Félix Fischer e a conspiração contra o nordestino Lula

Por Wellington Calasans, para o Duplo Expresso

O Duplo Expresso, já denunciou aqui as armações de Félix Fischer, o alemão, o dono da “câmara de gás” do STJ. Se não leu, veja a primeira parte clicando aqui e a segunda parte aqui.

Num curto espaço de tempo, após as publicações desta página, Félix Fischer seguiu no comando da sua tropa de choque – na quinta turma do STJ – para cometer novas arbitrariedades. Aqui selecionamos quatro. Todas contra o ex-presidente Lula.

1- NEGOU um recurso da defesa de Dona Marisa Letícia para que declarasse a absolvição sumária da ex-primeira-dama, por ser alvo de um prejulgamento de culpa pela opinião pública. O argumento do “fascistão” Fischer para negar o recurso foi o de que “os advogados entraram com a decisão após a morte de Marisa, decidindo então desconhecer a ação, porque os advogados teriam perdido o poder de representantes de dona Marisa após o seu falecimento”. Com este entendimento, o ministro Félix acaba de sepultar definitivamente o estado laico e esperar soluções no espiritismo, através de autorizações psicografadas aos advogados, pois provavelmente somente assim, na visão fascista deste juiz, seria possível o contato com Dona Marisa para constituir os advogados como seus representantes legais no caso. Um escárnio!

2- NEGOU recurso da defesa do ex-presidente Lula contra o bloqueio de seus bens em função de sua condenação no processo do “triplex”. Mais um abuso, sobretudo porque há inúmeros casos onde a decisão é oposta.

3- NEGOU pedido da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para ouvir o advogado Rodrigo Tacla Durán sobre irregularidades nos acordos de delação premiada da operação Lava Jato. O dono da “câmara de gás”, Ministro Félix Fischer, relator da decisão, voltou a repetir que cabe ao juiz decidir se ouve ou não a testemunha arrolada pela parte. Na decisão o juiz transcreveu trechos da decisão do juiz Sérgio Moro que negou ouvir Duran sob o fundamento de que suas palavras não mereceriam crédito. Até a Interpol já reconheceu que Sérgio Moro é um juiz parcial e tirou o nome de Tacla Durán da lista de procurados. Como todo o mundo sabe, quem não merece crédito é o juiz Moro. Mais uma vez, Félix Fischer está deliberadamente a cercear a defesa do ex-presidente.

4- NEGOU “na calada da noite” pedido de liberdade de Lula. O ministro Félix Fischer, relator da Lava Jato na corte, levou recurso do petista em mesa, ou seja, diretamente aos colegas da Quinta Turma, na semana passada. O pedido era idêntico ao que tramitava no Supremo: tentava suspender os efeitos da condenação no caso do “triplex”. Os paus-mandados de Fischer, por unanimidade, rejeitaram a tese. A decisão foi tomada bem na volta do recesso, no dia 2. Os advogados de Lula não foram comunicados que o caso seria julgado. Consultados, outros ministros do STJ consideraram o trâmite incomum. Em casos de repercussão, explicam, o comum é o relator destacar o processo e incluí-lo na pauta. Mais um violento atentado aos direitos fundamentais de um cidadão que teve mais uma vez os seus direitos de defesa grotescamente cerceados.

A Conspiração da Lava Jato

O ex-presidente Lula, que se encontra preso e incomunicável em Curitiba, enfrenta um verdadeiro paredão de juízes como Moro, Gebran, Félix Fisher e Edson Fachin. Esses “magistrados” cometem todas as ilegalidades e firulas jurídicas para manter Lula encarcerado e psicologicamente torturado, sem provas, cerceando todos os seus direitos e garantias fundamentais, para mantê-lo longe das eleições de 2018.

Em menos de um mês o ex-presidente Lula teve os seus quatro recursos negados pela “câmara de gás” (enquanto juristas seguem escrevendo livrinhos e evitando ações mais efetivas) de Félix Fischer que é sustentada com dinheiro do contribuinte. Pagamos para manter juízes nitidamente fascistas, que servem aos interesses estranhos às leis. Juízes visivelmente ocupados com a defesa das próprias tramóias, conchavos, acordos e principalmente interesses internacionais e que, para isso, rejeitam a justiça e o direito, cerceando a liberdade de um inocente, um preso político. São esses juízes que aumentam os próprios salários em 16%, enquanto milhares de brasileiros morrem de fome e milhões voltaram à miséria.

O que é ainda mais lamentável é vermos políticos do PT (como fez Haddad recentemente) dizerem que o problema de Lula é jurídico e não político. Isso mesmo! Diante de toda essa conspiração capitaneada pelo PSDB. O mesmo partido que o tal “Plano B”, via Haddad, elogia e ainda declara que vai “apoiar Alckmin no segundo turno”. Jamais podemos ignorar – com base na visível prisão política imposta a Lula – que o ex-presidente é vítima de uma grande conspiração internacional que envolve no Brasil setores do PT, PSDB, Mídia (à direita e à esquerda), Judiciário e interesses do mercado financeiro.

Denunciar, condenar e combater práticas deste judiciário carcomido é o mínimo que se espera de quem está no campo autointitulado “progressista” e “de esquerda”. Mais importante do que legitimar a fraude dessas eleições é lutar por Lula Livre. Aceitar a atuação fascista de figuras como Félix Fischer é ser cúmplice do arbítrio. Políticos devem liderar o povo para que esse avanço da justiça contra a política seja barrado. Caso contrário estará apenas a manter e aceitar todas as barbaridades que são praticadas contra o ex-presidente Lula e a excluir o povo das principais decisões do próprio destino.

 

Acha o nosso trabalho importante? Reforce a nossa causa em apenas 2 segundos: apoie a sua divulgação tornando-se um Patrono do Duplo Expresso

Facebook Comments

Wellington Calasans

Jornalista, Radialista, Ativista Político, Sonha com um Brasil parecido com a Suécia e uma Suécia com o sol do Brasil, o sonho é livre.