Pega na mentira: empresa de investigação americana desmente Lava Jato e afirma que resgatou arquivos da Odebrecht (sonegados à defesa de Lula!)

Por Romulus Maya, para o Duplo Expresso
Publicado – 6/fev/2018 – 10:47
Atualizado – 14/fev/2018 – 17:40

Os furos na “narrativa” sobre os “lapsos” na “investigação” (combinada) Lava Jato/ Odebrecht ficam cada vez mais evidentes. O alarme em Curitiba soou quando, no final do ano passado, o Duplo Expresso começou a tratar do relato da fonte do TI da própria Odebrecht contando como a fraude (conjunta) se dera. Em 22 de janeiro passado finalmente pudemos publicar a primeira parte do depoimento. E, dias depois, a sua transcrição.

Desde que inauguramos essa pauta, em dezembro passado, veículos da grande imprensa – com destaque para a Folha de S. Paulo – vêm tentando fazer “hedge”. A Folha – na virada do ano! – correu para reunir alguns dos (muitos) “lapsos” na “narrativa” da Lava Jato em um par de matérias curtas, apressadas e assinadas – em conjunto! – por meia dúzia de freelancers.

Notem bem: a descrição acima das condições em que foram redigidas tais “matérias” – (lava) “a jato” – é literal:

Apesar de, inexplicavelmente, as denúncias do Duplo Expresso não terem pautado o “lado de cá”, o “lado de lá” só faz passar recibo das mesmas. Um atrás do outro, principalmente na forma de tentativas, patéticas, de “vacina”. Temos registrado, inclusive, esse “bate-bola” entre nós e os veículos da grande imprensa que fazem “assessoria de comunicação” da Lava Jato. Acaba por constituir um verdadeiro “ping pong” noticioso!

A tentativa mais recente de “vacina”, comentada aqui no Duplo Expresso na semana passada (29/1/2018), foi em “artigo” (grotesco) publicado pelo Jornal O Globo “explicando” por que a Lava Jato “não teria acesso” aos “documentos” que – alegadamente – sempre “embasaram” suas acusações: as tais planilhas do programa “mywebday”, desenvolvido no ambiente Oracle para a Odebrecht fazer seus lançamentos contábeis.

O procurador Carlos Fernando dos Santos Lima teve a desfaçatez de dizer, então, que o MPF “nunca pôde” acessar os arquivos depositados em pendrives – repito: em “pendrives”! – entregues por funcionários da Odebrecht porque “não teriam sido repassadas” as respectivas “senhas”. Para coroar a mentira, “eximiu-se” da obrigação de exigir tais senhas aludindo à garantia constitucional de um réu não precisar produzir prova contra si. Piada, por óbvio: tal direito é, evidentemente, derrogado no caso de delação premiada/ acordo de leniência, visto que esses estabelecem, em troca, a redução das sanções (antes!) aplicáveis.

Por incrível que pareça, o acordo de leniência celebrado pela Odebrecht com o MPF impede até mesmo a Polícia Federal (!) – “aliada” tática do MPF na qual esse não confia plenamente – de ter acesso ao banco de dados da Odebrecht!

Notem a questão chave: diversas “cópias” – serão elas fidedignas? – das planilhas do tal “mywebday” foram utilizadas pela Lava Jato nos processos e também vazadas para a grande imprensa, seguindo as finalidades políticas, claras, da Operação. Contudo, o acesso ao sistema sempre foi negado aos acusados. Notadamente, à defesa do ex-Presidente Lula, malgrado seus insistentes requerimentos nesse sentido.

Ou seja: a Lava Jato nunca permitiu a confrontação de suas “alegações”. Seja nos processos, seja na imprensa, na forma de “vazamentos”.

Enquanto a credibilidade da Lava Jato ainda estava no auge, o caráter de “declaração unilateral” das (supostas) “provas” nunca representou um problema maior do ponto de vista político-midiático – e até mesmo judiciário. No entanto, o primeiro grande revés veio com as denúncias do ex-advogado da Odebrecht, Rodrigo Tacla Durán. Dentre outras, de fundamental importância para o tema ora em análise foi a de que poderia provar a falsidade das “cópias de planilhas” que a Lava Jato sacudia por aí, posto que ele próprio possuiria contraprovas.

Daí o empenho de Sergio Moro em negar, terminantemente, a oitiva de Tacla Durán, tantas vezes requisitada pela defesa do Presidente Lula. Para Sergio Moro e os seus, Tacla Durán deve permanecer “foragido” (sic) na Espanha. Do contrário, passa a “existir” nos processos, trazendo junto de si a bomba que implodiria toda a “construção” que tão demoradamente elaboraram junto com a Odebrecht – embora de maneira porca.

O golpe final veio com o áudio-bomba publicado pelo Duplo Expresso, já aludido no início do artigo. Destacamos alguns pontos chave do relato da fonte do TI da Odebrecht:

(1) A farsa da batida da PF na sede da Odebrecht

A base de dados acessada pela Polícia Federal/ Receita/ MPF estava – deliberadamente – desatualizada e incompleta. No dia da batida, o TI derrubou os servidores e direcionou, de forma remota, os acessos para uma base de dados defasada e parcial. Aparentemente, a de Moçambique.

Notem bem: funcionário do TI da Odebrecht revela que o setor derrubou, deliberadamente, o sistema para impedir a coleta de dados pela PF/ MPF. Partindo da suposição de que os bravos “concursados” não são acéfalos, resta a grave suspeita de que a alegada “investigação” era, na verdade, uma simulação. Numa colusão Odebrecht/ Lava Jato!

E não foram só PF/ MPF/ Receita que receberam dados parciais e defasados. Os dois auditores instalados na Odebrecht, consoante os termos dos respectivos acordos de leniência com as Justiças dos EUA e do Brasil, também estão sendo “conduzidos” pelos (supostamente) “investigados” (sic). É aquela velha história do mundo corporativo: a auditoria que pega o rato e deixa passar o elefante!

(…)

(4) A gigantesca ocultação de provas pela dobradinha Odebrecht/ Lava Jato

A fonte tinha acesso pleno ao sistema e viu inúmeros casos – estimados em nada menos que dois terços! – que não apareceram na mídia ou nos anexos do acordo de leniência da Odebrecht. Ou seja, restou para o circo judicial-midiático apenas por volta de um terço das contas offshore! É de se supor, dadas as circunstâncias observadas até aqui, que o um terço “sorteado” (!) mirasse preponderantemente PT e PMDB. “Estancar a sangria (…) delimitando onde já estava”, conforme celebremente disse Romero Jucá, também apanhado em grampo da Lava Jato. Nesse um terço “sorteado” (!) misturaram ademais, de forma deliberada, caixa dois eleitoral e corrupção, para facilitar a manipulação judicial-midiática com finalidade política.

Possivelmente os dois terços sonegados pela Odebrecht/ Lava Jato – de comum acordo! – implicam, para além do PSDB, membros do Judiciário/ MP!

Possivelmente implicam, ademais, autoridades de outros países, onde a Odebrecht ainda deseja operar. A empresa busca assim, portanto, não se queimar, na medida do possível. I.e., não se queimar ainda mais.

(…)

(6) Bomba-H: a nulidade dos acordos de delação/ leniência da Odebrecht / os crimes – continuados! – da Lava Jato

A informação da fonte de que, grosso modo, dois terços das contas foram ocultadas das “investigações” causa, por um lado, a nulidade dos acordos de “delação dos 77 executivos”/ acordo de leniência. E, por outro, suscita graves suspeitas de obstrução da justiça, prevaricação, falsidade ideológica, fraude processual, calúnia e perjúrio, conforme o caso, por parte da Lava Jato e da Odebrecht.

E em colusão!

Ou seja: com formação de quadrilha!

Complicador explosivo: foi a Presidente do STF (e do Judiciário!), a Ministra Carmen Lúcia, quem homologou, de forma leviana e displicente, por pressão da Globo, o pacotão das delações, que agora cai por terra. Pior: num recesso! Sem ser a relatora do caso!

A partir daí, com o desmascaramento final da farsa, Lava Jato e Odebrecht – e Globo – correram para soltar, na semana passada, a tal tentativa de “vacina”, grotesca. Não conseguiram articular nada melhor que “senhas perdidas” (!) mais “direito de não produzir provas contra si” (!), para continuarem negando acesso a contraprovas dos documentos forjados e/ou ocultados pelos procuradores. Em claro “contraste” com tudo o que disseram até aqui – eu preferiria usar a palavra “desmentindo” – agora os procuradores “alegam” – prefiro “inventam” – que nunca teriam tido acesso às tais planilhas do “mywebday”.

Demonstrando uma vez mais que uma se tornou refém da outra, a Odebrecht é instada pela Lava Jato – via Globo! – a corroborar a “narrativa”, confirmando que tais “senhas” teriam sido de fato “perdidas”. Notem, contudo, que embora não desmintam os procuradores no tocante às tais “senhas”, o Odebrecht – deliberadamente – não para por aí e diz algo que, para bom entendedor, pode ser traduzido como “me inclua fora dessa roubada”:

Por meio de nota, a Odebrecht admitiu não dispor “de credenciais de acesso aos dados cifrados” do Mywebday, mas disse ter colocado à disposição das autoridades todas as informações de que dispunha, “inclusive mais de 30 mil arquivos” do próprio sistema.

Apesar de ter entregue em agosto cópia do Mywebday extraída de servidor na Suíça, a empresa afirma que o sistema encontra-se atualmente “apreendido, custodiado e gerenciado pelas autoridades” daquele país.

Pois agora ficará claro por que a Odebrecht, embora não acusasse expressamente a (nova) farsa, não quis se comprometer com (mais) essa mentira dos procuradores de Curitiba: a constatação da falsidade é facílima… e está ao alcance de qualquer pessoa com acesso à internet!

Uma certa “colaboradora” ad hoc do Blog conseguiu pescar informação no depoimento de Paulo Sergio da Rocha Soares – o técnico responsável pela implantação do mywebday na Odebrecht – que desmonta a farsa de maneira cabal.

Na primeira parte do depoimento, Paulo Sérgio afirma que a extração dos dados do sistema foi realizada pela empresa de perícia/ investigação forense americana FRA, escolhida em comum acordo entre o MPF, Odebrecht e procuradores dos EUA. Cópias foram entregues para os MPs brasileiro, suíço e americano – informação repetida pela Odebrecht na nota enviada ao Globo (no tocante ao MPF brasileiro).

Agora a Força Tarefa da Lava Jato afirma que “não tem chaves de acesso” ao MyWebDay.

Ora, como assim? Os americanos e suíços receberam da FRA os mesmos arquivos que os brasileiros – retirados diretamente dos servidores da Odebrecht!

E não “pendrives” – repito: “pendrives”! (haha) – entregues por dois meros candidatos a delator!

Uma breve visita ao site da FRA – que resolveu “tirar onda” publicando um “estudo de caso” sobre sua participação na “grande” operação “Car Wash” – revelará o tamanho da mentira dos procuradores de Curitiba:

Case Study

Brazil “Car Wash” Investigation

US counsel to a Brazilian company approached FRA for a short-term data collection assignment. We were asked to spend two weeks collecting data for 10-15 custodians from business units located in Brazil.

Action

The scope of the initial collection quickly expanded, resulting in multiple collections in Brazil, collections in Africa and Europe. Alongside counsel, we interviewed custodians, identified critical and often old data sources, all the while adhering to Brazilian Localization and European data privacy requirements.

Results

To date, we have collected almost 10TB of data from Email Archives, Servers, Hard Drives, Mobile Phones, USB Drives, and Virtual Machines across multiple jurisdictions. We have produced more than 60 data sets to regulators in the US, and counsel is currently considering including an additional 120 custodians.

Para quem não fala inglês:

A FRA foi (sub) contratada por escritório de advocacia americano que tinha a Odebrecht como cliente. Ou seja, pelos auditores externos impostos pelo Departamento de Justiça dos EUA à empresa brasileira. O objeto inicial do contrato era o resgate de dados da Odebrecht, realizado em duas semanas junto a 10-15 custodiantes em filiais da Odebrecht no Brasil.

Na sequência, o escopo do contrato foi ampliado, levando a outras operações de resgate no Brasil, na África (Angola) e na Europa (Suíça). Juntamente com os auditores, a FRA inquiriu os custodiantes dessas bases de dados e fez uma triagem, identificando o que era mais relevante naquele mar de informações.

“Até o momento” (!) a FRA já resgatou mais de 10 terabytes (!) de dados, incluindo emails, servidores, HDs, telefones móveis, pendrives e máquinas virtuais espalhadas por diversos países. A FRA elaborou e entregou mais de 60 (!) repositórios de dados às autoridades dos EUA. No presente, os auditores americanos cogitam requisitar o resgate de dados mantidos em mais 120 custodiantes!

10 TB, repartidos em mais de 60 quites, e o Carlos Fernando – e a Globo! – só conseguiram se sair com “senha perdida”…

– … de “pendrives”!

– “Pendrives”! (haha)

E agora, quando a casa está prestes a desabar sob sua cabeça, Carlos Fernando anuncia uma (providencial!) “aposentadoria”, porque quereria “granhar (mais) dinheiro”:

Sei…

*

A partir daí fica fácil compreender o pânico instalado na Lava Jato. Pânico esse muito bem refletido na linha editorial “barata voa” observada nos veículos encarregados de fazer a sua “assessoria de comunicação”. Mais precisamente, O Globo e a Folha.

Vejam aqui ilustração (definitiva) da “barata voando” nas redações – e tocando o terror. Trata-se de “notinha”/ “vacina”, muito mal articulada, plantada ontem pelo filho da Miriam Leitão.

(o mesmo que, tempos atrás, em concurso criminoso com Sergio Moro, usou o login e a senha do “juiz” para baixar o áudio do grampo – ilegal – na Presidente Dilma Rousseff e no ex-Presidente Lula, para pronta veiculação na Globonews. Notem, portanto, o seu nível de intimidade com Sergio Moro e seus cúmplices no MPF)

Logo na sequência, trazemos a demolição (mais que) completa empreendida pela nossa “colaboradora ad hoc”.

Informações sobre contabilidade paralela da Odebrecht aprofundam investigações da Lava Jato
Por Matheus Leitão
05/02/2018 14h31

A força-tarefa da Lava Jato tem avançado nas investigações após ter acesso às informações originais do sistema Drousys, banco de dados da Odebrecht que armazenava a contabilidade paralela da construtora para pagamento de propina.

Inicialmente, os dados do Drousys foram entregues pela empresa de forma incompleta. Com o tempo, os próprios procuradores perceberam, ao baterem os dados existentes no sistema com os depoimentos de delatores, que haviam tido acesso apenas a parte das informações.

A Odebrecht comprou o sistema de informática com o objetivo de operacionalizar os repasses não contabilizados do chamado “setor de propinas”, departamento secreto da empresa que somente os envolvidos nos pagamentos tinham acesso.

Os servidores ficavam na Suíça, mas depois acabaram transferidos para a Suécia. Nesse processo de transferência, os dados não foram levados na íntegra. E a força-tarefa recebeu primeiramente as informações que não estavam completas.

Em agosto de 2017, o jornal “O Globo” informou que a Procuradoria Geral da República (PGR) suspeitava que faltavam dados nos HDs entregues pela empresa.

Uma nova leva de dados entregues completou as informações e os procuradores obtiveram a íntegra do Drousys, informações originais que tem ajudado os investigadores em alguns importantes casos, segundo informado ao blog.

São as últimas apurações em andamento, que podem implicar novos nomes e trazer novidades sobre os atuais investigados da Lava Jato.

O sistema Drousys é gigantesco e está sendo periciado pela Polícia Federal para que os procuradores possam utilizar as provas nas ações penais relacionadas à Lava Jato.

*

*

*

ATUALIZAÇÃO 12:28
– Globo passa recibo deste artigo e deleta “notinha” (desastrada) plantada pelo filho da Miriam Leitão. Tarde demais: ave Nossa Senhora do print screen!

Arquivo do print screen aqui.

*

Tópicos direto ao ponto:

– A Odebrecht possui 2 sistemas distintos: Drousys e MyWebDay.

– O Drousys é um programa de troca de mensagens instantâneas, usado para comunicação interna, criptografada. Algo como um “whatsapp”, seguro, da Odebrecht.

– Já o MyWebDay é um programa de gerenciamento contábil, para o lançamento de valores despendidos pelo “departamento de propinas”, acompanhado da respectiva rubrica: obra em questão/ valor remetido/ número da conta/ nome do beneficiário (empresa offshore).

– O MyWebDay tem sido mantido inalcançável – a todo custo – pela Lava Jato. Essa conversa de “chaves perdidas” – e de “pendrives”! (haha) – é claramente uma farsa criada para continuar negando o acesso dos réus às provas de sua eventual inocência! Especialmente depois da publicação do áudio-bomba da fonte no TI da Odebrecht pelo Duplo Expresso.

– O MyWebDay seria mais difícil de “fraudar”. Pelos depoimentos é possível constatar que era necessário ter senha para inserir ou apagar dados nesse sistema. Provavelmente porque Marcelo Odebrecht – e família – buscariam evitar que os executivos participantes do esquema desviassem dinheiro para si mesmos alegando estarem “pagando propina para determinada obra”. Ou seja, o controle mais rígido visava a minimizar as perdas com os desfalques dados pelos próprios executivos da Odebrecht na empresa. A ocorrência de tais desfalques é, inclusive, relatada por Tacla Durán em seu depoimento, indicando a imprestabilidade dos lançamentos no próprio MyWebDay como meio – definitivo – de prova.

– Prova, mesmo, só com o SWIFT, senhores procuradores! Aqui ninguém é parvo ou jejuno em operações internacionais!

MyWebDay vs. Drousys: imagine que você trabalhe, por exemplo, em sua casa no computador e tenha muitos arquivos referentes ao trabalho. Vez por outra você envia alguns desses arquivos por e-mail para colaboradores do trabalho ou até para si mesmo para ter um backup. Da mesma forma, algumas – repito: apenas algumas! – das planilhas do MyWebDay foram trocadas via email/ mensagem instantânea usando o sistema interno de comunicação da Odebrecht, o tal “Drousys”. É – apenas – esse sistema Drousys que o MPF tem usado nas suas denúncias.

– Tudo indica que esse sistema Drousys e os documentos obtidos através dele, que incluem – somente alguns! – arquivos do MyWebDay e extratos do banco utilizado pela Odebrecht para pagar as propinas, o Meinl Bank-Antígua, foram adulterados!

– Daí o verdadeiro pavor dos procuradores – e do juiz Sergio Moro – diante da perspectiva de mais alguém no Brasil, além deles próprios (os integrantes do “esquema” Lava Jato), ter acesso aos documentos originais – não fraudados – constantes da base de dados entregue pela empresa americana FRA ao MPF – mas também aos procuradores suíços e americanos – entre outros! (Peru, Equador, etc.)

Uma das estratégias do conluio Globo/ Lava Jato é tentar fazer crer que “Drousys” e “MyWebDay” são… “sinônimos. Ora, claramente não são! Esse confusionismo deliberado fica mais do que claro no texto do filho da Miriam Leitão:

O sistema Drousys é gigantesco e está sendo periciado pela Polícia Federal para que os procuradores possam utilizar as provas nas ações penais relacionadas à Lava Jato.

– Nada disso, Leitão!

– Para provar a sua inocência, o Presidente Lula exige o acesso ao MyWebDay – que vocês receberam da FRA/ Odebrecht! Nada de “Drousys”!

– Ou de “perícia” (sic) – combinada – com a PF. PF essa que ainda depende do Sr. Paulo Soares – o criador do MyWebDay e do Drousys – para extrair documentos desses sistemas. “Grandes peritos”!

– E não venham com esse papo de “pendrive” (sic) e “senha perdida”, ok?

– Fosse o caso, bastava uma ligadinha para os colegas dos EUA e da Suíça – ou diretamente para a FRA – e relatar esse tal “problema” (sic) de acesso (!)

– Repito: aqui ninguém é parvo ou jejuno em operações internacionais!

Sobre extração dos dados:

1) Dados mandados pela Suíça para o Brasil (e para os EUA): trata-se de um conjunto de dados parciais e defasado. Não se sabe a circunstância em que se deu a seleção da parte do material enviado ao Brasil. Não se sabe ao certo de qual base de dados procedem os arquivos enviados pela Suíça, visto que a Odebrecht não possuía uma base de dados unificada. Eram vários servidores que foram sendo utilizados e alguns abandonados ao longo do tempo. É o caso, por exemplo, da base de dados localizada em Angola e que contava com uma versão antiga do Drousys.

2) Os dados extraídos pela FRA com a íntegra do material – ou, ao menos, tudo o que restou preservado naquelas localidades – constituem um total de 10 TB (!) de informações, de acordo com informação do site da própria empresa, no seu “estudo de caso” (ver acima).

3) A FRA foi a empresa contratada para fazer a extração dos dados do sistema.

4) De acordo com informações publicadas na própria imprensa, foi a Odebrecht quem retirou na Suíça os HDs com as cópias espelho dos sistemas e depois entregou às autoridades brasileiras – e americanas – consoante a obrigação constante dos respectivos acordos de leniência.

5) O lapso entre a retirada das cópias forenses na Suíça e sua posterior entrega no Brasil pode ter permitido à Odebrecht mexer nos arquivos, modificando-os ou inviabilizando-os.

6) Há também a hipótese de que os arquivos tenham sido mexidos já sob a tutela do MPF em Curitiba. Há reportagem que menciona que de um servidor “antigo” de Angola foram extraídos 2 milhões de páginas de documentos, que vieram a constituir a base de dados – também defasada portanto – da Suíça. Posteriormente, outra reportagem confirma a hipótese, afirmando que os dados enviados pelo Ministério Público suíço (2 HDs + 2 pen drives) contêm justamente os memsos…  “2 milhões de arquivos” . Dessa forma, fica confirmada a defasagem do que o MP da suíça – e, por tabela, do Brasil e dos EUA – têm em mãos. E, ainda, a má-fé com que a ODebrecht tem “cooperado” com as autoridades, dirigindo-as a bases de dados incompletas/ defasadas.

7) Nada de novo para o público do Duplo Expresso: essa tal “transferência” de uma base de dados (defasada) de um país para o outro é explicada pela fonte do TI da Odebrecht, no áudio-bomba publicado por vocês. Nele, a fonte enfatiza que a base de dados mais completa seria, na realidade, a que está no Panamá, por motivos, digamos, “para-regulatórios”:

(…)

(2) Multiplicidade de bases de dados, aparentemente “redundantes”, pelo mundo

Isso se deve à prática do TI da Odebrecht de replicar automaticamente uma base de dados pré-existente – que serve de “semente” – ao instalar um servidor em um novo país onde a empresa passa a operar. É por essa singela razão que passou a haver, em dado momento, registro de operações da Odebrecht no Brasil nas bases de dados constantes de servidores instalados em outros países, como na Suíça.

Note bem: passou a haver registro de parte dessas operações. Isso porque os servidores não eram interligados. Portanto, não havia atualização da “semente” utilizada. Dessa forma, as informações a respeito de operações da Odebrecht no Brasil extraídas da base de dados da Suíça, por exemplo, é apenas um “espelho” – defasado e incompleto – da imagem real, omitida das investigações. Uma fotografia do passado, refletindo a base de dados tal qual essa era no momento da instalação do servidor na Suíça – data fácil de ser obtida.

A fonte informa que a versão mais abrangente seria aquela constante dos servidores instalados no Panamá. Isso porque o país tem um, digamos, arranjo “jurídico-político-diplomático” que oferece maior opacidade a operações “heterodoxas”, como as praticadas pelo Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht: o Executivo panamenho é completamente capturado pelas empresas locais de constituição de offshores e bancos associados.

Não é surpresa, portanto, que o “micro-país” centro-americano seja o último a resistir aos avanços do G20/ OCDE visando a estabelecer transparência e troca automática de informações entre as diversas Receitas nacionais, visando a coibir evasão de divisas e lavagem de dinheiro. Sobre isso, veja-se documentário da TV pública francesa que foi ao ar em 2016, comentado por nós no artigo “Atenção! Cautela com os Panama Papers, Imprensa (Brasileira)” (12/4/2016), publicado no Jornal GGN.

Em síntese, a Odebrecht usava o Panamá como base porque lá “se lava mais branco”. Quem é do meio financeiro conhece o jargão.

(…)

Por incrível que pareça, há mais um “estudo de caso” de uma empresa prestadora de serviço da Odebrecht, querendo “tirar onda”, que confirma a multiplicidade e – mais importante – a não integração das diversas bases de dado da Odebrecht espalhadas pelo mundo:

Notem bem:

Substituição gradual do sistema interno MWD (My Web Day) utilizado atualmente nas obras, contemplando em um primeiro momento os módulos de OLEx, ODEq, RH e BI. Em uma segunda onda, extensão do projeto para a Matriz, novas obras e, após este ano, para os outros Países, tendo previsto a sua conclusão final para o ano de 2010 com a implementação total do sistema novo EBS/ORACLE.

Duração do projeto: 3 anos

Áreas impactadas: Todas as obras, matriz (São Paulo e Salvador) e outros Países (Angola, Peru, Portugal, Venezuela e Estados Unidos)

Volume de pessoas impactadas:  aproximadamente 1000.

8) Em seu depoimento, Paulo Sérgio Soares – o criador dos sistemas e “consultor de luxo” (!) da PF – confirma o relato do áudio-bomba, deixando escapar que a Odebrecht franqueou o acesso a servidores antigos no acordo de leniência. O depoimento ocorreu no final do ano passado, provocado pelo “incidente de falsidade” requerido pela defesa do Presidente Lula. Na mesma época, o advogado de Lula, Cristiano Zanin, fez ademais uma videoconferência com Tacla Duran, que mais uma vez corroborou a tese de fraude nos “documentos” usados pela Lava Jato.

9) Por isso tudo, segue sendo de extrema relevância o alerta final feito pela fonte do Duplo Expresso, a respeito da iminente destruição das provas da fraude na “investigação” que a Odebrecht “sofre” por parte da Lava Jato:

(…)

(7) Bomba – de nêutron (!): a destruição – final! – de todas as provas, numa parceria Odebrecht/ Lava Jato (mais uma!)

A mudança do sistema integrado de Oracle para o SAP é um álibi para destruir informações que comprometem a Odebrecht e também terceiros que a empresa – em conjunto com a Lava Jato – deseja proteger. Em junho deste ano, caso nada seja feito para impedir a migração, as provas de toda a corrupção – nacional e internacional! – da Odebrecht serão destruídas de forma definitiva. Inapelavelmente.

Notem bem: no verso da moeda, também serão destruídas as provas da inocência de Lula!

De forma “incidental” (!), serão destruídas ainda, pari passu, as provas da omissão – deliberada? – dos “investigadores” (?) da Lava Jato em favor de aliados, bem como a fabricação de provas falsas contra os alvos prioritários da operação – como Lula. E é exatamente por isso que a Lava Jato – i.e., o braço brasileiro, aquele com jurisdição sobre a holding e os acionistas controladores – nada faz para impedir a “migração”. Isto é, a queima do arquivo! Na verdade, a Lava Jato está nisso junta com a Odebrecht. Afinal, são cúmplices no(s) crime(s)!

O sistema Oracle é americano. O SAP é alemão. O SAP é imune ao acesso não autorizado por parte dos órgãos de inteligência americanos. Como o SAP é muito mais caro, o motivo para a migração não foi a economia de recursos, mas sim um álibi para, na fase de migração, sumir com dados “sensíveis”.

A versão da Odebrecht de que a Oracle não seria “confiável” para cumprir com as exigências de compliance é balela! Ora, quem não foi “confiável” foi a Odebrecht, corrompendo autoridades em 3 ou 4 continentes! O sistema Oracle nada tem a ver com o uso que a Odebrecht lhe deu! O sistema só faz aquilo que o gestor determina. O sistema não faz censura moral, ética ou penal! Fosse “problemático” diante de supostas exigências de compliance, o sistema Oracle não seria o mais utilizado no mundo, ora!

Repetindo: a migração da Oracle para a SAP – alerta: que será completada em aproximadamente 4 meses! – visa a destruir, de forma definitiva, todas as provas (i) da corrupção da Odebrecht; e (ii) da farsa que é a “investigação” (sic), combinada, Lava Jato/ Odebrecht. E, subsidiariamente, fugir do monitoramento pela inteligência dos EUA.

(…)

Reforço seu coro: causa estranhamento o fato de que, até o momento, as bombas disparadas pelo Duplo Expresso sobre o “esquema Lava Jato” não estejam pautando as falas de políticos engajados na defesa de Lula e de seus colegas blogueiros. A bem da verdade, nem a própria defesa do ex-Presidente fez ainda o uso adequado dessa verdadeira “bola na marca do pênalti sem goleiro” – como vocês bem colocam. Sim, as questões “técnicas” e o “jargão” da informática são difíceis para o grande público. Mas, como vocês têm demonstrado, encerram a chave para desmontar, de forma definitiva, a farsa da Lava Jato.

A bolha precisa ser furada!

De maneira inusitada, no silêncio de políticos e demais blogs, segue a Lava Jato – via Folha e Globo – plantando, em “notinhas”, tentativas grotescas de “vacina”, diante do pânico causado pela (dupla) “barata voadora” (expressa).

*

Para fechar, Romulus, parece que, como eu, a redação da Globo também fica ligadinha no Duplo Expresso todas as manhãs. Foi vocês retomarem a pauta da fraude na “investigação” Lava Jato/ Odebrecht e a Globo não para mais – sem dar a fonte, é claro:

A bolha sendo furada – e refurada – pela Globo??

Ora, faltam políticos, blogosfera e advogados do “lado de cá”!

*

*

*

Em nome do Duplo Expresso – e também do Brasil! – quero agradecer imensamente a toda a nossa “comunidade”. O site – e o programa – são uma construção mais que coletiva: é feita em rede. Por isso, fica aqui o agradecimento mais que especial – junto com a admiração – à essa nossa “colaboradora ad hoc“.
Arrasou!
Romulus Maya

*

*

*

Compartilhe nas redes sociais – e também com o botão para compartilhamento no Whatsapp: fure a bolha você também!

*

*

*

ATUALIZAÇÃO 13:46 – Fura bolha (1): Senadores Roberto Requião e Vanessa Grazziotin comentam o artigo ao vivo 

Os Senadores Roberto Requião e Vanessa Grazziotin comentam, no final da entrevista concedida hoje ao Duplo Expresso, a mais recente denúncia que o site publica contra a Lava Jato.

*

*

*

ATUALIZAÇÃO 14:45 – Fura bolha (2): resumo em vídeo de 5min

Extrato do Programa Duplo Expresso de 6/fev/2018. Integralidade aqui.

*

*

*

ATUALIZAÇÃO 15:15 – Fura bolha (3): defesa do Presidente Lula já está a par

Falei uma hora atrás ao telefone brevemente com o (competente) advogado Cristiano Zanin. Queria recomendar a leitura deste artigo, claro.

Não precisava: ele já tinha lido!

Agora, às 15:15, acabo de receber a seguinte nota do seu escritório:

O advogado Cristiano Zanin Martins, que defende o ex-Presidente Lula, afirma que o pedido de acesso ao sistema MyWebDay tem por objetivo comprovar que nenhum valor ilícito foi destinado ao ex-Presidente Lula pela Odebrecht. Segundo o advogado, é muito estranho que depois de tantas afirmações por parte do Ministério Público e até mesmo de uma testemunha de que o sistema estava sendo acessado vir agora a notícia de que ele “não pôde ser aberto”. Esclarece ainda que as informações divulgadas pelo Duplo Expresso estão sendo analisadas e serão levadas em consideração em futuras providências jurídicas.

*

*

*

ATUALIZAÇÃO 15:30 – “recordar é viver”: o áudio-bomba…

– … cuja transcrição e análise se encontra aqui.

*

*

*

ATUALIZAÇÃO 16:40 – Pergunta: Jornalista(s) do PIG ganha(m) para plantar “notinhas” sobre Lava Jato, Matheus?

Em dólar?

Extrato do Programa Duplo Expresso de ontem. Integralidade da emissão aqui.

*

*

*

ATUALIZAÇÃO 23:35 – Vitória! Com este artigo, comunidade do Duplo Expresso implodiu “perícia” – fake – encomendada por Sergio Moro à Polícia Federal!

– Volta a nossa colaboradora ad hoc:

Urgente: Duplo Expresso acabou com a farsa da “perícia” – combinada – dos “documentos” (sic) da Odebrecht. Mais: colocou em xeque os próprios “peritos” (sic) da PF!

Após mais de 90 dias (!) de “perícia” dos sistemas da Odebrecht, com o prazo para a entrega dos resultados a 2 dias do vencimento, os tais “peritos” (sic) da Polícia Federal “descobriram” – somente hoje, “fortuitamente”, na esteira da publicação do artigo pelo Duplo Expresso – que…

– … “não têm acesso ao sistema” (!)

Ou seja, após a identificação das condições altamente suspeitas em que se deu essa “perícia” (e a entrega dos HDs), a PF “descobriu”…

– … que “nada descobriu” (!)

Os “peritos”, pegos em flagrante, correram a ressuscitar o filósofo Sócrates:

Tudo o que sei… é que nada sei (!)

Observe que a reportagem abaixo, do UOL, não diz qual dos dois sistemas – Drousys ou MyWebDay – apresentaria os tais “problemas de acesso”.

Evidente: como sabemos, o objetivo da Lava Jato passa longe de distingui-los. Muito pelo contrário: lembremos da “notinha” (confusionista) do filho da Miriam Leitão!

O que testemunhamos, agora, é a ação do imperativo de jogar a “batata quente” para o alto.

“Batata quente” essa que…

– … eles mesmos assaram!

Fantástico!

Como você disse, Romulus, haja “barata voa” lá em Curitiba!

Para nós, contudo, não resta dúvida: podemos concluir com segurança que essa “alegação” de “acesso negado” (?) por parte da PF se refere ao MyWebDay – sistema cujo acesso o MPF nunca franqueou a ninguém “não alinhado”. Nem mesmo à Polícia Federal, sua “aliada tática”, em quem nunca confiou plenamente.

Como sabemos todos, acesso ao outro sistema, o Drousys, nunca foi problema. Pelo contrário: tão fácil era o acesso ao mesmo que se prestou a toda sorte de falsificações, ora confirmadas. Seja por parte da Odebrecht, de forma “institucional”, seja por parte de delatores, em caráter individual, seja por parte da…

– … Força Tarefa da Lava Jato!

Eis a (nova) “barata voa”:

PF pede extensão no prazo de perícia nos sistema de pagamento de propina da Odebrecht
6, fevereiro 2018 às 20:06
Paraná Portal/ UOL/ Bandnews

A Polícia Federal pediu prazo de mais 15 dias para finalizar a perícia nos sistemas Drousys e My Web Day, que eram usados entre os executivos da Odebrecht para pagamentos de propina a agentes públicos e políticos.

No pedido desta terça-feira (06), o delegado Felipe Hayashi explicou que a equipe de peritos precisa de mais tempo para a conclusão dos trabalhos porque não tem as credenciais de acesso de dados cifrados de um dos sistemas. A análise dos softwares foi determinada pelo juiz Sérgio Moro em setembro do ano passado, após um pedido da defesa do ex-presidente Lula em ação penal na qual o petista é acusado de ter recebido propina da Odebrecht por meio de um terreno onde seria construída a nova sede do Instituto Lula e de um apartamento em São Bernardo do Campo (SP).

Em troca, o petista teria atuado para beneficiar a empresa em oito contratos com a Petrobras. Os advogados do ex-presidente questionavam a validade de parte das provas apresentadas pelo Ministério Público Federal, com base nos dois sistemas.

Em dezembro do ano passado, a Polícia Federal já havia pedido mais tempo para terminar a perícia nos softwares depois da chegada ao Brasil de novos materiais apreendidos na Suíça. À época, o pedido de prorrogação era de 45 dias e, portanto, se encerrava nesta semana nesta quinta-feira.

Nos sistemas Drousys e MyWebDay constam milhares de documentos que comprovariam o pagamento de propina a agentes públicos e políticos. Entre os materiais está uma planilha que indicaria valores repassados ao ex-presidente Lula e ao ex-ministro Antonio Palocci. A denúncia aponta que R$ 12,4 milhões teriam sido destinados a compra do terreno para a instalação de uma nova sede para o Instituto Lula, o que nunca de fato aconteceu.

A perícia nos sistemas deve esclarecer em quais dias e horários e de qual computador foram feitas alterações no documento. Respondem a este processo, além de Lula e Palocci, o empreiteiro Marcelo Odebrecht e o empresário Glaucos da Costamarques.

*

*

*

ATUALIZAÇÃO

7/fev/2018 – 9:45 – Duplo Expresso: o último prego no caixão da Lava Jato

Extrato do Programa Duplo Expresso de hoje, 7/fev/2018, resumindo os principais pontos do artigo-bomba publicado ontem pelo site. Integralidade da emissão disponível aqui.

*

*

*

ATUALIZAÇÃO 7/fev/2018 – 20:00 – “Pacto de sangue”: encarregada de falsificar de “provas”, PF obriga Moro a colocar digital (no crime)

Por Romulus Maya, para o Duplo Expresso

Seguindo o roteiro, Sergio Moro deferiu – ainda ontem – a tal “prorrogação de prazo” para a conclusão da “perícia” (sic) – combinada – dos “dados” (?) da Odebrecht. Afinal, o prazo expiraria amanhã.

Escaparam por pouco de desmoralização ainda maior:

– Imaginem a hecatombe (político-midiática) caso a divulgação dos “resultados” – fraudulentos, sabemos todos – tivesse ocorrido antes da publicação do artigo-bomba do Duplo Expresso, de forma a não permitir o recuo tático de que lançaram mão – no último minuto!

Os lavajateiros ganham, agora, duas semanas para tentar construir uma “narrativa”… minimamente “verossímil”.

Quer dizer, “ganham” duas semanas?

Ou será que “padecem” por esse período?

Sim, porque nem mesmo Jorge Luis Borges teria talento suficiente para encher de “mágica” tal sorte de “realismo” (sic) curitibano.

Que fazer agora?

Ora, o mínimo…

(que é, ao mesmo tempo…)

– … o máximo: contenção de danos!

– Toca, portanto, correr para tapar – mesmo que somente com areia… – os diversos furos (“rombos”? “Crateras”?) no relatório – que já estava pronto, claro – deixados pelo ICBM disparado ontem pelo Duplo Expresso.

Ora, os “resultados” (sic) da “perícia” (sic), “de verdade”, todos nós já conhecemos: saíram “prontos de fábrica”, conforme a encomenda feita por Sergio Moro.

Mas há buracos “intapáveis” (sic):

– Trata-se de “perícia” dirigida, deliberadamente limitada a um sistema sem qualquer proteção contra falsificação – o tal “Drousys”.

– Para piorar, quem extrai os documentos a serem “periciados” (sic) é um preposto (!) da empresa sob “investigação” (sic), a Odebrecht. A empreiteira prontamente “disponibilizou” o responsável pela própria implementação dos sistemas “MyWebDay” e “Drousys” – o Sr. Paulo Sergio da Rocha Soares – para “auxiliar” os…

– … “peritos” (!)

Repito: “auxiliar” os… “peritos”! (haha)

Revelando de maneira irretratável o nível de “perícia” dos envolvidos, ficamos a “saber” – apenas ontem – que tais “peritos” (sic) demoraram “apenas” o prazo de três meses (!) para “descobrir” que “não (!) tinham acesso” ao sistema mais completo e seguro: o “MyWebDay” (!)

Tudo isso 100% “casual”… “fortuito”!

Seguindo na ironia, cremos ser possível afirmar que apenas a falta de modéstia poderia impedir tais “peritos” de declinarem, na “notinha” plantada ontem na imprensa lavajateira, a real origem do problema “técnico” que assola Curitiba:

– O Duplo Expresso! (haha)

*

“Pacto de sangue”: procuradores e “peritos” da PF exigem que Moro ponha também a sua digital na fraude (por ele contratada)

Notem que no despacho de ontem, reproduzido na sua integralidade mais adiante, Moro não concede “15 dias” para a conclusão “da perícia”…

– … mas sim do “laudo pericial”!

Ou seja: foi obrigado a registrar, em público, que se trata tão somente da “edição” de um “documento”, já escrito. Tudo isso visando a tapar – novamente: nem que seja apenas com areia… – os buracos (bis: “crateras”?) expostos ontem.

Concedamos: em circunstâncias “normais”, duas semanas seria prazo mais que suficiente para a elaboração de um “relatório” diversionista. Um no estilo “fio-dental”: mostra tudo mas esconde o essencial.

Ocorre que nem mesmo um ano lhes permitiria ultrapassar o principal obstáculo:

– A recusa de Moro e dos procuradores – premidos pelo imperativo mafioso da omertà – de franquear acesso ao conteúdo não adulterado, do “MyWebDay”.

– E, mais ainda, não peneirado, de forma a que restassem no balaio, tão somente, os alvos políticos da Lava Jato (i.e., Lula e aliados!).

Terror! – há provavelmente ali, no “MyWebDay”, tudo o que a Lava Jato sempre escondeu:

– A corrupção de, e.g., juízes, procuradores, Ministros do STF, do TCU, auditores da Receita, Conselheiros do CARF, donos de veículos da grande mídia (“lavajatófilos”), jornalistas plantadores de “notinhas” e… tucanos!

Possivelmente, com mais uma “cereja” (atômica?) sobre esse “bolo”:

– O (há tanto sonegado…) registro das instituições financeiras – ah-rá! – pelas quais toda essa dinheirama circulou!

(Ka-boooom!)

Ou seja, volto à metáfora do “fio-dental”…

Ou melhor: substituída agora pela de um maiô de banho…

– … de uma conservadora senhora– nonagenária!

Isso porque nesse tal “combate à corrupção” – à la curitibana – mostra-se muito pouco – ou quase nada…

(e, ainda assim, com grossa camada de “maquiagem” no que é… “exibido” – ou seja, “Drousys… batizado”)

– … para, ao fim e ao cabo, esconder – além de tudo – o (gigantesco!) “e$$encial”: os nomes guardados a 7 chaves no (atômico!) “MyWebDay”!

Amarrando a sina de todos, o pacto mafioso à la curitibana exige que também o seu capo – Sergio Moro – exponha-se publicamente:

– No despacho, o “juiz” é forçado a adiantar, desde já, o “resultado” da “perícia”!

– Antes mesmo do início da vigência da “prorrogação”, que ora “concede”!

– Por escrito (!), Moro é forçado a “dispensar” (!) os “peritos” de examinarem…

– … aquilo a que nunca tiveram acesso: o “MyWebDay”!

Moro adianta o óbvio para quem chegou até aqui:

– Daqui a duas semanas, o “laudo” – recauchutado – tratará tão somente do (“batizado”) sistema “Drousys”.

Notem a faca no pescoço:

– Moro foi obrigado, por seus cúmplices, a consignar – no processo! – que eles foram instruídos – ab initio! – a periciar, apenas!, o “Drousys” (!)

Observo que, quanto à dificuldade de acesso ao sistema MyWedDay por ausências de credenciais, se o obstáculo não for resolvido, a perícia deve se limitar ao exame dos sistemas disponíveis

Que fase!

Notem que Moro não tem sequer coragem de escrever “Drousys”!

Prefere “sistemas disponíveis” (sic)!

A mensagem é clara:

Em Curitiba, estão todos no mesmo barco. Caiu um, cairão todos.

Afinal, todos ali são reféns agora: uns dos outros!

Portanto, não causa mais nenhum espanto que tal “ambiente”, tal “ethos”, tenha plantado, tempos atrás, a expressão “pacto de sangue”…

– … na boca de Antonio Palocci!

Ora, sabiam do que falavam!

*

Pobres lavajateiros…

Nesse seu desespero, palpável, poderiam até mesmo inspirar (em observadores mais sensíveis) pena

(i.e., na sua dimensão individual, humana
Acreditem: sou desses!)

O problema é que à Lava Jato – i.e., o ente político, proto-“juristocrático” – não deve ser concedida a mínima comiseração…

Pelo contrário:

– Deve ser massacrada!

– Pra ontem!

– Sem pestanejar!

– A bem do Brasil!

(país a resgatar a soberania ora aviltada)

– E dos brasileiros!

(povo agredido, de maneira selvagem, por coalizão estrangeira invasora: finança internacional + Deep State americano)

*

Eis a íntegra do instrumento que sela – de maneira definitiva – o “pacto de sangue” curitibano:

Poder Judiciário
JUSTIÇA FEDERAL
Seção Judiciária do Paraná
13ª Vara Federal de Curitiba

Av. Anita Garibaldi, 888, 2º andar – Bairro: Cabral – CEP: 80540-400 – Fone: (41)3210-1681 – www.jfpr.jus.br – Email: prctb13dir@jfpr.jus.br

AÇÃO PENAL Nº 5063130-17.2016.4.04.7000/PR
AUTOR: MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
AUTOR: PETROLEO BRASILEIRO S A PETROBRAS
RÉUMARISA LETICIA LULA DA SILVA
RÉU: ROBERTO TEIXEIRA
RÉU: BRANISLAV KONTIC
RÉU: MARCELO BAHIA ODEBRECHT
RÉULUIZ INACIO LULA DA SILVA
RÉU: PAULO RICARDO BAQUEIRO DE MELO
RÉU: ANTONIO PALOCCI FILHO
RÉU: DERMEVAL DE SOUZA GUSMAO FILHO
RÉU: GLAUCOS DA COSTAMARQUES

DESPACHO/DECISÃO

O Delegado de Polícia Federal Chefe da DELECOR/PR Felipe Eduardo Hideo Hayashi requer prazo adicional de quinze dias para a conclusão do laudo pericial ordenado por este Juízo.
Justifica o pedido alegando a complexidade nos sistemas “Drousys” e “MyWebDay” e a ausência das credenciais de acesso de dados cifrados do sistema “MyWebDay” (evento 1501).

Defiro, excepcionalmente, por mais quinze dias, contados do dia 07/02/2018.

Observo que, quanto à dificuldade de acesso ao sistema MyWedDay por ausências de credenciais, se o obstáculo não for resolvido, a perícia deve se limitar ao exame dos sistemas disponíveis, sendo de se observar que a Defesa havia até se oposto ao acesso a esse sistema mais recentemente disponibilizado.

Ciência à autoridade policial, ao MPF, Assistente de Acusação e Defesas, que ficam encarregados de comunicar os assistentes técnicos.

Curitiba, 06 de fevereiro de 2018.

Documento eletrônico assinado por SÉRGIO FERNANDO MORO, Juiz Federal, na forma do artigo 1º, inciso III, da Lei 11.419, de 19 de dezembro de 2006 e Resolução TRF 4ª Região nº 17, de 26 de março de 2010. A conferência da autenticidade do documento está disponível no endereço eletrônico http://www.trf4.jus.br/trf4/processos/verifica.php, mediante o preenchimento do código verificador 700004455079v4 e do código CRC 46a5968f.

Informações adicionais da assinatura:
Signatário (a): SÉRGIO FERNANDO MORO
Data e Hora: 7/2/2018, às 10:51:42

Em resumo (de antropólogo):

*

*

*

ATUALIZAÇÃO 8/fev/2018 – 8:15 – “Senha perdida”?! Onde “DD” enfiou o “maior pendrive do mundo”, hein?

Extrato de live especial do Duplo Expresso de 7/fev/2018. Integralidade aqui.

*

*

*

ATUALIZAÇÃO 8/fev/2018 – 9:50 – “Perícia (fake!) da PF”: advogados de Lula expõem (nova!) mentira de Moro

Por Romulus Maya, para o Duplo Expresso

A “barata voa” continua à toda em Curitiba. Causou estranhamento geral uma frase plantada naquele despacho de Sergio Moro em que testemunhamos o “bravo” juiz ser forçado – por seus cúmplices – a colocar também a sua digital no crime que contratara:

– A “perícia” – fake – que a Polícia Federal (não) “fez” nos “dados” (?) da Odebrecht.

Reparem na parte final deste trecho do despacho:

Observo que, quanto à dificuldade de acesso ao sistema MyWedDay por ausências de credenciais, se o obstáculo não for resolvido, a perícia deve se limitar ao exame dos sistemas disponíveis, sendo de se observar que a Defesa havia até se oposto ao acesso a esse sistema mais recentemente disponibilizado.

Oi?!

Ora, é a defesa do Presidente Lula quem pede, com insistência digna de Ulisses na Odisseia, registre-se, para ter acesso a esses sistemas – que Moro e comparsas guardam a 7 chaves.

(Imaginem os nomes que não tem ali dentro, minha gente…)

Evidentemente, mesmo já conhecendo de antemão a resposta, ato contínuo fui apurar junto ao advogado de Lula, Cristiano Zanin, de onde que Moro poderia ter tirado tal “afirmação”.

Eis a resposta recebida há pouco:

É factualmente incorreta essa afirmação do juiz Sergio Moro de que a defesa do ex-Presidente Lula teria se oposto ao acesso . Não há no processo qualquer manifestação da defesa se opondo ao acesso aos sistemas MyWebDay e Drousys.

Ao contrário, foi a defesa de Lula que pediu para ter acesso a esses sistemas a fim de comprovar que o ex-Presidente não recebeu qualquer valor ilícito da Odebrecht.

O juiz até hoje nega o acesso a esses sistemas a despeito da insistência da defesa de Lula, fazendo uso do conceito de “prova secreta”, incompatível com o processo penal democrático.

Esperamos que nos recursos já interpostos sejam reformadas essas decisões do juiz Sergio Moro que negaram acesso ao material, permitindo que o ex-Presidente Lula, por meio de sua defesa técnica, possa exercer a garantia da ampla defesa em toda a extensão prevista no Texto Constitucional.

Volto eu para dar a minha tradução – no gozo da liberdade de consciência, expressão e informação que me garante o Estado de direito em que vivo:

– Barata voa! Moro é pego – de novo! – na mentira!

*

*

*

*

ATUALIZAÇÃO 8/fev/2018 – 13h: Sen. Lindbergh Farias comenta (nova) mentira de Moro: “é moralista sem moral!”

Extrato de transmissão especial do Duplo Expresso, ao vivo, com o Senador Lindbergh Farias, realizada ainda há pouco. Integralidade aqui.

*

*

*

ATUALIZAÇÃO 9/fev/2018 – 1:50 – Exclusivo: procurador da Lava Jato trai-se (no Globo!) e entrega mentira (mais uma!) de Moro!

Por Romulus Maya, para o Duplo Expresso

Como os leitores do Duplo Expresso já sabem desde o último 29/1, o procurador Carlos Fernando…

(aquele que até tem nome – composto – de galã de novela mexicana, mas a quem falta… hmmm… o physique du rôle, digamos…)

– … deu declarações desastradas ao Jornal O Globo. Declarações essas que aceleraram, de forma dramática, a queda da Lava Jato.

Concedamos: Carlos Fernando agia em desespero. Estava aterrorizado pela “barata voadora” solta em Curitiba pelo áudio-bomba publicado pelo Duplo Expresso cinco dias antes. Nele, fonte de dentro do TI da empreiteira detalhava como se dava a farsa – combinada! – da “investigação” (sic) Lava Jato/ Odebrecht.

Como registramos naquele dia, tratava-se de uma tentativa – grotesca – de “vacina”:

(…) Surpreende que, uma semana depois, quem venha a “repercutir” as revelações do áudio-bomba – por meios tortos e indiretos – seja a trinca Globo/ Lava Jato/ Odebrecht. Todas elas agindo na vã tentativa de plantar uma “vacina” para as “lacunas” – mais que deliberadas – na “investigação” (tudo entre aspas mesmo).

O tal procurador Carlos Fernando dos Santos Lima sai-se com uma candidata – desde já franca-favorita – a maior piada de 2018:

“Segundo Carlos Fernando, como não foi possível verificar os dados com os pendrives entregues pela empreiteira, as circunstâncias em que outros pendrives de acesso ao mesmo sistema foram destruídos ou apagados estão “sob investigação”. Ele admite que esta é uma situação delicada, em função do direito constitucional de qualquer investigado de “não se autoincriminar”.
Há suspeita de que dados dos dispositivos tenham sido subscritos — isto é, apagados e reescritos. Nem Odebrecht, nem MPF testaram os tokens no momento de entrega dos dados à Lava-Jato”.

É isso mesmo: não pode acessar o conteúdo de mídias recebidas dos “colaboradores” porque não forneceram a senha! Que sequer lhes foi pedida quando da entrega! Mais: para “justificar” (!), ainda assim, a manutenção dos benefícios comprados pela Odebrecht, o procurador invoca o direito constitucional de que ninguém será obrigado a produzir prova contra si!

Ora, senhor procurador! Isso não existe para quem faz acordo de delação/ leniência! A obrigação é justamente a oposta: revelar tudo o que se sabe. A consequência para o incumprimento é clara: a perda dos benefícios!

Pois então…

Em 29/1, em resumo, Carlos Fernando:

(i) afirma que a Lava Jato “não possui a senha” para acessar os dados do sistema “MyWebDay”;

(onde eram feitos os lançamentos contábeis do grupo Odebrecht, incluindo propinas)

… e…

(ii) faz isso para plantar – via Globo – tentativa de “vacina” diante dos questionamentos advindos do áudio-bomba.

Apressado, o procurador “resolveu” o problema criado pelo áudio… impedindo a contraprova:

Ninguém mais poderia acessar o sistema – nem mesmo a Lava Jato!

Ou melhor, segundo Carlos Fernando…

Ninguém nunca pôde – jamais! – acessá-lo!

*

Repito: tudo isso dito no dia 29/1/2018.

*

Pois preparem-se agora para – mais um – “pega na mentira”!

Novamente épico, prometo!

*

Pergunta:

– Como poderia Carlos Fernando saber como ia – ou melhor: como não ia – a “perícia” contratada por Sergio Moro se

– … no dia 06/11/2017 Moro determinou, em despacho, que tanto a defesa quanto o MPF somente teriam acesso à “perícia” (sic) após a sua conclusão?

*

Abro aspas para Don Moro:

(dispenso-me aqui de comentar o “inusitado” de a Odebrecht, “investigada”! (sic), fornecer preposto – o Sr. Paulo Sergio da Rocha Soares – que é quem, de fato, extrai os “documentos” (?) da “base de dados” (?), ok, minha gente?
Não pelo ridículo, auto-evidente…
… mas porque já tratei disso em detalhes no artigo “Pega na mentira: empresa de investigação americana desmente Lava Jato e afirma que resgatou arquivos da Odebrecht (sonegados à defesa de Lula!)”, de 6/fev/2018)

*

De duas, uma:

(i) Ou Carlos Fernando “vazou” – em “on”! Para O Globo! – que o MPF violou determinação – expressa! – do “juiz” (?) Sergio Moro e estava, sim, acompanhando os (não!) “trabalhos” da “perícia” (sic);

… ou…

(ii) A tal “proibição” dirigida ao MPF por Sergio Moro é que era… fake!

*

Tão fake, aliás, quanto a própria “perícia” (sic) que o “juiz” contratou!

(como poderia ser diferente, não é mesmo?)

*

A propósito, tão (ou mais) fake quanto o novo despacho de Moro, desta semana:

*

Minha gente, qual a hipótese mais “verossímil”?

(“verossímil” – palavra da moda lá em Curitiba…
… e também no TRF-4, não é mesmo?)

(i) Carlos Fernando desobedeceu il capo, Don Moro?

(ii) Ou Don Moro é, mais do que nunca, reconhecidamente um mitômano “profissional”?

*

Ou melhor, um “mitômano… amador“?

Acho que essa pergunta é, na realidade, retórica, certo?

*

Aqui, a íntegra do despacho (fake) de Moro.

(“‘despacho fake’? Mas qual deles?!” – perguntam vocês…
“Fake são praticamente todos eles!” – prosseguem, exasperando-se…
*
Compreensivo, respondo eu:
– Desta feita, o (fake) mais antigo: o de 6/11/2017!
*
Mas tratem de tomar, já, um chazinho de camomila, ok?
Haverá – certamente – (muitos) outros fakes…
A bem da verdade, dezenas (centenas?) deles, minha gente!
Camomila!
*
Ou seria mais adequado, no caso…
(diante de mais este flagrante)
– … uma rodada de chopp bem gelado, galera?
*
Cortesia do Moro!
*
Ou melhor…
– .. do dublê de (dublê, de dublê, de…) galã mexicano!)

*

*

*

Desejo um bom Carnaval a todos nós, foliões do bloco “Desunidos da Esquerda”
(apud – meu parceiro – Wellington Calasans)

*

*

*

ATUALIZAÇÃO 9/fev/2018 – 4:43 – Recibo atrás de recibo: Lava Jato – via Anta-gonista – confirma tudo o que antecipamos!

Por Romulus Maya, para o Duplo Expresso

A “passação” de recibo não acaba mais lá em Curitiba. Devo confessar a vocês que não acompanho o que os lavajateiros fazem publicar no site “O Antagonista”. Não só pela toxicidade, mas principalmente pela falta de tempo para/ inconveniência de acompanhar o conteúdo – descontínuo – de um site que vive de (apenas) plantar “notinhas”.

Por isso, dependo sempre do aviso dos leitores sobre algo “relevante” (com sinal trocado) que os lavajateiros façam publicar por lá.

Vamos lá:

Exclusivo: Perícia da PF sobre Drousys sai em duas semanas
Brasil  08.02.18 20:30

[“Exclusivo”? Oi?!
Vocês tem que assinar o Duplo Expresso urgente!
*
Notem como a tônica aqui – como na notinha do filho da Miriam Leitão – é insistir no confusionismo entre “MyWebDay” e “Drousys”.
Vai ser isso mesmo: eles não tem como liberar o “MyWebDay”, pelos motivos que já discutimos:
“Terror! – há provavelmente ali, no “MyWebDay”, tudo o que a Lava Jato sempre escondeu:
– A corrupção de, e.g., juízes, procuradores, Ministros do STF, do TCU, auditores da Receita, Conselheiros do CARF, donos de veículos da grande mídia (“lavajatófilos”), jornalistas plantadores de “notinhas” e… tucanos!
Possivelmente, com mais uma “cereja” (atômica?) sobre esse “bolo”:
– O (há tanto sonegado…) registro das instituições financeiras – ah-rá! – pelas quais toda essa dinheirama circulou!
(Ka-boooom!)
”]

O Antagonista apurou que a Polícia Federal entregará a Sergio Moro, no próximo dia 23, o laudo da perícia no sistema Drousys, usado pela Odebrecht para registrar a propina paga a centenas de políticos.

[“Apurou”?
Jura?
Voltando ao primário:
9/fev (data limite anterior) + 14 dias (duas semanas) = 23/fev!
Bingo!]

Os peritos vão entregar primeiramente o chamado “laudão” ou “laudo mãe”, que trará os critérios de consulta – repetindo modelo usado nas investigações do Banestado.

[“Repetindo o Banestado”?
Vocês resolveram ajudar o nosso lado?!
“Banestado”…
É aquela operação que não deu em nada?
E que, justamente por isso, é o maior esqueleto no armário de Sergio Moro e dos procuradores do Paraná?
(e também do TRF-4!)
*
Dica de leitura para vocês, Anta-gonistas:
Sergio Moro & Dario Messer, o doleiro: o elo “perdido” – e explosivo – ligando Lava Jato e Bane$tado – 7/jan/2018
#DarioMe$$er
*
“Laudão” é ótima!
Eufemismo para “declaração genérica, sem qualquer concretude, ditada apenas pelo imperativo de gerar manchetes de impacto”.
Mas…
– … com reduzida, i.e., tanto quanto possível, “exposição jurídica” dos “peritos” em virtude da fraude que ora são compelidos a produzir.
Uma coisa é dizer “O Drousys [e não o MyWebDay! haha] é um “Outlook/ Whatsapp” da Odebrecht… e o sistema (!) não apresenta sinal de manipulação”…
Qual “Drousys” é esse, amiguinhos? ?
Aquele – defasado e incompleto – que foi replicado de Angola para a Suíça??
*
Outra coisa, bem diferente, é dizer “a planilha ‘x’, usada como prova no processo ‘y’ não foi fraudada!” ?
*
A propósito – do Paraná Portal/UOL:
(o mesmo que noticiou a prorrogação/ “barata voa”, na terça-feira à noite)

C.Q.D.!

Puts…
Agora já viraram 4 HDs??
*
“1,7 milhão de arquivos”??
Bem…
Já sumiram 300 mil (!) dos 2 milhões que saíram daqui da Suíça, né?
Cadê?
O gato comeu??
São, por um acaso, do “MyWebDay”?? ?
*
Mais: vocês estão dizendo que os caras já estão com esse material há 1 ano??
Gente…
Combinem as versões, antes, com o filho da Miriam Leitão!
tsc, tsc, tsc…]

A partir dele, a PF produzirá laudos específicos que serão produzidos a partir de demandas dos inquéritos em curso, inclusive os que estão no STF e envolvem autoridades com foro privilegiado.

[Ah-rá!
Bingo!
Tradução: o adiamento de duas semanas é só para tapar – com areia – os buracos no “laudo” mesmo…
No tal “relatório”, deletar tudo que (já!) haviam escrito sobre o “MyWebDay”!
Havia sido solicitado, inicialmente, por Moro a descrição de cada sistema.
Ou seja, o relatório (já) devia dizer algo como: “o MyWebDay é o sistema que registra a contabilidade, etc.  etc.
Agora terão de encher linguiça…
Caso contrário, o relatório vai minguar em número de páginas.
Certamente reforçarão – agora “documentalmente” (sic) – a patética tática de confusionismo entre “MyWebDay” e “Drousys” – já adiantada pelos insiders filho da Miriam Leitão/ Anta-gonista.
Problema: isso em nada confunde todo mundo “que manda” e “que decide” – dos dois lados da disputa.
Quem decidirá 2018 não será o Homer Simpson do William Bonner, Moro!
*
Essas duas semanas também são primordiais para alinharem discursos…
E, pra ontem, tentar controlar o chilique com a “barata voa”!

*
Além de ficarem, por estes dias chave, ligadinhos em tudo o que publicamos aqui no Duplo Expresso, né não? ?
*
Na verdade, o adiamento que a PF exigiu de Sergio Moro é…

– … por tempo indeterminado (!)
*
A barata continua zunindo em Curitiba!
*
– Eles resolveram…

– … não resolver nada!
*
Algo como: “bom… a gente vai se falando, então… qualquer coisa você tem nosso telefone, né, Sergio… vamos estar por aqui, mesmo… beijo na Rô…”
*
Título no tal Paraná Portal/UOL:

C.Q.D.!
(integralidade de mais essa “notinha” plantada no final)]

Pela primeira vez, desde a assinatura do acordo com a Odebrecht, a Lava Jato será capaz de verificar todos os registros de pagamentos de propina, de ponta a ponta, do contrato que originou o pagamento ilegal até seu beneficiário.

[hahaha
Oi?!
Como assim??
A “perícia” vai…
– … produzir informações?
– Novas?!
É isso mesmo??
*

Cara…
Diogo…
– … me ajuda a te ajudar…]

Segundo investigadores, os pagamentos mensais da empreiteira variavam de míseros 100 reais a 10 milhões.

Para evitar vazamentos, a PF introduziu um controle de log por usuário.

[“A PF” é o cacete!
Foram os Procuradores e Sergio Moro…
– … todos com o c* na mão!
haha
Estão fazendo bullying com os pobres dos “peritos”!]

*

*

*

Sistema de propina da Odebrecht deve render meses de trabalho para peritos
Publicado: 8, fevereiro 2018 às 19:15
Por Jordana Martinez
PARANÁ PORTAL/ UOL

A análise de todas as informações dos sistemas de controle de pagamento de propina da Odebrecht ainda deve render meses de trabalho para peritos da Polícia Federal em Curitiba. O laudo da primeira perícia nas plataformas Drousys e My Web Day precisa responder até 22 de fevereiro questões formuladas na ação penal que trata da propriedade de um terreno que seria destinado ao Instituto Lula e de um apartamento em São Bernardo do Campo, em São Paulo. Depois disso, novos pedidos de análise podem chegar à equipe de peritos.

A sede da Polícia Federal em Curitiba tem uma estrutura que mantém todo o material isolado em uma sala blindada por concreto, onde apenas agentes autorizados podem entrar. A intensificação do trabalho pode exigir, inclusive, a ampliação do espaço, assim como a equipe vem sendo reforçada. O setor aguarda um reforço de pelo menos quatro peritos criminais para compensar o número de agentes deslocados para a análise dos dois sistemas da Odebrecht. Atualmente, são 8 peritos dedicados exclusivamente à análise dos softwares.

Ao todo, a Lava Jato tem utilizado 16 peritos criminais, incluindo os designados para analisar os sistemas Drousys e My We Day. Se o reforço se confirmar, serão 20 peritos. Mas o número é flutuante porque os agentes são convocados a cada nova demanda e nem sempre permanecem na equipe depois de encerrada a missão.

A primeira análise dos softwares da Odebrecht foi determinada pelo juiz Sérgio Moro em setembro do ano passado, atendendo a um pedido da defesa de Lula na ação penal na qual ele é acusado de ter recebido propina da Odebrecht por meio da compra do terreno e do apartamento vizinho ao imóvel onde o ex-presidente mora em São Bernardo do Campo.

No laudo, os peritos precisam apresentar uma descrição geral do que se tratam e do funcionamento dos dois sistemas; devem verificar a “autenticidade” das plataformas; e extrair “documentos e lançamentos” relacionados ao imóvel da Rua Haberbeck Brandão, 178, em São Paulo, que teria sido comprado para depois ser repassado ao Instituto Lula.

Os sistemas têm 1,7 milhão de arquivos armazenados em 4 discos rígidos (HDs) de memória digital. O material foi entregue pela Odebrecht ao Ministério Público Federal em março do ano passado, como parte do acordo de leniência firmado pela empresa em dezembro de 2016.

*

Bônus (ou ônus)?: o filho da Miriam Leitão continua com o confusionismo “MyWebDay = Drousys” – sem opção, eles vão com isso até o fim, mesmo.

No G1: Polícia Federal reforça perícia da contabilidade paralela da Odebrecht
Por Matheus Leitão
08/02/2018 09h35

A Polícia Federal reforçou com sete novos policiais a perícia do sistema Drousys, gigantesco banco de dados da Odebrecht que armazenava a contabilidade paralela [???] da construtora.

Com esse novo efetivo de policiais, o número de peritos envolvidos na perícia já chegou a 16, podendo ainda ser ampliado para 20, segundo apurou o blog.

O trabalho está sendo realizado pela PF em Curitiba e poderá durar ao menos seis meses, devido a enormidade do material que operacionalizava os repasses do chamado “setor de propinas” da Odebrecht.

[Mentira: como vimos no Anta-gonista, a perícia de agora não vai ter substância.
E, mais pra frente, eles vão ver o que vão fazer…
“Daqui a 6 meses” o Lula, p.e., já vai estar no horário eleitoral gratuito!
No Brasil de hoje, pensar de manhã no prato do jantar já pode ser considerado “planejamento de longo prazo” (!)
“Daqui a 6 meses”??
haha]

O Drousys só foi entregue para a perícia da PF no final do ano passado e é, por isso, – e pela intensidade do trabalho –, que o grupo está sendo reforçado. Os peritos trabalham numa sala “caixa-forte”, toda blindada, onde só entram os policiais autorizados.

O sistema Drousys está sendo periciado pela Polícia Federal para que os procuradores possam utilizar as provas nas ações penais relacionadas à Lava Jato ainda em 2018.

[Jura??
Ainda outro dia o Sergio Moro disse que a Lava Jato estava “próxima do fim” (!)

rs]

Como informado pelo blog, a força-tarefa tem avançado nas investigações após ter acesso aos dados originais [???] do Drousys, com novos nomes e atualizações sobre aqueles que já estavam sendo investigados pela operação.

[Duplo Expresso informa: 100% fake news]

*

*

*

ATUALIZAÇÃO 10/fev/2018 – 13:00 – Canalha: atacando Dirceu, Moro tenta adiar (a própria!) prisão. Mais: nós avisamos!

Por Romulus Maya, para o Duplo Expresso

Em vez de satisfação, é a revolta que nos preenche quando vemos “profecia” nossa de 19/dez/2017 realizada no dia de hoje. Intitulamos o programa daquela data, justamente:

– “Prendendo Dirceu, Moro confessará que Cunha é seu dono!”

Era Cunha, então, o fator que desestabilizava o juiz de Curitiba. Isso porque dias antes, contrariando muitas pressões, publicáramos artigo de grande impacto (“Fator Tacla Durán: quem barra depoimento bomba é tabelinha Moro-Eduardo Cunha!” – 16/dez/2017) revelando que Sergio Moro era – e segue sendo – refém de Eduardo Cunha. Razão pela qual o criminoso – refiro-me, no caso, a Cunha – não estava preso.

Desmascarado, soubemos por fontes próximas ao ex-Ministro que havia a percepção de que Moro estava na iminência de apelar para o grande bode expiatório da grande mídia brasileira: José Dirceu. Havia a expectativa de que Moro decretasse a prisão do ex-Ministro, num desesperado movimento tático diversionista:

  • No popular, pego batendo carteira – sob Eduardo Cunha! – Moro reagia gritando…
  • … “pega, ladrão!”

*

Também seguindo movimento tático, exclusivamente nosso, buscamos “encarecer” para o juiz, no mercado de opinião, a consumação de tal canalhice. Assim, usamos o programa para tornar evidente diante do público a “manobra” Cunha/Moro – Dirceu, visado, evidentemente, à dissuasão da mesma.

A tônica:

– Em vez de sinal de força, o “extemporâneo” ataque a José Dirceu denota desespero de Moro.

*

Tivemos, todos os resistentes mobilizados, sucesso então. Por essa e/ ou outras razões, essa nova – e injusta – violência contra José Dirceu, e os seus, não se confirmou naquela oportunidade.

*

Chegamos ao dia de hoje, 9/fev/2018.

Tenho de confessar que superestimei, uma vez mais, a “inteligência” de Sergio Moro. Na suposição de que a exposição de tal “manobra”, óbvia, em dezembro seria já suficiente para que o juiz percebesse o quão fácil seria arguir o (gigantesco) “recibo” que ele ora passa, acreditei que, diante do desmascaramento final que empreendemos no momento, ele não apelaria para o uso político-midiático de Dirceu.

Engano.

Ou é ainda menos “inteligente” do que já supúnhamos…

– … ou o nível de desespero já não lhe deixa alternativa.

Contudo, o fato é inegável: é justamente nesta semana, em que temos apresentado provas materiais – em sequência! – de alguns dos inúmeros crimes de Sergio Moro, que ele finalmente ataca o ex-Ministro, na pessoa do seu irmão.

A única finalidade é, por óbvio, “subir a pauta”, como se diz no jargão do mercado de opinião. Mostrando, uma vez mais, toda a sua pequenez e covardia, pretende ele que políticos, intelectuais e o grande público que vem acompanhado as revelações que vimos trazendo desde terça-feira, pare de falar das mesmas e passe a falar de José Dirceu, o “espantalho” escolhido hoje.

 

  • Wadih Damous comenta denúncias do Duplo Expresso contra Moro

 

  • Fura bolha: Sen. Requião e Grazziotin falam da (nova!) mentira da Lava Jato

 

  • Lindbergh comenta (nova) mentira de Moro: “é moralista sem moral!”

*

Novamente:

– Ver realizada tal “profecia” nos enche é de revolta!

– Mais: tal comprovação cabal, pelo tamanho do recibo passado, de tudo o que vimos publicando nesta semana não diminui – em nada – o grau desse sentimento!

Pelo contrário: aumenta-a! Em não podendo atingir dois singelos ativistas, armados apenas de 2 iphones e bom 4G –  bem como do “privilégio” (!) de viverem em Estados de direito, longe de suas garras – Moro investe contra a família de Dirceu, figura que admiramos e vimos defendendo no programa.

Por isso, devo dizer ao irmão do ex-Ministro, ao próprio companheiro José Dirceu e a toda a família que lamentamos, profundamente, que tenham sido pegos, covardemente, no fogo cruzado.

No entanto, devo confessar que não nos arrependemos de nossa escalada final contra Moro. Na verdade, a mais recente canalhice apenas reforça a necessidade de uma grande união nessa batalha, para que tiremos esse sociopata de circulação o quanto antes.

Diante disso, espero poder, finalmente, contar com o apoio de certos veículos “alternativos”, que tem mostrado alguma hesitação em repercutir nossa pauta detonando o esquema Moro.

Hoje ele veio pelo irmão de Dirceu.

Amanhã virá atrás de quem?

*

Devemos – ao Brasil e aos brasileiros – pará-lo!

E o quanto antes!

*

E então, colegas blogueiros?

E então, lideranças políticas?

*

Desnecessário dizer que esperamos que o PT – em todos os níveis – corrija agora a grave falta ético-moral – e política! – que cometeu durante o julgamento do “Mensalão” (sic):

– Que, desta vez, una-se atrás de Dirceu e família.

*

*

*

P.S.: pouco antes de saber da nova manifestação da covardia de Moro, gravamos uma emissão especial de 1:30h cobrindo tudo o que ele tenta, em vão, esconder. O ânimo que testemunharão no vídeo foi substituído pela revolta. Mas que Moro não se engane: nossa determinação só aumenta!

  • “Live especial: Lava Jato do início ao… fim!”

Romulus Maya e Carlos Krebs comentam:

(1) Artigos do Duplo Expresso sobre as (novas!) mentiras da Lava Jato, de ontem à noite:
– “Exclusivo: procurador da Lava Jato trai-se (no Globo!) e entrega mentira (mais uma!) de Moro!” – link: https://duploexpresso.com/?p=87647
– “Recibo atrás de recibo: Lava Jato – via Anta-gonista – confirma tudo o que antecipamos!” – link: https://duploexpresso.com/?p=87677
– “Bomba: Exército – finalmente! – perdeu a paciência diante dos crimes de lesa-pátria da Lava Jato?” – link: https://duploexpresso.com/?p=87636

(2) Outro artigo: “Bolhas de rede social e dissonância cognitiva – em imagens – na família: ‘que fazer?!’” – links: https://duploexpresso.com/?p=87723

*

ATUALIZAÇÃO 11/fev/2018 – 00:01 – “Tentáculos”: esquema Moro planta fake news na blogosfera… “progressista”!

Por Romulus Maya, para o Duplo Expresso

Segue causando surpresa o nível de desespero e atabalhoamento demonstrado pelo esquema Sergio Moro no “contra-ataque” à sua exposição cabal a partir da publicação pelo Duplo Expresso, em 6/fev/2018, do artigo “Pega na mentira: empresa de investigação americana desmente Lava Jato e afirma que resgatou arquivos da Odebrecht (sonegados à defesa de Lula!)”.

A batalha é travada no mercado de opinião dos seus dois “lados”. I.e., nas duas “bolhas”. A primeira perna da tática diversionista foi, na grande mídia (lavajateira), fazer subir a pauta “José Dirceu”, como apontamos ontem. Nada surpreendente. Em verdade, prevíramos tal movimento – desesperado – ainda em 19/dez/2017, no programa.

Surpreendente mesmo é a outra perna do diversionismo:

– A capacidade demonstrada pelo esquema Moro de plantar fake news – claramente confusionista – em veículos da blogosfera…

– … “progressista”!

Tentam, assim, confundir o “lado de cá” com relação à prova material – definitiva – apresentada pelo Duplo Expresso das mentiras em série do esquema Moro.

O objetivo é claro: diminuir o seu impacto e, assim, evitar que, forçosamente, pautem o debate… político!

Buscam impedir que, finalmente, lideranças políticas se apropriem dessas revelações e passem, finalmente (bis), a usá-las em seus ataques à Lava Jato.

 

  • Wadih Damous comenta denúncias do Duplo Expresso contra Moro

 

  • Fura bolha: Sen. Requião e Grazziotin falam da (nova!) mentira da Lava Jato

 

  • Lindbergh comenta (nova) mentira de Moro: “é moralista sem moral!”

*

Em vez, é claro, de ficarem repercutindo a pauta  – da Globo! Oi?! – sobre…

– … “auxílio moradia” (!)

A insistência em seguir falando de “auxílio moradia” – depois das revelações do Duplo Expresso desta semana – lembra , aliás, o que nos disse executivo de multinacional semanas atrás, quando comentava a maneira com que a direção da Odebrecht vem “driblando” os auditores externos – “residentes”! – impostos pelos EUA e pelo Brasil nos respectivos acordos de leniência:

*

Voltemos ao relato da fake news plantada pelo esquema Moro também – surpreendentemente – do “lado de cá” do mercado de opinião.

Muitos leitores comemoraram o fato de referências, ainda que indiretas, à pauta do Duplo Expresso detonando o esquema Moro terem sido feitas em outros veículos da blogosfera “progressista”, no dia de ontem.

Eu mesmo me senti bastante aliviado, já que vimos insistindo nesse chamamento aos colegas, literalmente, há meses.

Desde 2017.

Ocorre que no meio de informações antigas, requentadas, está inserida uma…

– … fake news!

– Sem citar fonte ou link, surge referência – comprometedora – ao nome da empresa que foi – a chave! – para o desmascaramento (final) de Sergio Moro:

– A (americana) “FRA”.

Ora, como bem sabem as (centenas de milhares) de pessoas que leram o artigo publicado pelo Duplo Expresso na terça-feira passada, o primeiro a mencionar tal empresa no noticiário, a “FRA” – acrônimo de Forensic Risk Alliance – é uma (gigantesca!) empresa de perícia/ investigação forense americana, com histórico de atuação em mais de 70 países!

Ela não tem “dono”!

A exemplo de grandes escritórios de advocacia, trata-se de uma sociedade com, literalmente, dezenas de sócios!

Com escritórios espalhados pela América do Norte e Europa!

Inclusive aqui na Suíça, em Zurique:

Só não fui lá pegar uma declaração – dos próprios! – a respeito da alegação “surgida” no Brasil de serem, “em realidade”, um “tentáculo da Odebrecht” (!) porque hoje é sábado!

*

Na verdade, Paulo Sérgio da Rocha Soares era “proprietário” – ou melhor: laranja da Odebrecht na “propriedade” – da empresa de informática…

– … Drfatsystem!

Essa, sim – e não a (americana) FRA, desenvolveu e implantou o “MyWebDay”…

– … bem como o – “batizado”! – “Drousys”.

Mas…

Nessa “outra empresa” (!) trabalhavam funcionários do TI da…

– … Odebrecht!

*

Tornando o “laranjal” ainda mais claro, as carteiras e contratos de trabalho dos mesmos eram assinados pela…

– … Odebrecht!

*

Vale lembrar que o mesmo esquema “laranjal corporativo” foi usado pela Odebrecht justamente com o próprio irmão (!) de Paulo Sérgio da Rocha Soares, Luis Eduardo, no Meinl Bank Antígua:

*

Estamos em guerra!

Sob invasão estrangeira de uma sofisticada coalizão “híbrida”/ “PPP”: finança internacional + Deep State americano!

Recorro, portanto, à sabedoria milenar do General chinês Sun Tzu. Como todos bem lembramos, o livro “A arte da guerra” virou modinha – e clichê – nas rodinhas de executivos dos anos 90. Contudo, para virar um clichê – e de milhares de anos – algum valor há de ter:

Se você conhece o inimigo e conhece a si mesmo, não precisa temer o resultado de cem batalhas. Se você se conhece mas não conhece o inimigo, para cada vitória ganha sofrerá também uma derrota. Se você não conhece nem o inimigo nem a si mesmo, perderá todas as batalhas.

*

Em vez de embargar “rivais” (?!), “newcomers”, veículos da blogosfera… hmmm… “tradicional”, digamos (ou seria “GloBosfera”, como diz o Calasans?), deveriam estar somando esforços na luta contra o verdadeiro inimigo – comum:

– O esquema Moro!

(e seus patrocinadores estrangeiros!)

*

Se não for o caso de agora finalmente a ficha cair, e o embargo prosseguir, que colegas ao menos tomem o cuidado de não se deixar pautar – sem sequer fazer checagem – por fonte esperta, que – notoriamente – sabe “operar”. Fonte essa que, em momento de clímax, “do nada” “desaparece” por 3 semanas (com todos os aparelhos de celular terminantemente desligados)…

– E que, também “do nada”, “volta dos mortos”, passando a “sondar” veículos do “lado de cá” – inclusive sobre…

– … as pautas em que trabalham e o que “lhes interessa saber”.

Ou seja: seus alvos e próximos passos!

Nós avisamos, em 22/jan/2018:

Capisce?

*

Parece que a lição (magna!) ensinada por Miriam Dutra, a ex-amante de FHC, sobre como aumentar a própria alavancagem contra o “lado de lá” – “operando” o “lado de cá”! – para arrancar “benefícios” e concessões do primeiro não foi, ainda, devidamente aprendida.

  • Ex-amante de FHC tenta – sem sucesso – ensinar o que é “operar” alguém

*

Posso ser “neófito”, “jovem (?) idealista”, “carregar na adjetivação e na carga dramática” dos meus títulos…

Mas…

– … sem falsa modéstia, permito-me dizer que burrice – e ingenuidade – nunca deram as caras por aqui.

Mais: sem ganhar um centavo desde que comecei a publicar artigos em 2016 – muito pelo contrário, registre-se – sou totalmente avesso a tentativas de “conchavos” e “pressões” “de bastidores”. O resultado obtido será, sempre, o oposto!

  • “Nossa resposta a ‘pressões’ e ‘conchavos’: vir a público”
    Extrato do programa do dia 20/dez/2017. Integralidade aqui.

*

O mais “irônico” (?) de tudo isso é que, nesses mesmos “bastidores”, há quem tente fazer colar a “narrativa” de que – o Duplo Expresso! – é quem publica…

– … “fake news” (!)

(haha)

*

Bis:

Se você não conhece nem o inimigo nem a si mesmo, perderá todas as batalhas.

*

*

*

Recordar é viver:

 

*

Acabo de ver, no Face, que o espectador Humberto Jorge também divulga o nosso trabalho (rs):

*

*

*

ATUALIZAÇÃO 11/fev/2018 – 21:0o – Estava faltando o meme, claro!

*

*

*

ATUALIZAÇÃO 13/fev/2018 – 20:37 – Casa caiu: Duplo Expresso força esquema Moro a confessar que “provas” eram… falsas!

Por Romulus Maya, para o Duplo Expresso
Publicado 13/fev/2018 – 20:37
Atualizado 14/fev/2018 – 17:40

Diversos membros da rede do Duplo Expresso, sempre atentos, vieram nos avisar, pelas diversas redes sociais, sobre nova “notinha” – tabajara – plantada pela Lava Jato na sua assessoria de comunicação preferencial, o site Anta-gonista. Trata-se, claramente, de uma tentativa patética (mais uma!) de “vacina”/ “hedge” diante do desmascaramento final da Lava Jato, que se deu exatamente uma semana atrás, aqui no site.

Vamos à tal “notinha”:

Exclusivo: PF foi à Suíça para garantir integridade de sistema da Odebrecht
Brasil – 13.02.18 13:30

O Antagonista apurou…

[Errata: “recebeu dos lavajateiros”, que não se cansam de enrolar mais a corda nos próprios pescoços…]

– … que a Polícia Federal teve que solicitar às autoridades suíças outra cópia do sistema Drousys, uma vez que os peritos descobriram violações no arquivo que estava com a PGR.

[“Pediram” quando?
Quando foi “entregue”?
Quais as diferenças para os arquivos anteriores?
Ou seja: o que foi adulterado? Quem era o alvo?
Adulterado por quem? Em que condições?
Foi só a PGR quem usou os dados adulterados?
Em Curitiba nunca se usaram?
Nunca “embasaram” (sic) “investigações”, diligências e “processos”?]

Integrantes da equipe de Rodrigo Janot não espelharam o equipamento e acessavam diretamente as planilhas com os registros de propina, sem cumprir os protocolos para garantia da integridade da prova.

Os técnicos de Curitiba ficaram estarrecidos quando descobriram que a PGR de Janot guardava os oito HDs enviados pela Suíça numa sacola plástica de mercado.

[Haha
É muito mais do que isso!
Como disse Tacla Durán no seu depoimento à CMPI de 30/nov/2017, é possível constatar falsificações – grosseiras, inclusive – nas planilhas que Rodrigo Janot anexou como “prova” (sic) à denúncia que ofereceu contra Michel Temer ao STF.
A pior de todas: a data constante das mesmas, indicada nos próprios “documentos”!, era posterior (!) à data em que as autoridades suíças bloquearam o acesso aos servidores, impedindo novos lançamentos.
“Plantaram” o “depósito” no período em que Temer já ocupava a Presidência, para permitir o oferecimento da própria denúncia!
(atenção: o bloqueio pelos suíços nunca impediu, em absoluto, a extração de cópias dos arquivos existentes, como, maliciosamente, tenta fazer crer a Odebrecht nas notas, “dúbias”, que tem soltado à imprensa (lavajatófila) nas últimas semanas)
A versão original dos lavajateiros – em Curitiba e em Brasília – dava conta de que os arquivos que vêm usando como “prova” (sic) teriam sido tão somente “copiados”, fidedignamente, dos servidores localizados na Suíça.
Diante da comprovação cabal das falsificações (grosseiras!) por Tacla Durán na CPMI, houvesse Lei no Brasil, já na saída desse depoimento, Janot e todo o seu staff na PGR teriam sido presos cautelarmente, por obstrução da Justiça.
Mas…
Quem poderia oferecer denúncia contra…
– … o PGR?
Um colega procurador??
Sem chance!
Nem mesmo agora, quando é ex-PGR, parece que Raquel Dodge, a atual, irá atrás de Janot e seus comparsas – como Eduardo Pelella, seu chefe de gabinete, e Vladimir Aras, o responsável pelas (ilegalidades nas?) “cooperações” (sic) internacionais.
*
E é exatamente por isso que a aprovação da Lei Cancellier é tão urgente.
Notem: refiro-me, evidentemente, ao projeto Requião! Batizado de “Lei Cancellier”!
E não ao projeto fake, que sequer se chama “Lei Cancellier”!
Ou seja, ao “Substitutivo” (sic) que a dupla (refém do MPF!) Simone Tebet e Randolfe Rodrigues colocou – clandestinamente (!) – em lugar do Projeto de Lei do Senado (PLS) original – de relatoria de Requião! – no envelope que desceu para a Câmara dos Deputados!
Sim, Randolfe: o “moralista” (sem moral) da (caiu na…) REDE!
Citado em uma das listas da Odebrecht, o Senador do Amapá tornou-se (mais um) refém do MPF.
Assim como Simone Tebet, também enrolada com a$ conta$ da administração municipal que exerceu antes de chegar ao Senado.
Em troca de um salvo conduto – mediante prevaricação combinada com os procuradores responsáveis – ambos os reféns tornaram-se lobistas (!) dos interesses (escusos) do MPF no Senado!
*
E tem veículo “alternativo” que ainda incensa Randolfe, sabe…


*
A Lei Cancellier – refiro-me ao projeto de Requião! – tirava o monopólio do MPF no oferecimento de denúncias à Justiça no caso de abuso de autoridade. Nele, a vítima de abuso – como, p.e., o Reitor Cancellier, vivo estivesse – poderia também titularizar a ação penal, caso houvesse omissão do MPF (corporativista!).
Já a falsificação (“Substitutivo” – sic) de Randolfe, sub-repticiamente colocado por Simone Tebet no envelope que desceu para a Câmara dos Deputados em lugar do PLS “Cancellier” – aquele relatado por Requião – mantém o status quo vigente: só o MPF pode oferecer denúncia contra…
– … o MPF (!)
Ah-rá!
Sim, é esse o nível das “articulações” (sic) que MPF – o “fiscal da Lei”! – e seus lobistas senatoriais fazem, na surdina, na Casa das Leis!
*
Há ainda alguma dúvida sobre o grau de sequestro da democracia brasileira por essas autoridades, não eleitas?
*
Como não cansamos de repetir no Duplo Expresso, o regime da “Juristocracia”, declarado com pompa e circunstância em Porto Alegre no dia 24/jan último, deve ser esganado!
No berço!
Que deve, ato contínuo, ser incinerado!
Na sequência, até o chão do quarto desse “bebê” (da Besta…) deve ser salgado!
Que nada mais brote ali!]

*

Atenção: blogosfera “alternativa” segue, voluntária ou involuntariamente, prestando serviço à tática de diversionismo do esquema Moro!

*

Como veem, não vou atrás…

Não saio “catando piolho” para poder criticar a “concorrência” (?!).

Mas não posso me eximir de apontar todas as vezes em que veículos do “lado de cá” prestam-se, voluntária ou involuntariamente, a ajudar a Lava Jato nesse seu diversionismo desesperado.

Ora, estamos em guerra!

Se você conhece o inimigo e conhece a si mesmo, não precisa temer o resultado de cem batalhas. Se você se conhece mas não conhece o inimigo, para cada vitória ganha sofrerá também uma derrota. Se você não conhece nem o inimigo nem a si mesmo, perderá todas as batalhas.

*

Vamos lá:

(suspiro!)

PF confirma violação nas planilhas da Odebrecht, como o DCM antecipou

[“Antecipou”?
Três dias depois?
Com informações “equivocadas”, possivelmente plantadas pelo esquema Moro?]

Postado em 13 de fevereiro de 2018 às 1:28 pm

https://www.diariodocentrodomundo.com.br/wp-content/uploads/2017/03/moro1-600x418.jpg
“Tem alguém aí?”

O blog anti-petista O Antagonista publicou uma nota que confirma o que o DCM vem noticiando já há bastante tempo: a Lava Jato tem mais furo do que queijo suíço. Informa o blog:

A Polícia Federal teve que solicitar às autoridades suíças outra cópia do sistema Drousys, uma vez que os peritos descobriram violações no arquivo que estava com a PGR.

Integrantes da equipe de Rodrigo Janot não espelharam o equipamento e acessavam diretamente as planilhas com os registros de propina, sem cumprir os protocolos para garantia da integridade da prova.

Os técnicos de Curitiba ficaram estarrecidos quando descobriram que a PGR de Janot guardava os oito HDs enviados pela Suíça numa sacola plástica de mercado.

O sistema Dousys, a que o blog se refere, foi criado pela Odebrecht, com servidores na Suíça e Suécia, para transmissão segura entre os membros da organização, com diversos tentáculos, inclusive um banco em Antígua, Caribe, o Meinl, e doleiros.

[Não: o sistema Drousys – e não “Dousys” – não era mantido “com servidores na Suíça e Suécia”!
Todos os servidores da Odebrecht – espalhados pelo mundo! – rodavam o sistema.
O TI da Odebrecht – deliberadamente – desviou o acesso para servidores desatualizados e incompletos no dia da batida da PF – possivelmente em colusão com a mesma e com os procuradores do MPF.
(ver “Exclusivo: áudio bomba – das entranhas da Odebrecht – detona de vez a Lava Jato!” – 22/jan/2018)
Como informou nossa fonte no TI da Odebrecht, os servidores mais completos seriam aqueles localizados no Panamá, que seguem intocados.
O conteúdo dos servidores da Suíça seriam apenas um espelho daquele dos de Angola – ambos reconhecidos como defasados (até mesmo!) pelos próprios responsáveis pela administração do sistema em depoimento a il capo, Don Moro, em Curitiba.
Sim, esse é, sim, o nível de amadorismo da Lava Jato!
Registrar – no processo! – seus próprios trambiques!
*
Mas…
Ainda bem, né??]

O DCM já fez na semana passada reportagem que mostrou evidências de que o sistema foi alterado para apresentação de provas forjadas por parte de procuradores da república, inclusive de Rodrigo Janot, que chefiou o Ministério Público Federal.

A julgar pelo histórico do blog O Antagonista, a notícia tem procedência, porque ajuda Michel Temer e Aécio Neves, a quem seus jornalistas apoiaram para chegar e se manter no poder, através de um golpe.

[Peneira editorial furada, não?
Binária…
Se é “de extrema-direita” e “anti-petista” então é, necessariamente, pró-Temer/ Aécio, né?
A todo tempo…
Ou será que não?

Não existe o golpe juristocrático, que mira toda a classe política?
E o Anta-gonista não é, por acaso, a sua assessoria de comunicação preferencial?
Ai, ai…]

Mas este não é o ponto principal.

[Folgo em saber!]

A notícia tem relevância porque revela o monstro que foi criado com a cumplicidade da imprensa: autoridades que se julgam acima da lei e que, para atingir seus propósitos, são capazes de recorrer à fraude.

Quem levantou primeiro essa suspeita foi a defesa do ex-presidente Lula, que pediu perícia nos sistemas Drousys e My Web Day, da Odebrecht, pedido que foi negado pelo juiz Sergio Moro.

[Errado!
Mais um diversionismo plantado pelo esquema Moro que veículos “alternativos” aqui ajudam, consciente ou inconscientemente, a promover.
Tal “narrativa” é alardeada pelos lavajateiros numa tentativa de emprestar “legitimidade” à perícia – fake – que contratou à Polícia Federal.
Esse “procedimento”, fajuto, nada tem a ver com a defesa do Presidente Lula!
Já boa conhecedora do “Moro’s operandi”, a defesa requereu, no incidente de falsidade, acesso (direto!) aos bancos de dados de onde, supostamente, eram extraídas as “provas” que alimentavam os processos.
Esse sim – o acesso da defesa – foi negado por Moro.

E sabemos bem por que, não é verdade?
E agora com direito, até mesmo, a “notinha”-confissão-“vacina”-“hedge” referente às falsificações perpetradas, plantada no Anta-gonista!
(e prontamente replicadas – acriticamente – por veículos “alternativos”, endossando todos os seus termos (!))
Os lavajateiros paranaenses buscam jogar, nessa “notinha”, todo o peso da acusação de falsificação – mais do que evidente à esta altura – sobre a Lava Jato de… Brasília (PGR)!
Melhor: joga-lo sobre um grupo de procuradores ora em desgraça, apeados que foram do poder, com a ascensão de Raquel Dodge.
Assim, escondem a verdadeira fábrica de falsificações em série:
– Curitiba!
Vale perguntar:

Ou seja: os lavajateiros de Curitiba bateram a carteira – confessam o crime – mas atribuem-no a outros procuradores!
Diversionismo claro!
Bem…
Ao menos para a rede do Duplo Expresso, né…]

*

Repito:

O Antagonista apurou que a Polícia Federal teve que solicitar às autoridades suíças outra cópia do sistema Drousys, uma vez que os peritos descobriram violações no arquivo que estava com a PGR.

  • “Pediram” quando?
  • Quando foi “entregue”?
  • Quais as diferenças para os arquivos anteriores?
  • Ou seja: o que foi adulterado? Quais os alvos?
  • Adulterado por quem? Em que condições?
  • Foi só a PGR quem usou os dados adulterados?
  • Em Curitiba nunca se usaram?
  • Nunca “embasaram” (sic) “investigações”, diligências e “processos”?

E finalmente:

*

A casa caiu!

*

O mais curioso de tudo é algo que só pode se dever a um erro nos servidores utilizados pelo DCM…

Afinal, como poderia a matéria publicada nele, repercutindo (acriticamente) a “notinha” plantada pela Lava Jato no Anta-gonista, ter saído…

  • … antes da mesma?

 

 

*

Outra curiosidade é o pronto interesse despertado em Tacla Durán pelas duas matérias, ambas destinadas a dois públicos bem diferentes, não é mesmo?

 

E ainda outra:

*

Em tempo – repeteco de 10/fev/2018: “‘Tentáculos’: esquema Moro planta fake news na blogosfera… ‘progressista’!

Em vez de embargar “rivais” (?!), “newcomers”, veículos da blogosfera… hmmm… “tradicional”, digamos (ou seria “GloBosfera”, como diz o Calasans?), deveriam estar somando esforços na luta contra o verdadeiro inimigo – comum:

– O esquema Moro!

(e seus patrocinadores estrangeiros!)

*

Se não for o caso de agora finalmente a ficha cair, e o embargo prosseguir, que colegas ao menos tomem o cuidado de não se deixar pautar – sem sequer fazer checagem – por fonte esperta, que – notoriamente – sabe “operar”. Fonte essa que, em momento de clímax, “do nada” “desaparece” por 3 semanas (com todos os aparelhos de celular terminantemente desligados)…

– E que, também “do nada”, “volta dos mortos”, passando a “sondar” veículos do “lado de cá” – inclusive sobre…

– … as pautas em que trabalham e o que “lhes interessa saber”.

Ou seja: seus alvos e próximos passos!

Nós avisamos, em 22/jan/2018:

Capisce?

*

Parece que a lição (magna!) ensinada por Miriam Dutra, a ex-amante de FHC, sobre como aumentar a própria alavancagem contra o “lado de lá” – “operando” o “lado de cá”! – para arrancar “benefícios” e concessões do primeiro não foi, ainda, devidamente aprendida.

  • Ex-amante de FHC tenta – sem sucesso – ensinar o que é “operar” alguém

*

Posso ser “neófito”, “jovem (?) idealista”, “carregar na adjetivação e na carga dramática” dos meus títulos…

Mas…

– … sem falsa modéstia, permito-me dizer que burrice – e ingenuidade – nunca deram as caras por aqui.

Mais: sem ganhar um centavo desde que comecei a publicar artigos em 2016 – muito pelo contrário, registre-se – sou totalmente avesso a tentativas de “conchavos” e “pressões” “de bastidores”. O resultado obtido será, sempre, o oposto!

  • “Nossa resposta a ‘pressões’ e ‘conchavos’: vir a público”
    Extrato do programa do dia 20/dez/2017. Integralidade aqui.

*

O mais “irônico” (?) de tudo isso é que, nesses mesmos “bastidores”, há quem tente fazer colar a “narrativa” de que – o Duplo Expresso! – é quem publica…

– … “fake news” (!)

(haha)

*

Bis:

Se você não conhece nem o inimigo nem a si mesmo, perderá todas as batalhas.

*

*

*

Compartilhe – e ajude a trollar o Carlos Fernando (foco no “C/C”):

*

*

*

(Nada!) Off topic:

*

*

*

ATUALIZAÇÃO 14/fev/2018 – 17:40 – Guerra: precisamos saber quem são os “inimigos”. E, prioridade zero, os “amigos”!

Extrato da live especial “Golpe do Judiciário e invasão americana – por que o PT não dá nome aos bois?” (12/fev/2018), tratando em particular do artigo “‘Tentáculos’: esquema Moro planta fake news na blogosfera… ‘progressista’!” (10/fev/2018).

Posteriormente, o tema seria retomado em outro artigo. Esse, o de maior leitura do site desde que o duploexpresso.com entrou no ar (acreditem: não faz nem um mês ainda!), com centenas de milhares de acessos:

*

Trecho de “‘Tentáculos’: esquema Moro planta fake news na blogosfera… ‘progressista’!” (10/fev/2018):

Estamos em guerra!

Sob invasão estrangeira de uma sofisticada coalizão “híbrida”/ “PPP”: finança internacional + Deep State americano!

Recorro, portanto, à sabedoria milenar do General chinês Sun Tzu. Como todos bem lembramos, o livro “A arte da guerra” virou modinha – e clichê – nas rodinhas de executivos dos anos 90. Contudo, para virar um clichê – e de milhares de anos – algum valor há de ter:

Se você conhece o inimigo e conhece a si mesmo, não precisa temer o resultado de cem batalhas. Se você se conhece mas não conhece o inimigo, para cada vitória ganha sofrerá também uma derrota. Se você não conhece nem o inimigo nem a si mesmo, perderá todas as batalhas.

*

Em vez de embargar “rivais” (?!), “newcomers”, veículos da blogosfera… hmmm… “tradicional”, digamos (ou seria “GloBosfera”, como diz o Calasans?), deveriam estar somando esforços na luta contra o verdadeiro inimigo – comum:

– O esquema Moro!

(e seus patrocinadores estrangeiros!)

 

Acha o nosso trabalho importante? Reforce a nossa causa em apenas 2 segundos: apoie a sua divulgação tornando-se um Patrono do Duplo Expresso

Facebook Comments

Romulus Maya

Advogado internacionalista. 10 anos exilado do Brasil. Conta na SUÍÇA, sim, mas não numerada e sem numerário! Co-apresentador do @duploexpresso e blogueiro.