Flordelis e o cristianismo realmente existente

Por Luiz Carlos de Oliveira e Silva

1. Jesus falava aramaico e citava passagens do Velho Testamento em sua língua materna e em hebraico. Os evangelhos narrando a pregação de Jesus foram escritos em grego, décadas depois da morte do Mestre.

Ouça o artigo no player abaixo ou na Rádio Expressa:

 

2. (Os evangelhos foram escritos em grego – uma língua de um tronco linguístico diferente do da língua em que pregava Jesus – porque o grego, além de ser uma “língua de cultura”, era a “língua franca” da época no Oriente Médio.)

3. Quatro séculos depois, os textos gregos dos evangelistas foram traduzidos para o latim, por São Jerônimo.

4. Hoje, os padres e os pastores fazem alusão à “palavra” em traduções para as diversas línguas vernáculas, cujas origens situam-se por volta de mil anos depois do nascimento de Jesus.

5. Pergunto: o que resta da pregação feita por Jesus quando baseada numa tradução em língua vernácula da tradução (latim) da tradução (grego) do original (aramaico/hebraico)?

6. Sem falar no fato de as pregações de Jesus terem sido feitas sempre por meio de parábolas, o que exige uma atenta e profunda meditação hermenêutica. Com isto eu quero dizer que a “palavra” não está expressa diretamente na palavra…

7. E, no entanto, os pastores insinuam ter acesso direto à verdade da “palavra”, cada um fazendo a interpretação que melhor atende aos seus interesses políticos e ideológicos, ainda que esta esteja em aberta contradição com a atuação de Jesus.

8. Cito um único e singelo exemplo: Jesus jamais julgou moralmente quem quer que fosse. Mais: ele se insurgiu franca e abertamente contra vários preceitos morais vigentes em sua comunidade, e condenou os moralistas. (E pensar que as diversas confissões cristãs construíram seus rebanhos – e fortunas – em meio às mais abjetas e demagógicas pregações moralistas.)

9. Como a “palavra de Deus” não brota espontaneamente da palavra escrita (tradução da tradução da tradução da tradução), abre-se um campo para o vale-tudo da instrumentalização das interpretações, segundo conveniências nada espirituais.

10. A história de Flordelis espanta pela soma de tramas escabrosas, mas não causa espanto que ela se diga cristã, já que o cristianismo realmente existente, de modo geral, vem sendo uma falsa exortação moral que nega e denega sistematicamente o Mestre a quem dizem adorar. É hipocrisia, que se fala, né?

Luiz Carlos de Oliveira e Silva é professor de filosofia.
_________________
Canal do DE no Telegram: https://t.me/duploexpresso
Grupo de discussão no Telegram: https://t.me/grupoduploexpresso
Canal Duplo Expresso no YouTube: https://www.youtube.com/DuploExpresso
Romulus Maya no Twitter: https://twitter.com/romulusmaya
Duplo Expresso no Twitter: https://twitter.com/duploexpresso
Romulus Maya no Facebook: https://www.facebook.com/romulus.maya
Duplo Expresso no Facebook: https://www.facebook.com/duploexpresso/
Romulus Maya no Linkedin: https://www.linkedin.com/in/romulo-brillo-02b91058/
Romulus Maya no Mastodon: https://mastodon.social/@romulusmaya
Grupo da Página do DE no Facebook: https://www.facebook.com/groups/1660530967346561/
Romulus Maya no Instagram: https://www.instagram.com/romulusmaya/
Romulus Maya no VK: https://vk.com/id450682799
Duplo Expresso no Twitch: https://www.twitch.tv/duploexpresso
Áudios do programa no Soundcloud: https://soundcloud.com/duploexpresso
Áudios no Spotify:
https://open.spotify.com/show/5b0tFixIMV0k4hYoY1jdXi?si=xcruagWnRcKEwuf04e1i0g
Áudios na Rádio Expressa: https://t.me/radioexpressa
Link para doação pelo Patreon: https://www.patreon.com/duploexpresso
Link para doação pela Vakinha: https://www.vakinha.com.br/vaquinha/643347

Facebook Comments