Ahahaddadaha

Por Sama, Para o Duplo Expresso:

Em um teatro de operações montado sem doutor ou juiz, de fora, ao lado de um picadeiro psiquiátrico, um mitômano agoniza.

Nele, convencem-no de que seria algo sem nunca poder sê-lo. E lhe selam o destino: sacrificar-se em prol do pior dos Brasis. Aquele que serve de sela e ferradura para um jumento estrelado.

Como os muares não são velozes o suficiente, eles não entram em corridas. Eles fazem apenas o trotear de quem enche as burras com a ignorância alheia. Mas para isso funcionar, é preciso convencer todo mundo que ainda há cavalos no páreo. Por isso ainda permitem ao agonizante uma última fala. Uma síntese. Uma piada mortal…

Saudações Samânicas!

Acha o nosso trabalho importante? Reforce a nossa causa em apenas 2 segundos: apoie a sua divulgação tornando-se um Patrono do Duplo Expresso

Facebook Comments