A resposta da China ao vírus tem sido “de tirar o fôlego”


O presidente chinês Xi Jinping está liderando uma ‘Guerra Popular’ científica contra o coronavírus

 

Por Pepe Escobar

Tradução: Milena Brandão

 

O presidente Xi Jinping disse formalmente ao chefe da OMS, Tedros Ghebreyesus, em sua reunião em Pequim no início desta semana, que a epidemia de coronavírus “é um demônio e não podemos permitir que o demônio se esconda”.

Ghebreyesus, por sua vez, não pôde deixar de elogiar Pequim por sua estratégia de resposta extremamente rápida e coordenada – que inclui a identificação rápida da sequência do genoma. Cientistas chineses já entregaram aos colegas russos o genoma do vírus, com testes rápidos capazes de identificá-lo no corpo humano em duas horas. Uma vacina russia-chinesa está em desenvolvimento.

 

O diabo, é claro, está sempre nos detalhes. Em questão de alguns dias, no auge do período mais congestionado de viagens do ano, a China conseguiu colocar em quarentena um ambiente urbano de mais de 56 milhões de pessoas, incluindo a megalópole Wuhan e três cidades próximas. Isso é absolutamente inédito em termos de saúde pública, em qualquer momento da história.

Wuhan, com um crescimento do PIB de 8,5% ao ano, é um importante centro de negócios para a China. Encontra-se na encruzilhada estratégica dos rios Yangtze e Han e em uma encruzilhada ferroviária – entre o eixo norte-sul que liga Guangzhou a Pequim e o eixo leste-oeste que liga Xangai a Chengdu.

Enquanto o primeiro-ministro Li Keqiang era enviado a Wuhan, o presidente Xi visitava a estratégica província sulista de Yunnan, onde exaltou o imenso aparato governamental para aumentar o controle e os mecanismos de prevenção sanitária para limitar a propagação do vírus.

O coronavírus pega a China em um momento extremamente sensível – após as táticas (fracassadas) da Guerra Híbrida exibidas em Hong Kong; uma ofensiva americana pró-Taiwan; a guerra comercial longe de ser resolvida por um mero acordo de “fase 1” (em fase inicial), enquanto mais sanções estão sendo planejadas contra a Huawei; e até o assassinato do major-general Qasem Soleimani, que visava, em última análise, prejudicar a expansão da nova Rota da Seda (BRI) no sudoeste da Ásia (Irã-Iraque-Síria).

O quadro geral descreve a Guerra da Informação Total e a armação ininterrupta da China como “ameaça” – como um “câncer” agora em metástase, com conotações racistas, como uma ameaça biológica. Então, quão vulnerável é a China?

 

Uma guerra do povo

Há quase cinco anos, um biolab de segurança máxima opera em Wuhan dedicado ao estudo de microrganismos altamente patogênicos – estabelecido em parceria com a França após a epidemia de SARS. Em 2017, a revista Nature alertou sobre os riscos de dispersão de agentes patogênicos fora deste laboratório. No entanto, não há evidências de que isso possa ter acontecido.

Em termos de gerenciamento de crises, o presidente Xi fez jus à ocasião – garantindo que a China lute contra o coronavírus com quase total transparência (afinal, o muro da Internet permanece em vigor). Pequim alertou todo o aparato governamental, em termos inequívocos, que não tente encobrir. Uma página da web em tempo real, em inglês, aqui, está disponível para todos. Quem quer que não esteja fazendo o suficiente, enfrentará sérias conseqüências. Pode-se imaginar o que aguarda o chefe do partido em Hubei, Jiang Chaoliang.

Um post que se tornou viral em todo o continente neste domingo passado afirma: “Nós, em Wuhan, realmente entramos no estágio de guerra do povo contra a nova pneumonia viral”; e muitas pessoas, “principalmente membros do Partido Comunista” foram confirmadas como “voluntárias e observadoras de acordo com as unidades de rua”.

Fundamentalmente, o governo instruiu todos a instalar o applet “Wuhan Neighbours” baixado do WeChat. Ele determina “o endereço de quarentena de nossa casa por meio de posicionamento via satélite e, em seguida, fecha nossa organização comunitária e voluntários afiliados. A partir de então, nossas atividades sociais e anúncios de informações seriam conectados ao sistema. ”

Teoricamente, isso significa que “qualquer pessoa que tenha febre relatará sua condição através da rede o mais rápido possível. O sistema fornecerá imediatamente um diagnóstico on-line, localizará e registrará seu endereço de quarentena. Se você precisar consultar um médico, sua comunidade providenciará um carro para enviá-lo ao hospital através de voluntários. Ao mesmo tempo, o sistema acompanhará seu progresso: hospitalização, tratamento em casa, alta, morte, etc”.

Portanto, aqui temos milhões de cidadãos chineses totalmente mobilizados no que é rotineiramente descrito como uma “guerra do povo” usando “alta tecnologia para combater doenças”. Milhões também estão tirando suas próprias conclusões ao compará-la com o uso de aplicativos para combater a polícia em Hong Kong.

 

 

O quebra-cabeça biogenético

Além do gerenciamento de crises, a velocidade da resposta científica chinesa foi impressionante – e obviamente não é totalmente apreciada em um ambiente de Guerra Total da Informação. Compare o desempenho chinês com o CDC americano, provavelmente a principal agência de pesquisa de doenças infecciosas do mundo, com um orçamento anual de US $ 11 bilhões e 11.000 funcionários.

Durante a epidemia de Ebola na África Ocidental em 2014 – considerada uma urgência máxima e enfrentando um vírus com uma taxa de mortalidade de 90% – o CDC levou pelo menos dois meses para obter a primeira amostra de paciente e identificar a sequência genômica completa. Os chineses fizeram isso em alguns dias.

Durante a gripe suína nos EUA em 2009 – 55 milhões de americanos infectados, 11.000 mortos – o CDC levou mais de um mês e meio para criar kits de identificação.

Os chineses levaram apenas uma semana a partir da primeira amostra de paciente para completar a identificação e o sequenciamento vitais do coronavírus. Imediatamente, eles foram para publicação e depósito na biblioteca genômica para acesso imediato a todo o planeta. Com base nessa sequência, as empresas chinesas de biotecnologia produziram ensaios validados dentro de uma semana – isso também é inédito.

E nem sequer estamos falando sobre a construção agora notória de um hospital de última geração em Wuhan em tempo recorde, apenas para tratar vítimas de coronavírus. Nenhuma vítima pagará pelo tratamento. Além disso, a Healthy China 2030, a reforma do sistema de saúde/desenvolvimento, será impulsionada.

O coronavírus abre uma verdadeira caixa de Pandora em biogenética. Permanecem questões sérias sobre experiências in vivo nas quais o consentimento de “pacientes” não será necessário – considerando a psicose coletiva inicialmente desenvolvida pela mídia corporativa ocidental e até a OMS em torno do coronavírus. O coronavírus pode muito bem se tornar um pretexto para experimentos genéticos via vacinas.

Enquanto isso, é sempre esclarecedor lembrar o Grande Timoneiro Mao Tse-Tung. Para Mao, as duas principais variáveis ​​políticas eram “independência” e “desenvolvimento”. Isso implica total soberania. Como Xi parece determinado a provar que um estado-civilização soberano é capaz de vencer uma “guerra popular” científica, isso não denota exatamente “vulnerabilidade”.

 

Pepe Escobar é analista geopolítico e colunista do Asia Times. Leia seu artigo originalmente publicado em inglês. 

Milena Brandão é psicóloga, expressonauta dedicada que atua no Coletivo de Tradução do Duplo Expresso.

Autores

Facebook Comments

Redação D.E.

Redação do Duplo Expresso - onde "a verdade chega primeiro". Bem... às vezes primeiro, segundo, terceiro e... último! Único! rs

Redação D.E. has 26 posts and counting. See all posts by Redação D.E.