Itaguaí, o coração do canteiro naval dos submarinos brasileiros

GROIZELAU, Vincent. 03/07/2017. Itaguaí: au coeur du chantier des sousmarins brésiliens in: Mer et Marine

Tradução livre Patricia Vauquier

Itaguaí, o coração do canteiro naval dos submarinos brasileiros

É um projeto gigantesco e único no mundo, resultado do programa de transferência de tecnologia mais abrangente até o momento. Itaguaí, a 70 quilômetros a sudoeste do Rio de Janeiro. É aí que nascem os novos submarinos brasileiros do tipo Scorpene, dentro de uma nova e particularmente impressionante infraestrutura industrial,

Tudo começou em dezembro de 2008, quando os presidentes Lula e Sarkozy chegaram a um acordo estratégico através do qual o Brasil escolheu a França para ajudar a construir seus novos submarinos. Em setembro de 2009, o grupo francês DCNS (agora Grupo Naval) assinou um acordo de contrato com seu parceiro brasileiro Odebrecht por um total de 6,7 bilhões de euros. Eles entraram em vigor em fevereiro de 2010.

O programa, chamado PROSUB, se concentra na implementação, na transferência de tecnologia, de quatro submarinos com propulsão convencional da família Scorpene, denominados SBR, bem como assistência francesa para o desenvolvimento de partes não-nucleares do primeiro SNA brasileiro, o SNBR . O Grupo Naval também forneceu experiência em design e equipamentos do novo estaleiro para construir esses navios, bem como a base naval adjacente a partir da qual os submarinos operarão e serão mantidos.

Desenvolver uma capacidade submarina soberana

“O Brasil quer desenvolver o seu componente submarino porque precisamos de meios modernos e eficientes para garantir a proteção do nosso território marítimo, que é muito grande. Temos 8,500 quilômetros de litoral e 4,5 milhões de km2 de zona econômica exclusiva. O mar representa 90% dos nossos recursos de hidrocarbonetos e 95% do nosso comércio exterior. A segurança da nossa área marítima é, portanto, crucial, especialmente porque sua riqueza atrai muita ganância. Mas o mundo é instável e não podemos saber o que acontecerá em 50 ou 100 anos. Com o PROSUB, o Brasil lidera pela primeira vez uma política de defesa e independência nacional pela aquisição da tecnologia necessária para o projeto e construção de submarinos, além de desenvolver suas próprias competências no campo da propulsão nuclear. Embora tenhamos fabricado submarinos de design alemão nas décadas anteriores e agora estamos construindo os SBRs, estamos fazendo nosso próprio projeto de submarino pela primeira vez com o SNA “, diz o Almirante Gilberto Max Roffé Hirschfeld, Coordenador Geral do Programa Brasileiro de Novos Submarinos. Este último lembra que esses dois tipos de edifícios são complementares: “O SNA possui uma grande autonomia, pode ir rápido e longe, é muito móvel e oferece uma grande capacidade de dissuasão, enquanto os submarinos clássicos são usados ​​mais perto das áreas costeiras, especialmente em torno de pontos estratégicos “.

Um canteiro criado na Baía de Sepetiba
Dirigido pela Odebrecht, com quem o Grupo Naval criou uma joint venture, Itaguaí Construções Navais (59% Odebrecht, 41% NG), responsável pela construção de futuros submarinos, a construção da infra-estrutura começou em 2010.
A implatação do canteiro está localizada no meio da magnífica baía de Sepetiba, cercado de montanhas, incluiu apenas um terminal portuário civil, onde os graneleiros são carregados de carvão e também servem tráfego em contêineres. O único pólo industrial já existente e integrado no programa foi o da Nuclep, uma empresa pública ligada ao Ministério da Defesa do Brasil, que já havia feito o casco resistente dos submarinos alemães do tipo 209 construídos em transferência de tecnologia no Brasil e colocados em serviço entre 1994 e 2005. Para as necessidades da PROSUB, a empresa foi modernizada e, em particular, equipada com uma prensa hidráulica Schuller, a mais poderosa da América Latina com uma capacidade de 8000 toneladas. É usado para dobrar chapas de aço com um alto limite elástico.

Até 20 mil pessoas mobilizaram-se
Para o resto, foi necessário inventar tudo e construir, o que representou, e ainda representa, um colossal trabalho de engenharia civil. Assim, não menos de 2000 pessoas, e até 20 mil com empregos indiretos, foram mobilizados para construir os diferentes sites de Itaguaí, envolvendo cerca de 600 empresas brasileiras. “Os spinoffs econômicos são extremamente importantes e esse programa gerou muitos empregos, especialmente para as pessoas da região, mas também além disso. Também tem havido muita organização do trabalho e logística para acomodar toda essa força de trabalho. Tivemos que construir casas, escolas e até mesmo desenvolver capacidades agrícolas locais para alimentar as milhares de pessoas que trabalham no site. É importante ressaltar que existe um grande programa a favor do meio ambiente, o canteiro está sendo compensado ​​por um plano de reflorestamento cobrindo 196 mil m2 “, explica um oficial brasileiro.

Diferentes pólos construídos ao redor da montanha
Todo o complexo estaleiro / base naval, chamado EBN (Estaleiro e Base Naval), é dividido em diferentes pólos em torno de uma montanha que faz fronteira com o mar. O primeiro novo canteiro a ser aberto é a Unidade de Fabricação de Montagens Metálicas (UFEM), operacional desde março de 2013 após 28 meses de construção. Construído ao lado do Nuclep, que fornece os anéis de casco grossos, este estabelecimento imponente é responsável por fazer as partes não resistentes dos edifícios, bem como o pré-armamento com a integração de equipamentos nas várias seções que constituem o casco. Na imponente nave principal, onde encontramos as quatro seções que compõem o casco de cada submarino, as operações de manuseio são realizadas graças a guindastes capazes de levantar cargas de 150 toneladas.

Uma vez que as seções são equipadas e pré-montadas, elas são transferidas para o Estaleiro de Construção (ESC), o grande galpão de montagem da EBN que foi construído à beira da baía, do outro lado da montanha, o que exigiu a conclusão de uma estrada de 3,5 km levando a um túnel de 703 metros de comprimento e 14 metros de diâmetro perfurado na rocha e abrindo para a infra-estrutura construída à beira da baía.

O grande galpão de montagem:
Com uma área de 5200 m2, o galpão de montagem é um dos edifícios mais impressionantes do complexo. Recentemente concluída, a nave gigantesca, com 160 metros de comprimento, 33 metros de largura e 52 metros de altura, é grande o suficiente para acomodar simultaneamente dois submarinos. Sua base é projetada para suportar uma carga de 10 toneladas por m2. É uma versão moderna do estaleiro Lauboeuf em Cherbourg, que tem em sua extensão um elevador para o lançamento dos edifícios. Este movimento de sincronização, com uma capacidade de elevação de 8 mil toneladas, é dimensionado para acomodar futuros submarinos de ataque nuclear brasileiros, que serão significativamente maiores do que o Scorpene.

Após o estaleiro, a base naval
Se esta parte do EBN estiver completa, o local ainda é um enorme canteiro de construção. Devemos também imaginar que há 6 anos, havia apenas uma praia cercada pela vegetação exuberante da montanha. Foram realizados enormes trabalhos de dragagem e de preenchimento (300.000 m3 de material tratado), para ganhar no mar e criar o exnihilo no local de construção.

Vista do futuro complexo de Itaguaí
Enquanto os edifícios adjacentes do Grande galpão ainda estão em construção, uma nova fase começou com a construção da base naval adjacente. Isso incluirá, em particular, duas docas secas cobertas de 140 metros de comprimento, o que continua a escavar. Eles vão abrigar os futuros SNAs e serão usados ​​para paradas técnicas importantes, um grande terreno parcialmente coberto que também será instalado ao lado do galpão de montagem para realizar operações de manutenção a seco do Scorpene. Estes serão retirados da água por meio do Syncrolift. Colocado em um “carrinho” móvel, eles serão levados para a área de manutenção, que terá estruturas cobertas.

Modelo do ESC e da futura base naval
Padrões sísmicos muito severos
Serão também criados 280 metros de ancoradouros para os submarinos, sendo o todo protegido por grandes diques. Deve-se notar que toda essa infra-estrutura atende a padrões sísmicos particularmente graves e são erguidas a 5 metros acima do nível do mar, em particular para resistir a um tsunami como o que causou o desastre de Fukushima. O EBN irá hospedar não só o ANS, mas também as instalações radiológicas utilizadas para apoiá-los, como os dos elementos combustíveis dos núcleos nucleares. Uma piscina que hospeda barras irradiadas será construída. Um edifício dedicado, com 16 pisos de altura, será conectado aos dois blocos secos cobertos através de uma estrutura metálica blindada usada para o carregamento e descarregamento de salas de caldeiras.

Com uma área de 487 000 m2, esta parte sul do complexo, que incluirá o galpão de montagem e a base naval, deverá ser concluída até 2020, com exceção das duas pranchas secas para os futuros SNA. Eles surgirão mais tarde, em conexão com a condução desta parte do programa, que é da responsabilidade única dos brasileiros.
Um pólo importante também está levantando, aquele que hospedará os simuladores em que será treinado e treinará os marinheiros brasileiros. É uma escola real, em construção, que abrirá uma gama completa de ferramentas de simulação para aprendizagem, qualificação e desenvolvimento de tripulação.
Simulador de condução móvel, segurança de mergulho e propulsão
Centro de Treinamento e Treinamento
Existe um centro de treinamento de resgate individual, com sua “torre de escape”, que é na forma de uma piscina vertical de 5 metros de diâmetro por 8 metros de altura. Equipados com uma roupa inflada, os marinheiros passam por uma camara para deixar a estrutura, aprendendo as ações que teriam que fazer se fossem levados a evacuar o submarino sozinhos.
Treinamento individual de resgate
Outro simulador permite descobrir e interpretar um vazamento ou via navegável. Esta estrutura em forma de túnel está equipada com tubos e válvulas, nas quais vários problemas são reproduzidos. Os jatos são enviados nas paredes de metal, outros no túnel. Ao agir sobre a pressão da água que flui através dele, os instrutores podem reproduzir os efeitos de um vazamento em diferentes profundidades de imersão. “O pessoal que treina lá aprende a reconhecer as diferenças entre os ruídos causados ​​por diferentes tipos de vazamentos e fechar as válvulas correspondentes para cortar o poder dos tubos a montante do vazamento. Eles também aprendem a se comunicar rapidamente com alguém fora da sala, em um ambiente mais ou menos ruidoso com pouca ou nenhuma iluminação. O resultado da simulação, muito próximo à realidade, é impressionante “, explica Marc Deliancourt, gerente de serviços de marketing do Grupo Naval, cujo centro em Ruelle, Charente, é especialista em simuladores.

Aclimatação ao meio aquatico
O centro também incluirá um simulador tático para treinamento em navegação, combate ou reconhecimento auditivo (com base em registros fornecidos pela Marinha do Brasil). Este local reproduz um PCNO submarino com seus consoles e até um periscopio retornando imagens de acordo com os cenários. “Nós podemos jogar nas condições climáticas, no estado do mar e na visibilidade. O instrutor confronta os estagiários com diferentes situações táticas, a presença de outro submarino, barcos, aeronaves … Desde a detecção até o lançamento das armas e as manobras evasivas, isso permite desenvolver os reflexos dos marinheiros em uma variedade de situações, treinando a reatividade rápida.

Simulador tático
Uma das outras peças centrais do centro de treinamento de Itaguai será a imponente cabine hexápoda, produzida como simulador tático pelo Ruelle Naval Group Center, que projetou o centro de resgate individual. e o da habituação à via navegável (derivado daqueles disponíveis para a Marinha em Brest), mas que são feitos diretamente no Brasil. Montado em cilindros, a cabine pode reproduzir com precisão os movimentos do prédio de acordo com sua inclinação, os efeitos da superfície do swell ou o mergulho. Este simulador é dedicado a dirigir a plataforma, segurança de mergulho e propulsão. Os formandos aprenderão como navegar o submarino e lidar com o inesperado, gerenciar propulsão e energia, auxiliares, água, oxigênio, dióxido de carbono, purga … “Também formamos aos bons reflexos e ao trabalho em equipe, especialmente em situações críticas com condições extremamente realistas que não podem ser reproduzidas, por razões de segurança, a bordo de um submarino real. A vantagem dos simuladores é, na verdade, a capacidade de fazer com que as tripulações confrontem todas as situações possíveis até as mais extremas”.

Simulador (cabine) de condução móvel, mergulho de segurança e propulsão O EBN está em 65% da sua conclusão, sem contar as instalações nucleares para um custo de construção de infra-estrutura, com 1,24 bilhão de reais (mais de 330 milhões de euros).

Do outro lado da montanha, pouco antes do túnel, é a base traseira do estaleiro, a “Área Norte”, que será posteriormente reposta. Localizado sobre uma extensão de 103.000 m2, este site abrirá um centro de descontaminação radiológica, um laboratório ambiental, edifícios administrativos e um quartel para um batalhão especializado em operações NRBC (nuclear, radiológica, bacteriológica e química).

Programa atrasado por cortes orçamentários
Em comparação com o planejamento inicial, o projeto levou dois anos de atraso. Isso é explicado, segundo as forças armadas e industriais, por dois motivos principais. Primeiro, o Brasil enfrenta as conseqüências do colapso do mercado do petróleo, que é um dos principais recursos e levou a grandes cortes no orçamento, especialmente pelos seus exércitos. A marinha brasileira não escapou, sendo forçada a adiar muitos projetos. No entanto, conseguiu manter a PROSUB através de spreads de investimento. Mas o trabalho de engenharia civil está a progredir mais devagar, uma vez que atualmente existem apenas 2.000 pessoas no local de construção (excluindo o pessoal dedicado à construção de submarinos), em comparação com 6.000 em 2014. “Desde 2015, fomos confrontados com graves restrições de orçamento que afetaram a construção de infra-estrutura e, como resultado, atrasaram os submarinos que dependem dela. Mas as coisas estão avançando e estamos nos concentrando no lançamento planejado no próximo ano do primeiro prédio “, disse Eric Berthelot, presidente da DCNS do Brasil. Alguns turnos de calendário também são devidos à complexidade do programa: “Começamos do zero, devemos criar tudo e transferir conhecimentos avançados, ao mesmo tempo subaquático para construir e toda uma infra-estrutura para construir. Há inevitavelmente, neste tipo de projeto, incertezas e ajustes a serem feitos ao longo do caminho.

PROSUB, prioridade máxima da Marinha do Brasil

Embora o lado brasileiro tenha certeza de que os atrasos registrados pelo programa não estão relacionados aos negócios, mas principalmente às restrições orçamentárias, o PROSUB continua a progredir. “A conclusão do novo programa de construção de submarinos é nossa primeira prioridade”, diz um oficial da Marinha do Brasil. O último também tem um sinal muito revelador, dedicado ao show LAAD no Rio, em abril, a maior parte do seu stand no PROSUB. “O financiamento da construção do estaleiro e da base naval é orçado em 95%”, afirma, entretanto, um gerente da COGESN, estrutura brasileira que assegura a coordenação do programa.

Transferência da primeira seção do SBR1 para o galpão de montagem
A construção dos submarinos, que avança no ritmo de novas infra-estruturas, está entrando em uma fase crucial. A primeira seção do SBR 1, que se chamará Riachuelo, será transferida este verão para o galpão de montagem, onde os quatro elementos principais que constituem o casco serão gradualmente unidos. Como as outras três seções, ela está atualmente sendo equipada na UFEM.

Treinamento de soldadores brasileiros em Cherbourg

Um extenso programa de treinamento
A primeira parte da construção, incluindo as seções 3 e 4, foi realizada numa cidade francesa que abriga o canteiro naval de DCNS Cherbourg. Essa primeira parte serviu de suporte para o treinamento das primeiras equipes brasileiras que trabalham hoje em Itaguaí. “Como parte da transferência de tecnologia, treinamos mais de 250 brasileiros, desde soldadores até engenheiros. Com as duas seções de casco produzidas em Cherbourg, formadores de soldadores, formadores, tubuladores e eletricistas brasileiros se formaram ao lado de nossas equipes. Então eles voltaram aqui com um know-how técnico que eles espalharam para o outro pessoal que recrutamos, sabendo que nós, em particular, criamos em Itaguaí uma escola de soldagem. Cherbourgers também vieram aqui para completar o treinamento “, explica Eric Berthelot.
Longe de ser completa, a transferência de tecnologia ligada a este programa, que é o maior e mais bem sucedido desse tipo para um contrato de exportação, continuará por vários anos, não só no Brasil, mas também na França. Além dos marinheiros brasileiros, dezenas de empresas locais são acolhidas pelo Grupo Naval e seus principais fornecedores para aprender a construir, operar e manter os equipamentos, tais como manipulação de torpedos (os da SBR1 foram produzidos em Ruelle), os mastros, elementos do aparelho de propulsão ou o sistema de combate. Uma parte significativa do equipamento do futuro SBR beneficia de um programa de nacionalização. “O objetivo é permitir que as empresas brasileiras se tornem independentes para projetos futuros. A transferência de tecnologia permite a nacionalização de equipamentos e sistemas “, observa o Almirante Gilberto Max Roffé Hirschfeld. Assim, as empresas brasileiras, uma vez treinadas, são responsáveis ​​pela produção de peças e, a montagem de sistemas, para finalmente gerenciar toda a cadeia até a comissionamento e manutenção. Essa transferência de tecnologia também permitirá que os brasileiros, de acordo com suas necessidades, façam adaptações e evoluções no equipamento de seus submarinos.
P
ara criar esta vasta rede de fornecedores locais, foi necessário, no início, um importante trabalho de identificação das empresas capazes de participar do programa, gerando competência e a aquisição de know-how, bem como a organização necessária para integrar a empreitada. Neste contexto, um componente importante dedicado ao treinamento é implementado pelo ICN, em colaboração com a organização brasileira SENAI e o Ministério da Educação francês. O objetivo é fortalecer e desenvolver a indústria brasileira, formando futuros engenheiros, técnicos e trabalhadores brasileiros.

Lançamento do SBR1 agendado para o final de 2018
Desde a chegada em maio de 2013 da parte da SBR1 produzida em Cherbourg, a ICN ganhou impulso. Operadora do estaleiro de Itaguaí em nome da Marinha do Brasil, a empresa, que agora emprega 1.600 pessoas (incluindo apenas alguns franceses), com os elementos fornecidos pela Nuclep o resto do casco do submarino e a integração de Equipamentos diferentes: blocos desacoplados, tubos, divisórias, caixas, apêndices externos

Originalmente programado para janeiro de 2016, o lançamento do Riachuelo está agendado para o segundo semestre de 2018. Os próximos dois anos serão dedicados a treinamentos, primeiro no ancoradouro e depois no mar, para entrega à Marinha do Brasil. até 2020. O segundo Scorpene, o futuro Humaita (SBR 2), cujas seções já estão na UFEM, deverá navegar em setembro de 2020 (em vez de agosto de 2017). SBR 3 (Tonelero) e SBR 4 (Angostura), que, de acordo com o planejamento mais recente, seráo lançados em dezembro de 2020 e dezembro de 2022, em vez de fevereiro de 2019 e julho de 2020, respectivamente. “O objetivo é entregar a última obra em dezembro de 2023, sabendo que uma cadência de 18 meses é planejada entre cada submarino. No entanto, devemos ter cuidado com os calendários porque estamos mais uma vez falando sobre um programa extremamente complexo, com as coisas feitas pela primeira vez aqui, mas estamos confiantes “, lembra Eric Berthelot.

Maior que o anterior Scorpene
Maior que o Scorpene feito anteriormente para o Chile (2), a Malásia (2) e a Índia (6), o SBR medirá 71,6 metros e exibirá um deslocamento de 1870 toneladas em superfície, contra 66,4 metros e 1700 toneladas para outros submarinos desta família. O aumento de tamanho aumentará as reservas de combustível e alimentos, para ganhar autonomia, uma condição necessária dada a extensão das águas brasileiras.
Composto por uma equipe de 45 homens, o SBR terá seis tubos de 533mm para implementar 12 torpedos pesados, a saber, o novo F21 francês, cujo Brasil é o primeiro cliente de exportação, bem como mísseis anti-navio Exocet SM 39. Estes submarinos oceânicos multiusos serão capazes de realizar todos os tipos de missões, como navios de superfície, guerra anti-submarina, operações especiais e coleta de informações.

Um SNA como objetivo de um programa
O EBN também será usado para fazer o primeiro submarino de ataque nuclear brasileiro, um projeto que remonta aos anos 80 e que o país pretende, graças ao PROSUB, finalmente realizar na próxima década. O SNA também é claramente considerado localmente como o elemento-chave do programa lançado em 2009. Foi ele que guiou a escolha da França como parceiro para o projeto e produção de novos submarinos brasileiros. “Apenas alguns países dominam a tecnologia de submarinos alimentados por energia nuclear e havia apenas dois para atender às nossas necessidades: França e Rússia”, admite o Almirante Gilberto Max Roffé Hirschfeld. Para questões políticas e geoestratégicas, especialmente as relações com os Estados Unidos, o Brasil preferiu Paris.

Treinar os brasileiros para projetar um submarino
No entanto, a cooperação com o DCNS diz respeito apenas às partes não-nucleares do edifício, toda a plataforma, com exceção da unidade de reator. Ao contrário do Scorpene e sua variante brasileira, o SNBR não será o trabalho dos engenheiros franceses. Embora o objetivo dos SBRs seja fornecer ao Brasil as capacidades industriais e o know-how necessário para a construção de submarinos, a parte SNA do PROSUB teve como objetivo treinar engenheiros brasileiros no projeto de tais embarcações. É com isso em mente que uma escola de design submarino foi criada em Lorient, onde as equipes foram formadas por dois anos, para se juntarem ao departamento de pesquisa da Marinha do Brasil em São Paulo. para projetar o SNBR. Este plano de treinamento foi concluído no início deste ano.

Canteiro a partir de 2020
Após uma primeira fase dedicada aos estudos de viabilidade lançados em 2012, os brasileiros trabalharam no projeto preliminar de seu futuro SNA de agosto de 2013 a janeiro de 2017. A terceira etapa, de estudos detalhados, está prevista para começar em julho de 2018. As equipes de design, agora compostas por 200 pessoas, aumentarão e deverão ver sua força de trabalho triplicar. Se tudo correr bem, a marinha brasileira estima que a construção do submarino pode ser lançada no início de 2020, com o objetivo de colocar na água no final de 2027 e uma entrega até 2030. Este calendário oficial pode, no entanto, ser modificado, por questões de custo devido à complexidade de tal programa. “É preciso lembrar que um submarino nuclear é um dos objetos mais complicados feitos pelo homem e que um projeto como esse permanece extremamente complexo mesmo para as nações que dominam esse know-how, como o Reino Unido e a França, que levou mais de 10 anos para construir o Astute e o Barracuda “.

Portanto, é preferível deixar um tempo maior entre o início da construção (até 2022) e o lançamento em 2029. O desafio da propulsão nuclear Para o Almirante Gilberto Max Roffé Hirschfeld, “O maior desafio deste programa é a propulsão nuclear porque não há transferência de tecnologia neste ponto. Esta parte é de responsabilidade exclusiva do Brasil e, portanto, devemos, de forma independente, desenvolver tecnologias de ponta, com a máxima segurança, pois em termos de energia nuclear é necessário risco zero. Eventualmente, teremos plena soberania nesta área. “No campo nuclear, o Brasil, que não tem ambição de usar o átomo para fabricar armas, tem desde 1982 uma central elétrica localizada em Angra, no sul do país, no estado do Rio.

Projetado pelo americano Westinghouse foi originalmente equipado com um reator de água pressurizada de 640 MW desenvolvido na época pelos grupos alemães Siemens e KWU. Com base neste modelo, um segundo reator de 1350 MW foi contratado em 2001. O projeto de um terceiro reator de mesma potencia, relançado em 2007 e para o qual o Brasil assinou um acordo de cooperação com a francesa Areva em vários equipamentos auxiliares está sendo construído.

Os brasileiros adquiriram deste modo conhecimentos diferentes no campo das usinas nucleares civis, que eles usam para projetar um reator a bordo. Mas isso continua sendo um grande desafio, pois este equipamento deve atender a restrições extremamente severas, especialmente em termos de compacidade e potência, bem como de segurança. Porque é o volume da caldeira que constitui o elemento mais dimensionador do submarino. As obras são realizadas em São Paulo. É aqui que foi criado um centro dedicado, que pode ser considerado o equivalente ao site francês de pesquisa e desenvolvimento do CEA em Cadarache, onde são realizados desde 1971, os testes de reatores terrestres para submarinos nucleares da marinha francesa.

Um protótipo do reator testado em terra.
Atualmente, os brasileiros estão montando nesse centro o protótipo do reator que eles criaram para o projeto. SNBR. Uma vez que a montagem esteja concluída, será necessário proceder à divergência, depois testar a sala da caldeira e verificar se o seu funcionamento e seu desempenho correspondem ao planejado. Segundo a sua potencia real, o design do reator SNA pode ser refinado, seguindo o mesmo quebra-cabeça: a potencia, o volume e a massa definindo o tamanho do barco, em particular o seu diâmetro. Antes dos testes, podemos, portanto, falar apenas de hipóteses. Essas, por enquanto, relacionam-se a um submarino de 107 metros de comprimento para um deslocamento oficial da ordem de 6000 toneladas, o que poderia ser maior.

Além do seu reator, o SNBR terá uma turbina, uma caixa de velocidades e um motor elétrico, fornecido pela Jeumont Electric (também presente em Scorpene). Dois anos atrás, a empresa francesa entregou uma máquina à Marinha do Brasil como parte do projeto LABGENE, um laboratório projetado para simular no solo o funcionamento completo da cinemática do futuro SNA brasileiro (excluindo caldeira nuclear). O equipamento produzido para este fim pela Jeumont foi anunciado em 2015 como o maior e mais potente motor síncrono de íman permanente do mundo. Com um peso de 72 toneladas, tem 6 metros de comprimento, 3 metros de largura e 4,5 metros de altura e vem com seus armários conversores de energia.

Sistema Nacional de Combate
O SNBR, que pode incluir torpedos pesados, minas anti-navio e mísseis, e até mesmo mísseis de cruzeiro, terá um sistema de combate nacional. Para esse fim, a DCNS voltou a fazer uma transferência significativa de tecnologia treinando engenheiros brasileiros no ao projeto, design, construção e integração do sistema de combate SUBTICS para equipar o Scorpene SBR.
As trocas, que continuam, começaram em 2011 no site DCNS Mourillon, perto de Toulon (transferido há alguns meses para Ollioules) e depois em uma plataforma de integração em Saint Mandrier. Isso deve ser transferido para o Brasil, onde será usado para manutenção e atualização do SBR CMS, bem como no sistema de combate SNA, que provavelmente será baseado em uma evolução do SUBTICS.

Outros submarinos em perspectiva
Este primeiro submarino com propulsão nuclear, que deve ser chamado Alvaro Alberto, deve, obviamente, ser seguido de sisterships, das quais não se sabe ainda, o número e o ritmo da produção. Tudo dependerá da construção do primeiro, do custo final do programa e da situação econômica do Brasil na próxima década. Uma coisa é certa em qualquer caso, é notadamente o programa SNBR que deve permitir, após a conclusão Scorpene, para manter a atividade do novo estaleiro de Itaguaí. Porque esta é uma questão importante que os marinheiros brasileiros estão plenamente conscientes: a longo prazo, devemos garantir que não percamos um know-how que foi difícil e longo de adquirir. Daí a necessidade, de construir outros submarinos após os cinco atualmente planejados no PROSUB.

Itaguaí, um futuro trampolim para o mercado de exportação?
Outros SNAs esperam seguir o Alvaro Alberto. Mas pode haver, também, oportunidades de exportação. Pode-se imaginar que o Grupo Naval está aliado do Brasil para fazer Itaguaí uma plataforma de construção para contratos internacionais. O industrial francês, que já fez Scorpene para o Chile na década de 2000, está cobiçando os mercados de renovação de submarinos de muitas marinhas da América do Sul. Graças à sua impressionante infra-estrutura e equipamentos industriais de ponta, Itaguaí também poderia, se necessário, diversificar sua atividade em direção a construções de superfície, onde também há um potencial comercial significativo, particularmente para a Marinha do Brasil.

Acha o nosso trabalho importante? Reforce a nossa causa em apenas 2 segundos: apoie a sua divulgação tornando-se um Patrono do Duplo Expresso

Facebook Comments

Wellington Calasans

Jornalista, Radialista, Ativista Político, Sonha com um Brasil parecido com a Suécia e uma Suécia com o sol do Brasil, o sonho é livre.