Urgente: blog “Duplo Expresso” obrigado a se retratar com membro do PT

Publicado 3/jun/2019 – 20:42
Atualizado 4/jun/2019 – 12:15 – Lula desmente Eugenio Aragão (final)

  • Vimos, pelo presente, pedir – publicamente – desculpas. O site apresentou, dias atrás, informação inverídica sobre destacado membro do PT.
  • Incumbe-nos, portanto, para além da presente retratação, o dever moral e ético de restabelecer a verdade. E pedir perdão.

Urgente: blog “Duplo Expresso” obrigado a se retratar com membro do PT

Por Romulus Maya, para o Duplo Expresso

Vimos, pelo presente, pedir – publicamente – desculpas ao procurador aposentado do MPF e ex-Ministro da Justiça do governo Dilma Rousseff Eugenio Aragão. O site apresentou, dias atrás, informação inverídica sobre o mesmo. Cumpre-nos, portanto, para além desta retratação, restabelecer aqui a verdade.

Em 1/jun/2019 publicamos:

Exclusivo: a quem serve a militância – paga – de Paulo Pimenta, Wadih Damous e Eugenio Aragão

Por Romulus Maya, para o Duplo Expresso

De graça, por “amor à causa”, não tem nenhum ali, não…

Tempos atrás revelamos, aqui no Duplo Expresso, que Eugênio Aragão emitiu contra o PT – simplesmente – a quarta fatura mais cara da campanha presidencial do ano passado. Para que você tenha uma noção, leitor, o partido gastou (de financiamento público…) mais com Eugênio Aragão – para que esse “perdesse” no TSE na “defesa” (sic) da candidatura de Lula – do que com gráfica imprimindo santinho (!) de Haddad.

Recém-aposentado do MPF, Aragão chegou tomando o lugar de advogados que vinham trabalhando há anos, muitas vezes de graça, por amor à causa, para o partido. Aceitavam trabalhar pro bono por comprometimento, mas também por compreensão diante da difícil situação financeira da sigla.

Já Aragão, que não ganha pouco como aposentado do MPF, não viu problema em cobrar – i.e., por dentro – quase 1 milhão de Reais do PT.

Mais: cobrar isso para “perder”!

*

Bem, na verdade, para ganhar, já que o seu objetivo (sequer disfarçado) era tirar a legenda de Lula e passa-la a Fernando Haddad – ambos, Aragão e Haddad, mancomunados com o TSE na trampa. Mais: queriam fazê-lo o quanto antes, abrindo mão, inclusive, de prazos processuais que beneficiariam a (suposta) “defesa” (!).

*

Dessa perspectiva, a quarta fatura (por dentro) mais cara da campanha poderia ter sido uma espécie de cala-boca?

Bem, seja o que fosse, imaginem como devem ter ficado os tantos otários que vinham advogando, de graça, para o partido… havia anos…

Pior: sem que nenhum deles gozasse da generosa aposentadoria com que contam os juristocratas no Brasil…

Juristocratas como… Eugenio Aragão.

*

*

Para nosso total embaraço, tal informação não é, contudo, verdadeira.

Não… Eugenio Aragão não faturou R$ 900 mil da campanha do PT à Presidência da República no ano passado, conforme havíamos noticiado dois dias atrás.

Em realidade, foi…

– … o dobro (!): R$ 1.76 milhão!

(i.e., oficialmente, no site do TSE)

Pedimos a Aragão – e também aos leitores deste Duplo Expresso – as nossas mais sinceras desculpas pelo nosso equívoco. Humildemente, e sem querer de forma nenhuma escusá-lo, gostaríamos apenas de explicar o porquê do mesmo. Ocorre que a Eugenio Aragão foi dado abocanhar duas vezes uma mesma torta:

(i) Faturou R$ 900 mil do PT quando o cabeça da chapa da sigla ainda era Lula; e

(ii) Faturou outros R$ 800 mil quando a legenda foi, finalmente, tomada do ex-Presidente – numa clara colusão entre “defesa” e o TSE. Ato contínuo, foi a mesma repassada a Fernando Haddad.

 

(iii) Com mais ainda outros R$ 60 mil – um “cafezinho”? – pagos pela Direção Nacional do PT:

 

Sim, o pagamento a Eugenio Aragão foi feito em mais de uma prestação…

Uma antes e as outras depois de o Golpe – i.e., com indispensável ajuda de dentro do PT – tirar de Lula a sua candidatura.

Nesse caso, fica a pergunta:

– A primeira prestação, a de R$ 900 mil, teria sido na modalidade best efforts (“melhores esforços”)? Quando não há compromisso com o resultado?

– E já as demais, com os R$ 860 mil adicionais, diriam respeito ao pagamento de uma taxa de “sucesso”? Ou seja, recompensa auferida por Aragão depois da entrega da “mercadoria”?

(a Haddad?)

– Em assim sendo, era isso o “sucesso” para Aragão naquele caso?

🤔

Bem, quem haverá de saber a resposta, certamente, é quem assinou o cheque:

– Fernando Haddad.

*

Vale ressaltar que Eugenio Aragão parece estar bastante incomodado com o artigo que publicáramos, dias atrás. Passou o dia de hoje todo no Twitter, a reclamar com quem lhe pedia explicações.

Mas note, você, leitor: a contrariedade de Aragão não advinha, em nenhuma medida, da redução à metade – por equívoco nosso, ora explicado – do que efetivamente logrou faturar em cima do financiamento – público – eleitoral, dirigido ao PT.

É certo que Aragão deu-se conta, ao ler o artigo do Duplo Expresso, daquele nosso equívoco quantitativo ($$$)…

E, no entanto, não fez questão nenhuma de repará-lo.

Muito pelo contrário: não apenas silenciou sobre o valor real ter sido, na verdade, o dobro, como ainda tratou de tentar justificar aquela conta. Na realidade, duplamente salgada:

 

Bem, como se vê, equivocamo-nos aqui uma vez mais: em realidade Eugenio Aragão tinha, sim, retificado nosso erro (i.e., o anterior), quando por engano atribuíramos a ele o pagamento de “apenas” R$ 900 mil…

Ora, tratava-se, apenas, de…

– … “meia verdade” (!)

– Rá!

Vez que a verdade, “por inteiro”, totaliza:

– R$ 1.76 milhão… o dobro!

*

Seria interessante que Aragão apresentasse a fatura, indisponível no site do TSE (ver aqui e aqui), indicando de forma discriminada os tantos serviços laboriosamente prestados por esse seu “time de advogados”.

(sendo que, contando com ele próprio, há somente oito – e não “dez” – advogados em seu escritório…)

Quantas peças escritas, número de laudas, horas gastas em reuniões, em audiências…

Sim, porque parece haver um grande descompasso: Luis Fernando Casagrande Pereira, o advogado que escreveu as peças e fez inclusive a sustentação oral no TSE em “defesa” da candidatura de Lula o principal naquela eleição!embolsou “modestos” R$ 56 mil!

(obs.: valor de todo compatível com as práticas do mercado jurídico)

 

 

O que causa espécie é que Aragão, cuja efetiva prestação à campanha resta (no mínimo) “obscura”, tenha embolsado mais de trinta e uma (31!) vezes aquele valor: R$ 1.76 milhão!

Como justificar tal disparidade?

Ora, ou são corretas as faturas emitidas por Casagrande Pereira, no valor total de R$ 56 mil, ou as de Aragão, que somam quase R$ 2 milhões.

Todas elas, ao mesmo tempo, não.

Certo?

*

Bem, ex-colega de Eugenio Aragão na PGR aventa hipótese elucidativa, com a qual concluímos o presente artigo:

“A questão não é sequer sobre lei de oferta e demanda, que sói reger relações – privadas – num determinado mercado, mas:
(1) Suposto “militante” que se locupleta do partido;
(2) Com fundos, por sua vez, públicos;
(3) Com o agravante de faturar valores flagrantemente fora dos parâmetros de mercado. E, o que é ainda pior, valores esses que aviltam todos os seus ‘colegas’, abnegados, que vêm há anos praticando a advocacia pro bono em favor das causas populares.
Em síntese, é escandaloso”.

*

*

*

Atualização 4/jun/2019: Lula desmente Eugenio Aragão

À guisa de justificativa, ontem no Twitter Eugenio Aragão tratou de afastar de si qualquer responsabilidade pela garantia feita a Lula por todo o chamado “PT Jurídico” de que, mesmo preso, “não haveria chance de ele não sair candidato”. De maneira deselegante – e bastante antiética do ponto de vista profissional – colocou todo o peso da culpa, de forma pública, no colega Luis Fernando Casagrande Pereira:

(aquele que levou os “míseros” R$ 56 mil, frente ao R$ 1.76 milhão de Aragão)

 

 

Bem, há controvérsias…

O ex-Presidente Lula, em sua recentíssima entrevista à Folha de S. Paulo, afirmou – taxativamente – que todos os advogados que consultou garantiram a ele que, mesmo preso, sairia, sim, candidato. Ora, é virtualmente impossível que nessa avaliação capital Lula não tenha consultado a opinião – profissional – de Eugenio Aragão. Esse que era simplesmente, até outro dia, Subprocurador Geral E-lei-to-ral na Procuradoria Geral da República.

Aliás, vale lembrar que a esse cargo chegou Eugenio como companheiro de chapa do seu “ex” (na verdade, “mais que nunca”) melhor amigo, Rodrigo Janot, quando esse último foi alçado ao cargo de Procurador Geral da República.

(“Diga-me com quem andas (e também com quem conspiras) e dir-te-ei quem és”)

Em verdade, nem careceríamos de ir tão longe. Isso porque no próprio site do seu escritório, Aragão indica ser expert em…

– … “direito eleitoral”!

Mais que isso, naturalmente, como seria de se esperar, é ele o sócio coordenador da área:

 

 

Sinceramente: alguém acredita que, no Sindicato (e depois), Lula teria ouvido de Aragão a verdade?

Ou seja, que ele não sairia candidato?

Como vem – agora – afirmar o próprio Aragão, via Twitter?

Ora, por favor…

*

Pois eis o que Lula disse sobre o que teria ouvido de todos – repetindo: todos! – os advogados que consultou na hora grave em que, induzido a erro colossal (pelo mesmo “PT Jurídico”), tomou a decisão catastrófica que mudaria para sempre o curso da História do Brasil:

“Importante: uma das condições que fez com que eu também viesse pra cá (para a cadeia) era porque não havia NENHUM advogado naquele instante (no Sindicato, em São Bernardo, quando Lula decidiu se entregar) que não garantisse que eu não disputaria as eleições sub judice.
Havia uma CERTEZA, sabe, de MUITOS juristas de que não haveria como impedir a minha candidatura. Mesmo condenado eu poderia concorrer sub judice. E eu tinha certeza e estava com orgulho muito grande de ganhar as eleições de dentro da cadeia”.

Na verdade, como se vê do depoimento acima, a orientação “equivocada” (?) do “PT Jurídico” – do qual Aragão é membro destacado – teve consequências ainda mais graves:

– Constituiu elemento determinante (junto a outras defraudações pseudo “jurídicas”) para que Lula fosse induzido ao erro de se entregar. Ora, fizeram-no crer não apenas que ele “sairia em 4 dias”, com (suposto) “habeas corpus do STF” (apud José Eduardo Cardozo), mas também que – caso esse (suposto) “pacto” (?) viesse a ser rompido em Brasília – ele, ainda assim, manteria grande alavancagem político-institucional, com a capacidade de “sequestrar” a eleição – e até mesmo o seu resultado – com a manutenção, até o final, da sua (anti-) candidatura, “pendurada”.

Elementar.

*

Parêntesis: as tais “outras defraudações pesudo ‘jurídicas'” para induzir Lula ao erro de se entregar:

*

E, no entanto, como sabemos todos à esta altura, Lula teve o seu tapete puxado. E puxado de dentro do quarto: a sua “defesa” na Justiça Eleitoral, da qual faziam parte direta ou indiretamente Eugenio Aragão e Fernando Haddad, na realidade era…

– … ataque!

Também pudera: Haddad, o “advogado”, era o principal beneficiário da derrota daquele seu “cliente”!

Pode uma coisa dessas?

Sem esquecermos, é claro, de Aragão, a quem, diz-se, o ex-Prefeito de SP teria prometido uma cadeira no STF.

(i.e., para além do R$ 1.76 milhão)

*

Pergunta:

– Quem fala a verdade sobre a orientação que o ex-Presidente da República recebeu do “PT Jurídico” no Sindicato?

– Eugenio Aragão?

– Ou Luis Inácio Lula da Silva?

*

Bem, para tirarmos a prova, vejamos o que dizia o próprio Eugenio Aragão (!), em abril de 2018, o mesmo mês (!) da prisão de Lula:

“O Lula, ele ainda é elegível, ok? Por quê? Porque pelo artigo 26-A da Lei das Inelegibilidades, a tal da Lei da Ficha Limpa (…), deixa bem claro que mesmo alguém condenado em segunda instância, confirmada a condenação em segunda instância, ela pode ser elegível se houver recurso desta decisão de segunda instancia a que se houver atribuído efeito suspensivo”.

O diabo estava no “detalhe” do “efeito suspensivo”, não é mesmo, Aragão?

Certamente nada enfatizado para o – leigo – Lula, lá no Sindicato…

Ah, os advogados…

Pois Lula deveria ter aprendido certa lição com o velho Lenin:

“Advogados?! Nem os nossos!”

*

Mas, não satisfeito, como “juristocrata” de estirpe que é (aposentado ou não), Aragão tenta contrapor aos documentos que apresentamos – vídeos, prints, prestações de contas no TSE, etc. – a uma boa e velha… “carteirada”:

– Arrota, no Twitter, que “continuaria gozando da ‘confiança’ de Lula”, a quem “visitaria com frequência”:

“Continuo a ter a confiança do Lula”…

Certo…

Partindo para metáforas futebolísticas, tão caras ao ex-Presidente, tal colocação soa ou não soa como aquelas ocasiões em que um time de futebol vem de derrota atrás de derrota no campeonato e, pego em entrevista quebra-queixo, assediado por repórteres com microfones e gravadores, que perguntam insistentemente se o técnico fica ou cai, o presidente do clube responde que o treinador “não só fica, como está muito… ‘prestigiado’”?

Todos nós conhecemos a sequência, não é mesmo?

Pois no caso, jogando nas onze, Aragão ocupa nesse seu tuite, ao mesmo tempo, as posições do técnico e do… presidente do clube:

– Outorga a si próprio a confiança do(s) outro(s)!

*

Aliás, essa “autocoroação” – à la Napoleão Bonaparte – lembra citação famosa de Margareth Thatcher. Ser humano (e político) terrível, mas que nem por isso deixava de ter tiradas sensacionais:

“Ter poder (no caso em tela, “a confiança de Lula”) é como ter reputação de moça honesta. Quem realmente tem, não precisa afirmá-la. Quem precisa é porque não a tem.”

*

Ui!

*

Quem sabe, numa dessas visitas a Lula, “frequentes”, Aragão não consiga pressionar o suficiente para sair de lá com mais um… “bilete”?

 

Sim, “bilete” no qual Lula reiteraria “fé absoluta” nesse seu conselheiro “jurídico”?

Bem, o histórico recente é francamente favorável a Aragão:

– Da última vez em que Lula foi alvo de assédio moral parecido por parte do “PT Jurídico”, acabou determinando a seus advogados criminais (Cristiano Zanin e Valeska Teixeira) que colocassem no recurso que apresentariam ao STJ, contra o entendimento técnico e a vontade de ambos, tese “jurídica” (sic) “exótica”, proposta por destacados membros do “PT Jurídico” sem qualquer experiência em execução penal (!). “Tese” essa que, caso realmente venha a ser acolhida pela Corte, terminará por prejudicar o cliente (!), ao adiar – em um ano! – a possibilidade de progressão de regime de Lula para o semiaberto:

– De 29 setembro deste ano para 10 de agosto de… 2020 (!)

(sobre isso, ver o artigo/ vídeo: “A ‘detração’… para cima de Lula (!): comentário na TV”, publicado em 8/mai/2019)

*

Ora, foram exatamente “orientações” parelhas, desse mesmo “PT Jurídico”, que levaram Lula à cadeia!

E quem diz isso é o próprio, no vídeo reproduzido acima.

(na entrevista à Folha de S. Paulo)

Certo?

*

(longo suspiro…)

*

– Pobre Lula…

– Pobre militância de base do PT/ movimentos sociais…

– Pobre… Brasil!

*

(mas, no entanto, contudo, todavia, porém…)

RICO Eugenio Aragão!

– RICO “PT Jurídico”!

*

*

*

Debate do artigo, no Duplo Expresso de 4/jun/2019 (em três recortes):

  • O artigo:

 

 

  • Bradley Dodge: álibi afiançado em Brasília por Eugenio Aragão

(mais sobre Bradley Dodge e Eugenio Aragão aqui e aqui)

*

*

*

P.S.: a internet não perdoa: “pergunta do dia quantos copos de requeijão conseguimos comprar com $ 1.760.000,00 Reais?”

*

*

*

Confira o flagrante adicional, desta vez em Paulo Pimenta e Wadih Damous, em:

Exclusivo: a quem serve a militância – paga – de Paulo Pimenta, Wadih Damous e Eugenio Aragão

    • “De graça, por ‘amor à causa’, não tem nenhum ali, não…
    • Para sermos exatos, R$ 19.902,20 de salário mais mil para alimentação.
    • Fora auxílio para transporte, plano de saúde, etc.
    • E, também, um virtual ‘imóvel funcional’, já que o cúmplice deve continuar tendo à sua disposição a ‘República’ (mais para garçonnière) que manteria em Brasília em parceria com outros deputados.
    • Aliás, ‘República’ essa bem ‘movimentada’ (e alcoolizada), como sabem todas as ‘Marias-gabinete’ do circuito Brasília-Gama…
      (com direito até a cena pública, de esposa ciumenta, de vez em quando…)”
    • Tirem as crianças da sala antes de abrir o link. 

CONFIRA>>

 

 

 

Acha importante o nosso trabalho? Fácil - clique no botão abaixo para apoiá-lo:

Facebook Comments

Romulus Maya

Advogado internacionalista. 10 anos exilado do Brasil. Conta na SUÍÇA, sim, mas não numerada e sem numerário! Co-apresentador do @duploexpresso e blogueiro.