O Fantasma da Marielle Franco

Arte e texto por Geuvar Oliveira*, para o Duplo Expresso:

Essa charge que mostra Moro vendendo a prisão do Temer como um fato importante para combater a corrupção, não passa de uma peça cênica. A tal pessoa-golpista agora encarcerada já fazia parte do pomar das laranjas e, agora extremamente chupada – literalmente (des)frutada, que se frise – pelos degustadores da Direita, foi jogado no lixo.

A charge também apresenta um fator interessante: a luta dos bolsonetes tentando desqualificar o assassinato da Marielle. Tratam como se fosse um crime comum, um infortúnio a mais quando se observa a quantidade de gente que morre no Rio de Janeiro. Mas isso só piora a situação para a Direita: Assim como teve a mão da Direita na morte dela, elas estão nas mortes de todos os outros cidadãos brasileiros que perdem suas vidas por causa da corrupção promovida pelo setor político, empresarial e jurídico. Em todos, a Direita é e sempre foi majoritariamente suprema.

Portanto, nunca vai ser legal para a Direita ou Extrema-Direita criticar a violência. Essa situação sempre foi motivada por ela. É a mão conservadora do que hoje se denomina Direita que sempre controlou a distribuição de renda no país. Para não falar no incansável combate que travam contra o desenvolvimento do país, enquanto discursam a plenos pulmões como se o estivessem promovendo.

E, para finalizar, prender o ex-presidente golpista só demostra que a Direita, além de não ter dignidade, deixa claro que não existe lealdade no inferno onde ardem. A prisão do Temer, por mais efêmera que seja, é destruir um de seus demônios para lucrar mais um pouco. Ou, na falta de um inimigo real, torturar um expoente dos nossos para trazer seu principal alimento de volta, o MEDO.

 

 


* Geuvar Oliveira é maranhense de Imperatriz, mas mora em Palmas – TO. Funcionário público, cartunista, quadrinista, escritor. Tem várias obras publicadas, entre as mais conhecidas estão: Mugambi (da qual está produzindo o último capítulo), Liga do Cerrado e Viagem ao Centro da Gramática. Formado em Letras e Arte Cênica, trabalhou em alguns jornais impressos do Tocantins como cartunista. Atualmente, publica suas charges nas redes sociais e aqui na Caixa de Pandora do Duplo Expresso, porque os jornais têm medo de fazê-lo.

 

 

Acha importante o nosso trabalho? Fácil - clique no botão abaixo para apoiá-lo:

Facebook Comments