Os EUA têm urgência em ocupar a América do Sul

Por Eduardo Jorge Vior, Infobaires24

(artigo publicado em 24 de setembro de 2020)

A viagem de Pompeo pelo norte do subcontinente e as crises nos países andinos são sinais da corrida do Pentágono para controlar a região, isolar a Argentina e deixar a China de fora.

A coincidência entre a recente visita do Secretário de Estado dos Estados Unidos ao Suriname, Guiana, Brasil e Colômbia e a turbulência que assola Colômbia, Equador, Peru e Bolívia atesta a impaciência de Washington para controlar novamente o subcontinente, cercar a Argentina e desacelerar o avanço chinês. Parece que o governo de Donald Trump quer evitar que um possível governo democrata altere o rumo dos EUA na região. Porém, além de uma mudança de estilo, não se espera que outra administração em Washington mude as diretrizes de sua política para a metade sul do continente.

Washington e Georgetown (capital da Guiana) anunciaram nesta segunda-feira, dia 21, que iniciarão patrulhas navais conjuntas nas águas que fazem fronteira com a República Bolivariana (da Venezuela). O anúncio vem na sequência da visita do Secretário de Estado Mike Pompeo, na sexta-feira 18, e da sua promessa de apoio à construção de infraestrutura de exploração e exportação de petróleo que acaba de iniciar ao largo da costa ocidental do território Essequibo. Não por acaso, a empresa licenciada é a Exxon Mobil, do grupo Rockefeller, que estimou que a bacia tem reservas de 15 bilhões de barris. A Exxon, que já foi a maior empresa de petróleo do mundo, apoia e financia o presidente Donald Trump.

O território de Essequibo e sua extensão marítima são reivindicados pela Venezuela, que desconhece a legalidade de um tribunal arbitral que, em 1899, o entregou à Inglaterra, de quem a atual Guiana era colônia. Depois que esta se tornou independente, em 1966, os dois vizinhos declararam nula a decisão e concordaram em buscar uma solução arbitrada. É por isso que Caracas criticou, duramente, as concessões de petróleo feitas por Georgetown nos últimos três anos.

Pompeo chegou à Guiana vindo do vizinho Suriname, onde se encontrou com o presidente Chan Santokhi, eleito em maio passado. Embora, na ex-colônia holandesa, Pompeo tenha reiterado seu apelo pela concessão de licenças a empresas norte-americanas e sua insistência a não se fazer negócios com a China, o novo presidente reafirmou sua neutralidade diante da crise venezuelana e sua vontade de expandir as atividades da estatal petrolífera Statsolie, ainda que respeitando a concessão local outorgada pelo seu antecessor à Apache-Total.

Já no sábado, o secretário chegou a Boa Vista, capital do estado de Roraima, onde o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, o homenageou. Ele, cinicamente, prometeu US$ 30 milhões em ajuda para os imigrantes venezuelanos, mas não fez menção ao persistente fechamento da fronteira. Boa Vista depende de insumos venezuelanos (principalmente combustível) para sua sobrevivência. Além disso, o bloqueio da fronteira impede a ajuda humanitária, o retorno de migrantes venezuelanos e/ou a chegada de novos. A presença de Pompeo em Roraima foi energicamente criticada por seis ex-chanceleres que o acusaram de “uso espúrio do território nacional” para usar o país “como plataforma de provocação e hostilidade contra uma nação vizinha”.

Finalmente, a última parada da turnê foi no domingo, em Bogotá, onde o Secretário de Estado elogiou o apoio do presidente Iván Duque ao autoproclamado “presidente” venezuelano, Juan Guaidó. Sua presença ali coincidiu com manobras militares conjuntas entre Colômbia e Estados Unidos e críticas da oposição à presença, durante dois meses, de uma força especial de segurança norte-americana. Sua visita foi seguida na segunda-feira, 21, por uma greve nacional em protesto e por massivas manifestações da oposição que, em Bogotá, foram duramente reprimidas.

A enorme e urgente pressão norte-americana se reproduz de diferentes maneiras no resto do eixo andino. No Equador, que planeja realizar a eleição presidencial em 28 de fevereiro, a justiça eleitoral não desiste de perseguir os seguidores de Rafael Correa. Depois de proibir o ex-presidente de concorrer em conjunto com Andrés Arauz e de banir seu partido, Compromiso Social, o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) anunciou, na segunda-feira, dia 21, que também está avaliando a rejeição do Centro Democrático (Lista 1), na qual o Correísmo refugiou-se. Este, por sua vez, propôs, na semana passada, o jornalista Carlos Rabascall como candidato à vice-presidência, mas a chapa ainda não está registrada na Justiça Eleitoral.

Dada a intensa perseguição ao Correísmo, a direita ficou especialmente chocada, na semana passada, com os resultados de uma pesquisa da empresa brasileira Atlas Intel, que deu ao correísta Andrés Arauz 45% dos votos, Guillermo Lasso 32%, Yaku Pérez 4,3% e César Montúfar 1,1%. Os demais candidatos têm menos de 1%. Entre os brancos, os nulos, as abstenções e os que não sabem em quem votar somam 10,6%. Uma simulação de segundo turno também classifica Arauz como o vencedor com 48,2% dos votos e 39,4% para Lasso. Apesar da grosseira ofensiva judicial e proibição política, entretanto, o ex-presidente Rafael Correa mantém a maior aprovação (50%) e a menor rejeição (45%).

A mão inegável das embaixadas norte-americanas também é perceptível na Bolívia. Diante da impossibilidade de adiar as eleições presidenciais e legislativas de 18 de outubro, os golpistas de novembro passado baniram Evo Morales com ações sem base ou fundamento. De qualquer forma, as últimas pesquisas deram à chapa de Arce-Choquehuanca (MAS-IPP) cerca de 37%, enquanto o ex-presidente Carlos Mesa (2005-06) obteve 27% e todos os demais menos de 10%. Por isso, na semana passada, a presidente de fato, Jeanine Áñez, retirou sua candidatura.

Depois do fracasso de Áñez, a embaixada e os golpistas esperavam apresentar uma chapa única da direita, mas não conseguiram reconciliar Carlos Mesa com Luis F. Camacho. A ascensão da candidatura do MAS, então, a aproxima de um possível triunfo no primeiro turno. Na Bolívia, se um partido atinge 40% dos votos no primeiro turno, com diferença de mais de 10% em relação ao segundo colocado, é eleito sem possibilidade de segundo turno.

Agora, a embaixada se prepara para impedir, a qualquer custo, a vitória do MAS. A polícia e o exército golpista se encarregam da distribuição, vigilância e coleta das urnas, o centro de processamento de dados está nas mãos dos amigos de Áñez, a mídia milita em uníssono pelo anti-masismo e a única missão de observadores internacionais, até agora autorizada, é a da OEA, que já desempenhou um papel nefasto em novembro passado. Em última instância, o sucesso do MAS dependerá da mobilização do povo boliviano e do fato de que a diferença de votos a seu favor é avassaladora. Quando Evo Morales obteve vitórias de 52%, 64% e 62%, conseguiu impor o resultado eleitoral. A única vez em que ele não ultrapassou 50%, eles não reconheceram seu triunfo e atacaram.

No Uruguai, finalmente, as eleições para Prefeitos e Juntas das 19 províncias serão realizadas no próximo domingo, 27 de setembro. A Frente Ampla busca a vitória em Montevidéu e Canelones, províncias que, juntas, representam mais da metade da população do país. Quatorze das dezenove localidades estão praticamente definidas. Apoiado no tradicional ruralismo conservador, o Partido Nacional (líder da coalizão governista) ficaria com 12 dos 17 distritos do interior. O Partido Colorado, por sua vez, manteria Rivera na fronteira com o Brasil, enquanto três províncias ainda estão em disputa.

Em um cenário já bastante definido, a questão central é saber por qual diferença ganhará a FA em Montevidéu, onde governa desde 1990. Lá a coalizão de direita apresentará a candidatura única de Laura Raffo, enquanto a Frente Ampla vai com três candidatos: Daniel Martínez , Álvaro Villar e Carolina Cosse. Pelas últimas pesquisas, há empate técnico de 17 pontos para cada um, mas, devido ao sistema eleitoral, quem ganha a maioria dentro de uma legenda registrada leva também os votos de seus concorrentes internos. Assim, algumas pesquisas apontam Carolina Cosse como possível vencedora interna da Frente Ampla. Daniel Martínez, ex-prefeito e ex-candidato à presidência, por sua vez, representa a linha interna da social democracia, enquanto Álvaro Villar é o candidato com menos intenção de votos, embora nas últimas pesquisas tenha se aproximado dos outros dois. Tem o apoio do Movimento de Participação Popular (MPP, liderado por José Pepe Mujica), Fuerza Renovadora e UNIR, um grupo dissidente do Partido Colorado que não faz parte da organização Frente Ampla.

O Pentágono estabeleceu como objetivo recuperar o controle da América do Sul, isolar a Argentina e impedir o crescimento da influência chinesa. Cabe ao Comando Sul executar a estratégia elaborada. Para tanto, recorre à manipulação das eleições, às provocações armadas nas fronteiras da Venezuela, ao pacto entre o Alto Comando brasileiro e o crime organizado, à tentativa de golpe no Peru e a furiosas campanhas de agitação e desestabilização em nosso país. Os agressores querem criar um fato consumado antes das eleições presidenciais nos Estados Unidos, em 3 de novembro, mas não há indícios de que um improvável governo democrata tomará um rumo diferente. A unidade e a solidariedade que os governos não têm entre si devem ser substituídas pelos movimentos populares.

_________________________

 

Siga o Duplo Expresso em várias plataformas:

Canal do DE no Telegram

Grupo de discussão no Telegram

Canal Duplo Expresso no YouTube

Romulus Maya no Twitter

Duplo Expresso no Twitter

Romulus Maya no Facebook

Duplo Expresso no Facebook

Romulus Maya no Linkedin

Romulus Maya no Mastodon

Grupo da Página do DE no Facebook

Romulus Maya no Instagram

Romulus Maya no VK

Duplo Expresso no Twitch

Áudios do programa no Soundcloud

Áudios no Spotify

Áudios na Rádio Expressa

Link para doação pelo Patreon

Link para doação pela Vakinha

Autores

Facebook Comments

Redação D.E.

Redação do Duplo Expresso - onde "a verdade chega primeiro". Bem... às vezes primeiro, segundo, terceiro e... último! Único! rs

Redação D.E. has 19 posts and counting. See all posts by Redação D.E.