Lula lá – Preso, incomunicável e proibido de se candidatar

Por Wellington Calasans, para o Duplo Expresso

Recebi ontem, de um ativo militante do PT, um livro que me foi enviado pelos Correios na quinta-feira da semana passada. No rodapé da carta que acompanhava a encomenda a frase: “Eleição sem Lula é fraude!”. Fui ao Facebook dele para retribuir a gentileza e vi no mural deste camarada uma foto de Haddad e Manuela D’Ávila com o seguinte texto de abertura: “Agora Lula é Haddad”. Por isso, escrevo este texto.

Esta mudança não foi para lutar pelo (falso) indulto ou por um plano de respeitar a luta por Lula, mas apenas pelo medo de lutar, pela acomodação e conformismo de uma esquerda domesticada. As pessoas são induzidas ao erro do “Lula ou quem ele mandar”. A disputa interna no PT ignora as causas maiores e o sacrifício de Lula é comandado por uma ala ávida que não mede esforços para ser afilhada do “mercado”.

Com a divulgação da chapa “Triplex” (que mau gosto este nome), com Haddad como vice de Lula, o plano B ficou ainda mais assanhado. Manuela D’Ávila (“Manu”) na reserva, mas fazendo campanha como vice de Haddad, apenas confirma de maneira insofismável que Lula já é uma carta fora do baralho para uma ala que quer o seu espólio, ainda vivo. Sumiram os banners LULA LIVRE! Enquanto isso, Haddad assume de maneira artificial o protagonismo político como candidato do PT.

O PT se transformou num partido burocrata, pragmático , punitivista e economicista. Acostumados ao poder, aos gabinetes com ar-condicionado, os burocratas do partido estão cada vez mais deslocados das bases e do povo. Essa jogada imposta pelo PT, de apresentar às pressas o plano B, para que haja tenha tempo de subir nas pesquisas e que possa assumir o protagonismo que antes pertencia ao Lula, pode significar o tiro que faltava para enterra-lo vivo nas masmorras de Curitiba.

A cada dia que passa tentarão isolar mais e mais Lula e falarão muito mais sobre Haddad. Como numa eleição para qualquer coisa, menos para quem quer ocupar o cargo de Presidente da República, há quem prefira exaltar virtudes supérfluas e que há pouco tempo foram usadas para mostrar que Lula, sem nada daquilo, ainda era o presidente que mais trabalhou para o Brasil e os brasileiros.

“Como ele é ‘gato!’”, “Ele é muito preparado”, “Ele é jovem” (pero no mucho), “Ele é professor”, “Ele é advogado”, “Ele já foi prefeito da capital paulista” (Perdeu em todas as zonas eleitorais), “Ele tem ‘mil’ doutorados”, etc. É desta forma que alguns “intelectuais” e blogueiros comentam no cartel da mídia alternativa de esquerda hegemônica, todos ouriçados para cair nas graças do “Rei”. Muitos já estão disputando as verbas publicitárias que poderão advir com a possível vitória do Haddad. Nada contra, todos merecem o seu lugar ao sol. Mas de forma limpa, sem jogo sujo de se reunirem para derrubar e sabotar quem não participa desta confraria “VIP” (“Very Important Person”).

Lula é a antítese de Haddad. O operário de origem simples, semianalfabeto e nordestino, mas os políticos atuais incluindo o “Doutor/gato/advogado/guitarrista…” Haddad não “amarram a chuteira” do ex- presidente Lula. E, lá no fundo, eles sabem que pela sua biografia e espírito público seria o único que poderia mudar esta triste realidade de miséria e golpes contra o país e o povo que estamos vivendo no Brasil do Regime Temer.

A maior prova disso é o fato de terem virado este pais de cabeça para baixo, onde rasgaram a nossa constituição, acabaram com a nossa presunção de inocência, cláusula pétrea! Enfiaram junto com Lula 14.000 pessoas nos presídios/matadouros, tudo isso para manter o ex-presidente Lula preso e incomunicável.

Para alguns petistas mais preocupados em agradar ao mercado, aos bancos, querendo agradar a essa nova ordem neoliberal, para não ficarem de fora do bolo, etc. Lula já não combina com esse projeto. O Doutor Haddad, travestido de esquerda, representa melhor a nova “cara” que o PT quer ter daqui para frente: o Macron Tupiniquim, a esquerda híbrida, a esquerda plim plim – uma concessão da Globo.

Lula já tem 72 anos, se não for assassinado, talvez seja solto em 2019, quando já tiverem passado as eleições e o STF vote a ADC da presunção de inocência, talvez os seus processos ilegais sejam anulados nas instâncias superiores, ou seja com os golpistas.

O PT com Haddad só está esquecendo de combinar com o povo. O plano B não ganhará esta eleição, pois se há uma coisa que o povo não perdoa, esta coisa é a traição. O abandono a Lula já é visto pelo povo como uma traição e as pesquisas mostram que aquele papo de “Lula ou quem ele quiser” foi mais uma mentira que o povo não engoliu.

“O gato” Haddad  não tem um perfil combativo e o eleitor não terá tempo de identifica-lo com Lula. Haddad ainda na esteira do Lula, aproveitando essa visibilidade poderá abocanhar a prefeitura de SP nas próximas eleições. É possível que ele até tenha aprendido com os erros possa ser um bom prefeito, fazendo ciclovias ecológicas e colocando luz de Led em toda a cidade, como ele disse recentemente que faria se fosse presidente. Manuela D´ávila está na mesma situação de Haddad e poderá “tirar” para ela a prefeitura de Porto Alegre e não o Jaburu como – no enforcamento antecipado de Lula – tem publicado nas redes sociais.

Enquanto Lula  com 41% das intenções de votos deste país está abandonado na prisão, a ex–presidenta (deposta) Dilma Rousseff será a senadora “honesta” e será a política mais influente do PT, pela grande votação que terá em Minas. Dilma jogou muito bem! O seu Rasputin, Zé Eduardo Cardozo (conhecido aqui no DE como “Laranja Podre”) negociou direitinho com os ministros do STF para  que ela, mesmo deposta, mantivesse os seus direitos políticos. Desta forma, conseguiu blindá-la com o então procurador da República Rodrigo Janot.

O plano de matar Lula politicamente é antigo. Talvez o maior erro de Lula tenha sido ceder às pressões e chantagens da Dilma e seus asseclas e não ter sido ele o candidato. Fato que Lula confessa a Sarney.  Sarney em um grampo telefônico diz que “Lula se arrepende de ter colocado Dilma para sucedê-lo”.

O golpe sempre andou à espreita para tirar a esquerda do poder. No governo Lula , tentaram desestabiliza-lo no mensalão. Infelizmente Lula e o PT não conseguiram enxergar o tamanho e a amplitude do golpe. Subestimaram os avisos e deitaram em berço esplêndido. Entraram de cabeça na pauta punitivista, deram superpoderes ao Ministério Público com a PEC 37, criaram leis nas quais agora eles mesmos são as vítimas, entre elas a inconstitucional Lei da Ficha Limpa, das organizações criminosas, a pedra angular da Lava Jato, a lei para criminalizar os movimentos sociais, a lei anti drogas, responsável pelo encarceramento e genocídio em massa do Brasil. Todo esse arbítrio construído pelo PT jurídico, que indicou a maioria dos ministros do STJ e do STF, com base em escolhas pessoais ou de gênero. E não por suas biografias, notório saber jurídico e compromisso com a nossa constituição. Deu no que deu! O PT jurídico, usava a justiça para perseguir seus inimigos. Aparelhou o judiciário e deu todas as condições para a formação deste estado de exceção que estamos vivendo hoje no Brasil.

Foi no governo Dilma que começou a desestabilização política do Lula. Lula virou um inimigo a ser abatido, com Lula no jogo, ninguém do PT teria chance de se destacar. E visivelmente usaram com Lula os mesmos métodos que usaram contra os seus inimigos: a “justiça”. O comandante desta tarefa foi Zé Eduardo Cardozo (aqui conhecido como Laranja Podre). Ele era o ministro da Justiça durante um período do governo Dilma.

A escalada persecutória da Lava Jato a lideranças do PT

Quem não lembra da frase da ex-presidente Dilma: “doa a quem doer”? Ou como a “presidenta” não fez nada quando soube que um “juizeco” de primeira instância mandou grampeá-la? Um crime seríssimo contra a segurança nacional! Lembra como o “Laranja Podre” não demitiu o chefe da PF ligado a Aécio Neves? Lembra que Cardozo deixou a Lava Jato avançar em cima de Lula, com buscas e apreensões? A influência de Cardozo na justiça era muito grande. No governo Dilma, ele indicou quatro ministros do STF e foi decisivo na escolha de Rodrigo Janot para a PGR – Procuradoria Geral da República. Inclusive, nunca é demais lembrar, conseguiram abafar gravações que Joesley da Friboi teria feito com o Zé Cardozo, como prova este reportagem:

O ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo foi gravado pelo empresário Joesley Batista ao revelar “questões pessoais” envolvendo ministros do Supremo Tribunal Federal e falando sobre as pessoas que deram “apoio político” para que os ministros conseguissem chegar ao STF, afirmou em depoimento à Polícia Federal a ex-advogada da JBS Fernanda Tórtima” (Revista época)

Zé Eduardo Cardozo teve um encontro sigiloso com Janot em Buenos Aires, fora da agenda e durante viagem oficial, em um sábado. A reunião, um almoço, na área turística de Puerto Madero ocorreu três dias depois que procuradores desembarcaram na Suíça em busca de contas que foram usadas, de acordo com o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa , para a Odebrecht pagar a ele suborno de US$ 23 milhões, o que a empreiteira nega. Na semana anterior ao encontro, a PF subordinada a Cardozo havia deflagrado a fase da operação Lava Lato que levou executivos das principais empreiteiras do país para à cadeia.

O “Laranja Podre” foi uma peça fundamental para a Lava jato. A lei das organizações criminosas no governo Dilma, em que a delação premiada é o pilar desta Operação Lesa-Pátria, tem a autoria deste Zé.

Não podemos ter ilusões nesta altura do campeonato. Certamente Lula – se não sabia – descobriu tudo isso quando viu que não iria ser solto em uma semana, como tinham prometido os “companheiros” (pero no mucho). Recentemente, como mostramos aqui no Duplo Expresso, Lula fez um desabafo para a Monja Coen que foi visitá-lo. Lula confessou que “achava que sairia em uma semana”.

O comportamento de Lula nesta situação de cárcere não poderia ser diferente. Teve que fazer o jogo do PT “dizendo” ao povo que é candidato para não dispersar a manada. Tem que apoiar esta chapa sem sal do Sul. O que Lula poderia fazer? Bater o pé e escrever uma carta para uma pessoa de confiança e divulgar contando todas as chantagens e pressões que vem sofrendo? Contar que a sua família está sendo ameaçada? E que a sua recomendação ao povo brasileiro seria que quem estivesse com ele anulasse o voto porque ele não poderia aceitar estar preso injustamente e indicar um candidato seria legitimar o golpe? Seria um gesto de coragem sem dúvida. Lula sabe que haveria o risco de que a sua família sofresse algum tipo de represália? Ou teria coragem de implodir o PT? Não! Ele não pode fazer isso. Mas para um bom observador, podemos sentir uma certa inquietação de Lula com esta situação quando diz que Haddad está em “estágio probatório “. Uma agulhada, com certeza.

Lula é hoje um refém! Rendido, nada pode fazer. Mas nós podemos fazer por ele. Vamos dizer “NÃO” a uma farsa que insistem chamar de “crime de Lula”. Vamos lutar por justiça e vamos denunciar o circo chamado “Eleições 2018”, pois sem Lula ela já terá sido realizada, mas com a exclusão do povo e para o favorecimento do 1%. Hoje o eleitor de esquerda está órfão de propostas. Os candidatos que se apresentam na corrida presidencial são meros capachos dos interesses dos EUA e do mercado financeiro internacional. É preciso lutar pelo resgate das soberanias nacional e popular.

Enquanto isso não ocorrer, a única certeza que temos é a de que temos:

Lula lá – Preso, incomunicável e proibido de se candidatar.

Acha o nosso trabalho importante? Reforce a nossa causa em apenas 2 segundos: apoie a sua divulgação tornando-se um Patrono do Duplo Expresso

Facebook Comments

Wellington Calasans

Jornalista, Radialista, Ativista Político, Sonha com um Brasil parecido com a Suécia e uma Suécia com o sol do Brasil, o sonho é livre.