha – uma cortesia do Duplo Expresso – pode ter se tornado caro demais. Pegam os ácidos limões que o Duplo Expresso atirou (Cunha & Messer) – até aqui com exclusividade (por que será?) – e fazem uma limonada.
(será “limodada suíça”?)
– Se alguém ainda acreditava no sucesso dos recursos de Lula em Brasília e colocava aí (ingenuamente) as suas fichas na luta contra o Golpe…
– Precisa desenhar, Lula? Precisa desenhar, (ala não-traíra do) PT? Precisa desenhar, bois de piranha da direita? Então a gente desenha…

Ler mais

Sergio Moro & Dario Messer, o doleiro: o elo “perdido” – e explosivo – ligando Lava Jato e Bane$tado

(artigo originalmente publicado em 7/jan/2018)
Segundo fonte nossa na comunidade de inteligência europeia, os “operadores” do enterro do escândalo do Banestado – de longe o maior caso de corrupção de todos os tempos: mais de 134 bilhões! De dólares! – teriam recebido 0,8% desse montante para operacionalizar o “desmonte”. Por óbvio, entre os “coveiros” necessariamente se encontravam membros do Judiciário. Os “operadores jurídicos” do “enterro” também teriam, portanto, entrado no rateio desse butim. Ou seja: 0,8% dos 134 bilhões de dólares. Nada menos que 1.072 bilhão de dólares! Vale lembrar que o juiz Sergio Moro, na qualidade de juiz de instrução, presidia as investigações então.

Ler mais

Não basta não estar preso: Eduardo Cunha zomba da nossa cara – e da de seu refém: Sergio Moro

Atualizado 22/mar/2018 – 8:59 – Po, Moro/ Globo! Já disse: “menos é mais”! Na arquitetura mas também na mentira!
É “curioso” todo o esforço que a “inusitada” confraria midiática formada por PIG (partido da imprensa golpista) e “Globosfera” em favor dos interesses de Eduardo Cunha (!) faz para enganar o público com relação ao histórico “prisional” (entre aspas mesmo) do ex-Deputado, expert em chantagem e extremamente genero$o com aliados. Moro, Gebran, Vallisney, Fachin, MPF de primeiro e segundo grau, num pacto mafioso que os vincula desde então à omertà (o código de silêncio), acabaram por deixar as suas digitais – todos eles – no crime de ocultação de Eduardo Cunha (com fraudes processuais, obstrução da justiça, frustração da instrução e da execução penal, formação de quadrilha).

Ler mais