Os Hitlers já estão entre nós!

Falar de fascismo é falar sobre o aspecto humano da liberdade e sobre a conjuntura histórica-social que favorece a renuncia individual à liberdade e a assunção do caráter autoritário, pois ao contrário do que muitos pensam, o fascismo não é uma patologia dentro de um corpo social saudável, nem muito menos, um momento de loucura em um contexto de sanidade, mas uma característica própria da condição humana à espreita de todo indivíduo saudável.

Ler mais

A versão 2.0 de “Brasil, ame-o ou deixe-o”. Brasileiro querer ir embora é notícia nacional, EBC

Ao manifestarem o desejo de fuga – numa versão 2.0, mas espontânea, do “Brasil, ame-o ou deixe-o” – estas pessoas revelam que para elas o problema não é tirar Temer, o problema é Lula não ter morrido. Alimentadas pelo ódio, sequer percebem que são os pobres, principalmente de espírito. Sequer percebem que irão levar esta pobreza na bagagem para qualquer destino escolhido.

Ler mais

Mandarins do Serviço Público: o dia em que Confúcio, sem querer, inventou Moro e Dallagnol

Como na China imperial, aqueles oriundos dos extratos sociais privilegiados obviamente têm acesso à melhor educação desde a pré-escola aos cursos universitários. E podem, terminada a graduação nas melhores instituições de ensino, passar anos sem trabalhar. Ora, os concursos para a Magistratura ou para o Ministério Público Federal significam, em média, três a quatro anos de investimento e esforço, pagando cursos e livros e viajando pelo Brasil, em busca dos editais abertos.
Fator extra de empoderamento: o Golpe de 2016. Hoje, como em qualquer Estado fascista, o Direito é o que os golpistas dizem que é o Direito. E, nesse curioso golpe, que não foi perfilhado e que foi incapaz de produzir líderes, eles, os novos mandarins, deixaram os bastidores e ocuparam o vácuo deixado. É uma República juristocrática de Mandarins.

Ler mais

A classe média, o sequestro ideológico e o cativeiro midiático

No Brasil, um dos principais obstáculos à melhoria de condições de vida da maioria esmagadora da população é a classe média tradicional. Aquela que nasce com um bilhete premiado na loteria da vida, mas não hesita um segundo sequer em afirmar que tudo o que conquistou foi fruto do próprio esforço, que nada lhe veio de graça.

Ler mais