Para onde vai o Chile?

Por Alejandro Acosta

 

Mais de 200 mil pessoas permanecem diariamente em protestas permanentes. Existem milhares de ações que não são relatadas.
Embora a situação objetiva tenda a não ser animadora como uma perspectiva real de triunfo, a menos que ocorra um evento de desequilíbrio. Esta seria a entrada em cena em massa da classe trabalhadora.
Na sexta-feira, 6 de dezembro de 2019, mais de 300 mil pessoas tomaram a Plaza de la Dignidad e acabaram derrotando a chamada Lei Anti-saques, que mais uma vez colocou em pé a brutalidade aberta da ditadura do general Pinochet.
Na terça-feira, 10 de dezembro, aconteceu mais uma greve geral. Os funcionários públicos pararam em 45% e os do setor privado em 25%. O boicote clássico da burocracia. Ela aposta em um acordo com o pinochetismo; o impulsionado pela Democracia Cristã e do Partido Radical. As marchas também caíram naquele dia; três pessoas foram gravemente feridos por bombas de gás lacrimogêneo na cabeça. Mas os dias seguintes continuaram, com panelaços, mais manifestações e marchas.
Em 9 de dezembro, um avião da Força Aérea chileno caiu quando se dirigia à Antártica. Entre eles, havia um general que tinha chefiado a Zona de Emergência no Sul e que tinha se recusado a decretar o toque de recolher; um dissidente da linha de comando do Exército. Ele foi retirado de seu comando e enviado para a Antártica. Junto com ele estavam sete oficiais que também haviam sido sua equipe no Sul, que apoiaram a não aplicação do Estado de Emergência e também foram removidos de seu comando e enviados à Antártica.

A burguesia está dividida
O base do atual regime pinochetista no Chile é a aliança de classes ou segmentos da burguesia que apoiam o regime. Está rachando pela força do movimento de massas que enfraqueceu a ação das forças armadas de Pinochet. Há um estado geral de desobediência. Com o qual a polícia não consegue lidar. Em termos políticos, é o que acontece quando há um grande aumento de massas que não pode ser derrotado pela força bruta. A burguesia está dividida. É um erro pensar que a direita atua como um bloco monolítico, mesmo quando obedece ao mesmo padrão.

A parte do regime mais reacionário quer impor a saída por meio da força bruta. É a imposição dos setores mais reacionários do imperialismo, uma vez que está diretamente relacionada ao controle de toda a América Latina, começando pelo Brasil, que se transformou no modelo das novas ditaduras ferozes, estruturadas no semi-silêncio com o apoio da “esquerda”. Esse modelo já está sendo exportado para o Uruguai, quase um copiar / colar. Está integrado ao rápido avanço do golpe no Chile e na Bolívia. E como pano de fundo está a integração do narcotráfico e outras empresas “ilegais” no aparato estatal.
O Partido da Renovação Nacional, de Sebastián Piñera, afirmou que existem apenas duas saídas, a violenta ou a negociação. Contra a política da violência, as Forças Armadas não agirão sem garantias de impunidade. Somente a Polícia continuará a fazê-lo, mas isso não é suficiente. A impunidade é concedida pelo Parlamento, neste momento, e não há condições políticas para concedê-la. Portanto, a saída violenta exige um golpe de Estado pinochetista aberto ou o uso de gangues fascistas.
A Força Aérea já disse que não atuará em nenhum cenário. A Marinha e o Exército apenas como garantias. A Marinha é abertamente fascista. O Exército tem frações, especialmente radicais e democratas-cristãos (ambos os partidos introduziram muitas pessoas no Exército desde 1990) e filofascistas.
O outro setor fundamental da burguesia quer fazer novas concessões hoje para poder quebrar o movimento mais facilmente amanhã. E ele precisa fazer alguma concessão ao PCCh (Partido Comunista do Chile)
A DC (Democracia Cristã) afirmou que se foi longe demais. Exigiu que o governo parasse com a escalada repressiva ou renunciasse. O lhe retiraria o apoio do parlamentar. Um primeiro passo nesta crise se manifestou na retirada da “Lei Amaldiçoada”, ou Lei Anti-Saques, aprovada por uma esmagadora maioria dos votos, com o apoio da esquerda e a ampla rejeição popular nas ruas.

No dia 11 de dezembro, uma acusação constitucional foi proferida pelo Parlamento contra Andrés Chadwick, ministro do Interior de Piñera, da UDI (União Democrática Independente). Uma tentativa de usá-lo como bode expiatório.
O Partido Radical disse ao governo que as Forças Armadas (pinochetistas) fazem parte do estado, não do governo. Ou seja, eles também são deles, que fazem parte do estado. O espírito de classe é fortalecido pelo fato de os radicais serem maçons e de a maior loja do Chile estar nas Forças Armadas, a Logia Lautaro.
A negociação tem como objetivo principal tentar adiar tudo até abril. E aplicar a força bruta para impor o acordo. Eles apostam no desgaste. Enquanto houver garantias de impunidade. Ou os “negociadores” da direita optarão pela renúncia de Piñera. Tudo obviamente dependerá da correlação de forças.

O Partido Comunista do Chile (PCCh)
Uma avaliação detalhada do PCCh é muito importante por causa de que este partido dirige a CUT (Central Unitária dos Trabalhadores), a Unidade Social, a FECh (Federação dos Estudantes Universitários de Chile) e outras organizações de massas.

A Renovação Nacional quer deixar de fora o PCCh em qualquer negociação. A DC (Democracia Cristã) e o Partido Radical querem negociar com o PCCh.
A liderança do PCCh manobra e aumentou a participação nas manifestações. A tentativa é de preservar o controle hegemônico da esquerda. Mas, devido a que atua como um partido fundamentalmente parlamentar e tendo como política fundamental a “revolução por etapas”, o que ainda deseja é manter o regime parlamentar, que lhe permita expandir sua influência e privilégios.
A base comunista fica na rua todos os dias e mantém uma posição mais radical que a liderança.
Os eixos fundamentais de sua política são: Fora Piñera! Assembleia Constituinte popular a partir dos cabildos!
O PCCh precisa surfar a onda para controlar o movimento e não explodir. O que cria perigos e o torna um potencial sabotador aberto do movimento de massas.
O PCCh dirige os principais sindicatos, a Unidade Social, o FeCh (Federação de Estudantes Universitários do Chile) e várias outras organizações sociais. Por esse motivo, um dos componentes fundamentais da política revolucionária está relacionado à política em relação ao PCCh.
O PCCh continua participando do movimento e fazendo as ligações. Sua política parlamentar sofreu derrotas, como por exemplo, a tentativa de obter assinaturas para ir contra Sebastián Piñera por sonegação de impostos. Ele coletou apenas 65 das 155 necessárias. Eles não tiveram o apoio da Frente Ampla, da Democracia Cristã, e do Partido Radical, o que mostrou os limites importantes desses partidos. Somente os regionais, os humanistas e independentes o apoiaram. A DC quer isolar o PCCh, o que abre uma importante brecha; Génaro Arriagada, um de seus líderes históricos, disse que o PCCh deve ser isolado e pagar o custo político pelos distúrbios.
Após a brutal repressão de 10.12.2019, dois deputados do PPD disseram que isso deve parar agora e pediram a renúncia do diretor da Polícia. As outras partes “negociadoras” não disseram uma palavra.
A tática geral é que, na luta prática, apoiamos o PCCh tudo o que é uma verdadeira luta contra o pinochetismo. Mas vamos criticar todo oportunismo e traições. E contestar as bases da luta prática, com política e prática, aproveitando o fato de que no próximo período a margem para o oportunismo será bastante reduzida.

Caracterização das frações na Direção da CCP
Há duas alas fundamentais no Comitê Executivo do CPC, que são refletidas em todo o Partido. O grupo predominante é apelidado de KGB e é liderado por Guillermo Tellier e Lautaro Carmona. São eles que administram o PCC nos últimos 15 anos. É o PCC dos acordos com o centro esquerdo e o setor mais oportunista. É o setor típico de máquinas internas e grandes operações de inteligência e contra-inteligência muito complexas. É, no entanto, um grupo muito empático em termos de “mídia” e que está sempre obtendo resultados, de maneira burocrática, por meio de métodos administrativos. Ele liderou o PCCh a ter sete deputados e mais de 50 prefeitos, quase todos em ótima alternativa de gestão às políticas estaduais.

Em Recoleta, por exemplo, um dos 32 municípios que compõem a Província de Santiago, localizada na região metropolitana de Santiago do Chile, eles quase construíram um tipo de “governo paralelo” com bastante sucesso. Possui educação gratuita e farmácias gratuitas ou com preços muito baixos. Possui segurança baseada nos vizinhos, grande desenvolvimento cultural, reduziu o crime e o tráfego de drogas quase a zero e tem grandes obras em execução. Todas as decisões da prefeitura estão sujeitas a consulta popular por voto. Os conselhos populares trabalham nos quatro setores de Recoleta. Outra coisa que funciona bem na comuna que Daniel Jadue, o atual prefeito, que pertence ao PCCh, chamada de “tridente”, uma mesa ampliada em que participam vizinhos, estudantes e trabalhadores de um pequeno cordão industrial da comuna.

Daniel Jadue é um militante do movimento popular, muito bom administrador, muito popular, muito autocrítico e faz parte da fração liderada por Tellier. Ele é o candidato natural à presidência da República do PCCh. Essa ala do PCCh afirma que, com a tática atual, em 25 ou 30 anos, o PCCh reconstruirá todo o poder dos trabalhadores que eles tinham durante a Unidade Popular, no governo de Salvador Allende, e que a ditadura de Pinochet destruiu.
O movimento à esquerda do PCCh é tão importante que reforçou sua atuação nas manifestações de rua, na convocação de paralisações e greves gerais, e até na Primeira Linha, as milícias de autodefesa contra a brutalidade das Forças Armadas pinochetistas.
Guillermo Tellier (alias Esteban) é um oficial graduado do Exército Vermelho russo, com o cargo de coronel e com cursos de especialização em estado-maior, inteligência contra inteligência e operações estratégicas. Atualmente, é deputado e presidente do PCCh. Ele é muito culto, tem conhecimento teórico, é escritor ensaísta e pesquisador econômico. Vem de uma família de intelectuais abastados que receberam uma grande herança em sua juventude. Ele nunca fez nada além de política.
Tellier foi o oficial militar do PCCh durante a Ditadura e foi quem formou a Frente Patriótica Manuel Rodríguez. O objetivo era aplicar uma derrota política moral à Ditadura, com golpes efetivos no aparato repressivo que garantiria a saída mais avançada possível; uma assembleia constituinte, um governo provisório a partir de eleições com base em uma nova Constituição e um novo governo que emanasse de um amplo acordo de todos os antifascistas e não fascistas. Portanto, os objetivos no nascimento da Frente não eram a conquista do poder, apenas uma saída o mais avançada possível; a política etapista típica que era o centro da política da burocracia soviética, juntamente com a política dos “dois campos burgueses progressistas”, onde tudo se concentrava na luta pela “democracia” contra o fascismo e deixava a luta. contra o capitalismo pelas agendas gregas.
Lautaro Carmona durante a ditadura foi o secretário geral da Juventude Comunista e depois o responsável pela Organização do PCCh. Ele é um homem de máquinas internas; de poucas palavras. Embora ele seja um deputado, ele tem um baixo perfil. Muito querido dentro do Partido, porque durante a Ditadura, ele nunca deixou o Chile. Gladys Marín é considerada a alma do Partido durante a clandestinidade. Ele é um profissional na área de engenharia; excelente planejador e vem de uma família que fundou o PCCh. Ele tem uma boa situação econômica desde a infância, desde que seu pai trabalhou nas Nações Unidas.
Jaime Balmes, filho do pintor José Balmes, que estudou com Picasso, é intelectual e lógico, com muito dinheiro, pois seu pai era um pintor muito reconhecido e vendido no mundo da arte.

A outra ala do PCCh chama-se Rebelião Popular e reúne os militantes que seguem o líder histórico do PCCh dos trabalhadores e a mais revolucionária Gladys Marin. Esse grupo é liderado pelo advogado Hugo Gutiérrez e atual deputado. Ele propõe permanecer dentro da lei apenas para crescer e fazer propaganda anti-sistema e promover a luta de massas na forma de formar um bloco revolucionário. Esse setor tem prestígio, mas estranhamente não tem empatia.
Hugo Gutierrez tem um estilo de déspota autoritário e muito guerreiro que afasta as mesmas pessoas do PCCh, apesar de seu prestígio. Ele é um advogado muito brilhante em sua área. Durante a Ditadura, ele formou a Codepu (Corporação para a Promoção e Defesa dos Direitos do Povo) que agrupava os advogados que defendiam os direitos humanos. Vem de uma família trabalhadora, mas ganhou muito dinheiro em julgamentos, especialmente contra o Estado.
Orlando Maturana é médico de profissão e presidente de profissionais de saúde. Ele é cirurgião plástico e possui recursos próprios porque se dedicou à sua profissão por muitos anos. Ele fez muitos cursos na União Soviética e em Cuba. Ele é o líder sindical do PCCh.
A presidente da CUT, Barbara Figueroa Sandoval, é uma funcionária pública, mas é muito culta e fala muito bem em público. Tem um grande carisma.
César Bunster é um intelectual que estudou na Inglaterra, nas melhores universidades. Ele é filho do embaixador de Allende na Inglaterra. Ele se juntou à Frente Patriótica Manuel Rodríguez e foi ele quem alugou as casas e os veículos com seu próprio nome para o ataque contra César Augusto Pinochet. Ele é muito ousado, muito inteligente e muito imprudente; Ele tem várias profissões; Um deles economista.

A liderança executiva do PCCh, ou também chamada Comissão Política, busca agir por consenso e é especialista no controle e uso de máquinas e dispositivos. Dessa forma, o PCCh cooptou grande parte do MIR (Movimento da Esquerda Revolucionária), da Esquerda Cristã, parte do PS (Partido Socialista) e vários grupos da Frente Patriótica Manuel Rodríguez.

A Unidade Social do Chile
A Unidade Social agrupa mais de 210 organizações sindicais, sociais e políticas. O objetivo estabelecido pela Mesa da Unidade Social é continuar com o movimento até a queda de Piñera e a Constituição de Pinochet de 1980.

A votação da Frente Ampla a favor da Lei Anti-Saques foi tão rejeitada que, além das rupturas, os deputados já realizaram cerca de dez coletivas de imprensa para se desculpar.
A partir do março próximo, o objetivo seria cortar a cidade de Santiago do Chile em duas partes da Plaza Dignidad, que seria fechada, porque ao cortar essa artéria, Santiago é dividida e o centro administrativo é isolado. A burguesia, que está no setor superior, não teria controle das instituições.
Essa proposta é dirigida por líderes comunistas de base e eles foram aclamados. Mas não foi resolvido; Permaneceu para uma discussão mais aprofundada.
Na segunda-feira, 9 de dezembro, um dia antes da greve geral de 10 de dezembro, e com base no evento da enorme manifestação de sexta-feira, 6 de dezembro, na Plaza Dignidad, o Bureau da Unidade Social convocou outra greve. Isso implica na greve geral indefinida, que poderá entrar em vigor a partir de março, com os preparativos a partir de agora. É uma política ofensiva que depende da correlação de forças. Se, por exemplo, o movimento for derrotado na virada do final do ano, se for construído um golpe que atinja fortemente as massas, a política terá que mudar para a única frente defensiva contra o golpe de Pinochet (e obviamente não a greve geral insurrecional) )
No domingo, 15 de dezembro, serão realizados dois eventos vitais, a consulta municipal em mais de 55 prefeituras e o Constituinte Mapuche.

A questão Mapuche
A questão Mapuche é tão crítica que Sebastián Piñera fez um “gesto louco”. Ele foi a um bairro periférico de Santiago, a um restaurante Mapuche, sem aviso prévio. E ele sentou-se na frente das câmaras de televisão. Ele admitiu que o povo Mapuche tem demandas legítimas e disse que queria falar diretamente com as comunidades. O dono do restaurante pediu perdão às pessoas porque Piñera foi ao restaurante. Ele disse que o povo Mapuche tinha seus representantes legítimos. A manobra foi um fracasso.

A ala “negociadora” da burguesia anunciou que eles poderiam abrir cotas para os Mapuches e para as mulheres.
Os Mapuches foram a única nação nativa que derrotou os espanhóis, chegando a tomar Santiago. Posteriormente, fizeram um tratado de paz com os espanhóis e se retiraram para o sul do rio Bío-Bío.
Através do Constituinte Mapuche, os povos indígenas reivindicarão o direito de ser uma nação separada. Eles evocam uma resolução das Nações Unidas e votam em um estatuto de independência.
Todos os homens Mapuches são guerreiros e são agrupados em unidades de combate. As mulheres trabalham.

O governo militarizou todo o sul com suas melhores forças policiais. O que implica na possibilidade do aumento do confronto armado com os guerrilheiros Mapuches. Mesmo porque o imperialismo, nem mesmo a burguesia chilena, pode fazer concessões importantes. Muito provavelmente, ele continuará tentando manobrar, para evitar o avanço da revolução. Mas a crise global e regional deixou as margens de manobra muito estreitas.

O movimento de massas no Chile é o mais importante da América Latina desde a Revolução Cubana de 1959. Já dura quase 60 dias e ainda está em ascensão. Um evento dessa magnitude, que expressa apenas o “aperitivo” da desestabilização social que virá com a crise mundial, não ficará em branco. A tarefa dos revolucionários é promover o agrupamento dos setores de luta que se destacaram na organização das massas e fundamentalmente da classe trabalhadora.

Alejandro Acosta, sociólogo, é editor do Jornal Gazeta Revolucionária.

 

Acha importante o nosso trabalho? Fácil - clique no botão abaixo para apoiá-lo:

Facebook Comments