Os “porteiros” da… guerra híbrida! Com Pepe Escobar e Piero Leirner – D.E. 1/nov/2019

Destaques:
Painel com Romulus Maya, Luiz Ferreira Jr., Pepe Escobar e Piero Leirner analisa a implosão — controlada — do clã Bolsonaro, no marco da guerra híbrida tocada no Brasil. Especial ênfase para o significado dos sinais dos últimos dias e horas. E também para as consequências dos furos do Duplo Expresso: (i) o condomínio de Bolsonaro tem, sim, interfone; (ii) o tal do porteiro… “SUMIU”! Imperdível.

Ler mais

Guerra – híbrida – global: Pepe Escobar e Piero Leirner – D.E. 22/out/2019

Destaques:
(i) Romulus Maya faz a análise da conjuntura política.
(ii) O economista Nildo Ouriques comenta a sublevação no Chile, mais um sintoma da crise global do capitalismo financeiro e da resposta do sistema imperial: o saque.
(iii) Na volta do antropólogo Piero Leirner ao programa, o correspondente e analista internacional Pepe Escobar chega para aclarar a conjuntura atual da grande disputa global: Deep State vs. Trump (Biden/ Ucrânia/ impeachment), a primavera de Hong Kong, a vitória de Assad — e dos russos — na Síria, o avanço da guerra híbrida no Brasil, na perspectiva de fechamento — clandestino — do regime, sublevações na América Latina. Ou seja, um — imperdível — panorama completo!

Ler mais

Pepe Escobar – sem censura: Lula, Amazônia e guerra híbrida

Romulus Maya e Piero Leirner recebem Pepe Escobar, digerindo o saldo da sua recente visita ao Brasil: Lula, Amazônia… é guerra híbrida, minha gente!
Imperdível.

Ler mais

Pepe Escobar sem censura: Lula, Amazônia, guerra híbrida – D.E. 3/set/2019

Destaques:
(i) Polêmica: Nildo Ouriques promete desconstruir uma quase unanimidade: Jessé… Souza?!
(ii) Romulus Maya e Piero Leirner recebem Pepe Escobar, digerindo o saldo da sua recente visita ao Brasil: Lula, Amazônia… é guerra híbrida, minha gente!
Imperdível.

Ler mais

Pepe Escobar: “VazaJato” se transforma no Russiagate 2.0

“Como tenho discutido com alguns de meus principais interlocutores brasileiros, como o antropólogo craque Piero Leirner, que sabe em detalhes como os militares pensam, e o advogado internacionalista baseado na Suíça e consultor da ONU, Romulus Maya, o Deep State americano assume a posição de articulador da ascensão direta das Forças Armadas brasileiras ao poder, assim como os seus fiadores. Assim sendo, caso essas não sigam o roteiro ao pé da letra – ou seja, relações comerciais limitadas com a China; e isolamento da Rússia – o Deep State pode trazer o pêndulo de volta a qualquer momento”.

Ler mais

Exclusivo: militares usarão #VazaJato, Greenwald e “russos” para dar golpe?

Os militares usarão #VazaJato, Glenn Greenwald e os “russos” para dar o golpe no Brasil?
Com apoio dos EUA?
É por isso que estão usando Greenwald para queimar Sergio Moro?
Que papel os partidos de esquerda – e os veículos ligados aos mesmos – desempenham nessa farsa?
O de “idiotas úteis”?
Ou algo mais sinistro?
Aliás, para além do principal, o timing sincrônico dos ubíquos “agentes russos”, qual seria o evento detonador do “reboot”? Algo com a Venezuela? Uma nova “fake-ada”? Em Moro desta feita, talvez? Ou, um ataque em larga escala à infra-estrutura brasileira (e.g., derrubar Itaipu)? “Casualmente”, por exemplo, amanhã, no dia da “greve geral” – convocada pela esquerda? “Provando”, “em definitivo”, que a esquerda brasileira é, “sim”, a “cabeça de ponte” da “invasão russa ao Brasil”? Justificando o seu expurgo? Ou o catalisador seria um HC concedido a Lula pelo “corrupto” STF, causando “grave comoção social” de “cidadãos de bem” – devidamente plantados – Brasil afora? Enfim, os milicos têm um leque de opções à sua disposição.
Americanos, chineses e russos: para o bem e para o mal, o Brasil, sem sair do lugar, foi para o centro do mundo desde o último domingo. Briga de cachorro grande. Infelizmente, com prognóstico nada positivo.

Ler mais

Para entender o rolo – viral – do dia: Telegram/ Moro/ Intercept (& Duplo Expresso)

Diante dessa armação latente, ainda antes de Globo e Sergio Moro saírem a campo nesta manhã, o Duplo Expresso mostrou o que os demais jornalistas brasileiros deveriam estar fazendo: apuração. Em vez de ficarmos girando nossos pescoços para (apenas) acompanhar – e repercutir (passivamente) – a “bola de tênis” ser passada de um lado para o outro da quadra, ora da raquete de Glenn Greenwald, ora da de Sergio Moro, num grande espetáculo, fomos diretamente ao Telegram.
O resultado?
O furo que hoje viralizou no Brasil.

Ler mais