Estadão – Ninho dos fascistas dá vitamina ao criminoso juiz Moro

Estadão – Ninho dos fascistas dá vitamina ao criminoso juiz Moro

Por Wellington Calasans, para o Duplo Expresso

No Fórum do Estadão, um evento que parece uma piada de mau gosto e um verdadeiro escárnio à nossa democracia, promovido pelo Jornal Estadão, onde se “discutiu caminhos para a reconstrução do país”, a grande “estrela”  foi o criminoso juiz de primeira instancia Sérgio Moro.

O mais revoltante é a esquizofrenia e a má fé que tomou conta do país, independentemente de posicionamentos político-ideológicos, não podemos normalizar o Estado de Exceção no qual mergulharam o Brasil.

Dar voz e destaque a um juiz, à margem da lei, que impediu a Polícia Federal de cumprir o alvará de soltura, mantendo um cidadão sequestrado, com todos os seus direitos e garantias fundamentais suprimidos é uma provocação. A “estrela” desse Fórum fascista foi mais uma encomenda daqueles que se lambuzam com o atual Regime. O evento, organizado para dar vitamina ao combalido Sérgio Moro, é mais um tapa na cara da sociedade brasileira.

Sérgio Moro, quando perguntado sobre o “8 de Julho”, cinicamente diz: “Sempre agi com absoluta transparência”. E ainda faz piada quando é questionado pelo fato de estar de férias, dizendo: “Quando juiz trabalha nas férias, também criticam”. Um deboche!

Sobre a execução de pena em segunda instância, o déspota Moro afirma: “foi um passo fundamental”. Para Sérgio Moro, é irrelevante o fato de existirem 14 mil presos provisórios nas masmorras brasileiras e a presidente do Supremo Tribunal Federal estar sentada chocando o “ovo da serpente” em cima das ADCs que tratam de consertar o que jamais deveria ter sido quebrado: cláusula pétrea sobre direitos e garantias fundamentais, sobre a ´presunção de inocência , conquista civilizatória, para garantir o devido processo legal e que possamos nos defender minimamente do arbítrio do estado, de déspotas midiáticos como esse próprio juiz.

Os argumentos do criminoso juiz – e de outro procurador da turma dos déspotas – constituíam verdadeiros absurdos, defendendo a execução de pena em segunda instância. A presunção de inocência para esses fascistas não vale nada! A superlotação dos nossos presídios – verdadeiras câmaras de torturas – flagrantemente inconstitucionais, máquinas de moer gente, não significa nada! Ter que ouvir dessa gente que: “de acordo com o juiz da Lava Jato, a Corte superior tem ‘nível absurdo’ de processos.” Se referindo a execução de pena no STJ. “Solução intermediária não resolve, permanecemos no mesmo quadro”, afirmou Moro. O promotor Marcelo Mendroni avalia que “a prisão em segunda instância é tardia”. O investigador defende prisão preventiva “desde logo” e o bloqueio de bens.” Um canalha, com explícito viés fascista, que deveria ser afastado do ministério público. Promotores que pensam dessa forma não se coadunam com um estado democrático de direito. E o promotor canalha continua: “Prisão faz com que cesse a prática do crime”. Restou ao rendido advogado Mariz de Oliveira dizer: prisão não combate crime.“O que evita o crime são medidas que deveriam ter sido adotadas antes”.

Só me resta dizer: O resto é silencio! Até um leigo como eu sabe que prisão não cessa prática de crime! Argumentos rasos e manipuladores, típicos de um estado de exceção. Já vimos este filme no nazismo, com o juiz nazista Roland Fraisler.

Impressionante é observar uma plateia de jornalistas e pessoas que tiveram acesso à educação, escolher o arbítrio, rasgar a constituição, escolher entregar a sua liberdade nas mãos de homenzinhos da estatura desse juiz. O preço a pagar pelos “fins justificarem os meios” será muito alto. A conta já chegou! Se não reclamarmos, teremos que pagar o preço de algo que não pedimos nas urnas, empurrado por concurseiros aloprados.

O Estadão e Sérgio Moro discutindo a reconstrução do país? Para quem? O que dizer para os 28 milhões de brasileiros desempregados? O que dizer sobre o fim da soberania nacional e da exclusão do povo das grandes decisões?

Chegamos ao fundo do poço! Sérgio Moro discutir a reconstrução do país é o ato final de uma tragédia brasileira. Com qual legitimidade este analfabeto funcional pode falar sobre algo que ele mesmo ajudou a destruir? Talvez esta legitimidade seja dada pelos EUA, o seu verdadeiro patrão.

Acha o nosso trabalho importante? Reforce a nossa causa em apenas 2 segundos: apoie a sua divulgação tornando-se um Patrono do Duplo Expresso

Facebook Comments

Wellington Calasans

Jornalista, Radialista, Ativista Político, Sonha com um Brasil parecido com a Suécia e uma Suécia com o sol do Brasil, o sonho é livre.