Escola Sem Partido

Por Henrique Matthiesen*, para o Duplo Expresso

Uma das grandes observações do professor e antropólogo, Darcy Ribeiro, é: “A crise da educação no Brasil não é uma crise; é um projeto”. Nada mais moderno do que esta afirmação.

Dentre a onda conservadora que atinge inapelavelmente o Brasil, o movimento ultra-obscurantista denominado “escola sem partido” segue o intuito nefasto da edificação de um Estado policial e autoritário.

O controle do pensamento e a censura sempre foram objetos dos ditadores e déspotas que se utilizam destes meios para doutrinação e amordaçamento dos seus subjugados.

A lógica perversa, que segue os ritos do predomínio ideológico do conservadorismo hoje no Brasil, é a intimidação e o medo, calçados em mentiras ou meias verdades; afinal, é urgente inibir qualquer senso crítico das novas gerações.

Ignorar, ou simplesmente, patrulhar um ambiente que deve ser plural, democrático e crítico é insultar, é castrar a edificação de uma sociedade pautada por valores universais como direitos humanos, multiplicidade cultural, respeito de gênero, entre outros temas que o século XXI impõe ao processo civilizatório.

Rasos e chulos são os argumentos desta verdadeira cruzada salvacionista que quer domesticar e cercear o debate dentro das salas de aula, ou unicamente, caçar os que pensam diferentemente de seus valores, muitos dos quais questionáveis.

Desconhece que o ensino não só é transferência de conhecimento, mas também, é criar possibilidades de ter diferentes visões de sociedade, teorias e experiências, que só são possíveis por meio da comparação e do debate. E é que é isto que forma o cidadão.

Mentiroso e de profunda má-fé este movimento de fisionomias autoritárias, fascistas o tal “Escola sem Partido”.

Qual a ideologia destes acéfalos?

Quais seus valores sociais?

A própria tese desta estupidez esconde sua verdadeira ideologia, seu verdadeiro desígnio, onde inquisidores da contemporaneidade querem, sem o menor preparo, se apropriarem e corromperem a narrativa da história. Exemplo disto é associar o nazismo alemão a um movimento de esquerda; ou simplesmente negar a escravatura, dentre outras corrupções.

Oculta-se o anseio de se obter o controle social e de sufocar os conflitos de desigualdade silenciando, bestializando e anestesiando as consciências e o debate.

Projeta-se um doutrinamento de senso comum, de uma sociedade crente na ordem social imposta pela natureza divina; portanto, inquestionável.

Desrespeita-se os princípios constitucionais que garantem o pluralismo e tentam por meio de intimidação, impor o autoritarismo em toda sociedade.

Escola sem partido é mais um dos entulhos das bestas feras que acreditam em métodos ultrapassados de cercear a construção de uma sociedade plural.

 

*Henrique Matthiesen tem 42 anos de idade e nasceu em Americana-SP. Atualmente mora em Brasília – DF.
É Bacharel em Direito e articulista em diversos jornais do Brasil.
Escreve desde 2001 e tem mais de 1300 artigos publicados onde escreve, dentre os assuntos, sobre conjuntura política, literatura, história e cultura geral.

Acha o nosso trabalho importante? Reforce a nossa causa em apenas 2 segundos: apoie a sua divulgação tornando-se um Patrono do Duplo Expresso

Facebook Comments