Importação e carga processada nas refinarias: confusão entre causa e efeito

Por Paulo César Ribeiro Lima, para o Duplo Expresso

A importação de combustíveis é efeito da política de preços da Petrobras, que tem vendido combustíveis a preços superiores ao do mercado internacional.

Para se protegerem dos altos preços da Petrobras, em alguns casos muito acima dos preços do mercado internacional, alguns consumidores, como a empresa Vale S.A., maior consumidora individual de óleo diesel no país, têm viabilizado, por meio de grandes distribuidoras, o consumo de combustíveis importados. Até empresas menores têm tentado viabilizar a importação a preços mais competitivos que os da Petrobras.

Assim, a Vale S.A., por exemplo, deve estar pagando menos por um litro de óleo diesel que a maioria dos caminhoneiros do Brasil, que têm maior dificuldade de proteção.

As importações são consequência ou efeito dos altos preços da Petrobras, mas são causa de redução da carga processada nas refinarias da estatal, que têm limitada capacidade de armazenamento.

Importa ressaltar que a exportação de derivados exige uma logística mais complexa do que para a exportação de petróleo. Assim, houve grande aumento da exportação de petróleo pela Petrobras, proporcionalmente maior que o aumento da produção nacional de petróleo.

Paulo César Ribeiro Lima é PhD em Engenharia pela Universidade de Cranfield, Ex-Consultor Legislativo do Senado Federal e Ex-Consultor Legislativo da Câmara dos Deputados. É comentarista do Duplo Expresso sobre Minas e Energia às terças-feiras.

 

Acha o nosso trabalho importante? Reforce a nossa causa em apenas 2 segundos: apoie a sua divulgação tornando-se um Patrono do Duplo Expresso

Facebook Comments