Queda de Cunha: que leitura fazer? Muda o golpe?, por Romulus


Queda de Cunha: que leitura fazer? Muda o golpe?


por Romulus

Atualização às 11:37:

(1) Havia esquecido de colocar a epígrafe que pensei para este post. Com talento quase lírico e a piedade de uma navalha consegue resumir em um tweet (menos de 140 caracteres) muito do que vai abaixo. Trata-se de mensagem enviada a mim durante a sessão do STF pelo leitor/seguidor @jj_berthier:

‪@rommulus_Talvez a vaidade de Barroso não o tenha deixado entender que outro Brasil quer dizer outro STF também.

Fora a epígrafe de que me apropriei, recomendo lerem toda a thread que nos ofereceu Berthier. Entre outras navalhadas líricas, há ainda a seguinte, dedicada ao decano da egrégia Suprema Corte, Min. Celso de Mello:

‪@rommulus_Ouvindo a verborragia tardia de hoje é de se perguntar, min. Barroso, “Meu deus do céu, é esse o guardião da nossa Constituição”?

* * *

(2) Só houve ontem uma coisa mais patética que as longas justificativas de Teori para ter demorado seis meses para (i) conceder a cautelar e (ii) fazê-lo justo nesta semana numa madrugada.

Antes de ir à concorrente mais patética, vejamos “o” momento mais patético das justificativas de Teori:

– Alegar que com a iminência do afastamento da Presidente da República havia um aumento estatístico da chance de Eduardo Cunha assumir interinamente a presidência em viagens internacionais do – quase – Presidente em exercício, Michel Temer.

Não sabia que a estatística tinha tanta relevância na interpretação do Direito, Min. Teori!

O Min. Barroso esqueceu de me ensinar essa técnica de interpretação da Constituição lá na UERJ. Por favor repreenda-o para que seus futuros alunos não padeçam da mesma falha curricular que me atingiu. Afinal, advogados tendem a já padecer de uma dificuldade inata com números…

Pensemos sempre nas futuras gerações, não?

* * *

(3) Vamos então a quem ontem conseguiu executar a dificílima tarefa de ser ainda mais patética e constrangedora que as justificativas no voto do Min. Teori:

– Eliane Cantanhede, ora! (veja aqui)

A sua canhestra tentativa se se apropriar – em favor do golpe – do movimento extemporâneo de Teori é de causar risos.

Para sorte dela há muitos leitores que padecem de leve (?) déficit cognitivo e poderão seguir consumindo suas colunas.

Dou o benefício da dúvida à colunista e vou supor que ela só o escreveu por malícia – e não por sofrer também do tal déficit cognitivo.

Darei o mesmo benefício à Senadora Ana Amélia, PP/RS, que fez questão de ler parte da coluna de Eliane em sua medíocre intervenção na sessão do Senado de debate do relatório do Sen. Antonio Anastasia, PSDB/MG.

* * *

Aliás, quem certamente não sofre de nenhum déficit cognitivo é o Sen. Anastasia. Usou toda a sua competência técnica e intelecto e deu nó em pingo d’água, produzindo um relatório que é formalmente razoável, embora materialmente ridículo.

Sim, porque foi tarefa inglória chegar nele a partir da risível peça acusatória de Janaína Paschoal e dos lamentáveis sofismas dos “especialistas” que foram defender o golpe no Senado na sessão de segunda-feira.

Ficou bastante claro por que a bancada do golpe fez questão de escolhê-lo como relator, mesmo arriscando a arguição da nulidade do seu trabalho por suspeição.

Anastasia ainda conseguiu com base em seu relatório e talento pessoal preparar imediatamente uma réplica para os mortíferos ataques do Min. da AGU, José Eduardo Cardozo, ao seu relatório.

Mesmo não tendo ficado pedra sobre pedra do relatório após a passagem de Cardozo, dou meus parabéns ao Sen. Anastasia por seu esforço pessoal.

Aliás, ficou evidente durante a exposição de Cardozo o olhar de admiração que lhe dirigia Anastasia.

* * *

Vamos ao post de hoje de manhã então?

* * *

Ainda não tenho a leitura do dia de ontem fechada.

Sobre a letargia de Teori, o que o levou à ridícula atitude de conceder uma cautelar na madrugada para um pedido de 6 meses atrás?

Ora, sua inércia e culpa pelo quadro atual seria escancarada na sessão de ontem com a ADPF da Rede.

Mesmo que Gilmar pedisse vista, seria humilhado com a leitura do voto de Marco Aurélio – que sabiamente quis adiar a leitura para “limpar” o esculacho a Teori e ao STF que certamente lá estava.

Barroso, querendo continuar com a ADPF foi sinal estranho. Queria ver o circo pegar fogo no STF com o voto-bomba de MAM, o bate boca com Gilmar e o escândalo de ele pedir vista?

Com que propósito? Algo a ver com “o novo Brasil” de sua fala? O que ele está disposto a fazer para entregar esse Brasil ao estudante que cobrou dele um “novo Brasil”?

Seja o que seja, passo a conta-lo como mais próximo do bloco que quererá intervir no golpe.

O golpe será barrado por esse STF de hoje? Mais ativo, ousado e disposto a ignorar as questões “interna corporis” dos outros poderes?

Não sei. Desconfio que hoje ninguém sabe.

* * *

Cunha já mandou seu recado para Michel Temer através da imprensa. Disse que se ele cair, o impeachment “fica prejudicado”.

Tradução: se vira pra me cobrir senão te trago junto!

Havia notícias ontem de que hoje Moro investiria contra sua esposa e filha.

Se isso de fato ocorrer, será prova de que Curitiba não está NESTE golpe- o golpe político parlamentar. Está noutro GOLPE: o das corporações e concursados apenas.

Esses dois golpes são distintos mas se aliam ocasionalmente quando tem objetivos comuns.

O primeiro desses objetivos era derrubar o governo, depois Lula e finalmente o que sobrar do PT/esquerda/movimentos sociais.

Se Moro de fato investir conta os Cunha antes da votação no Senado, significa que o juiz já implode o consórcio antes mesmo da fatura do impeachment estar liquidada.

Qual seria a reação de Cunha a tudo isso?

Poria em risco a conclusão do golpe?

Há tempo para isso?

* * *

Muita gente falava – eu inclusive – que o que ocorreu com Cunha compra o resto do álibi que faltava ao PGR para a investida final contra Lula. A primeira parte foi indiciar Aécio.

Acredito sim que ele vá tentar algo.

Mas o STF vai embarcar?

Pelo Tsunami de indiciamentos ele deixou claro que não quer só Lula (que alguns Ministros do STF estão dispostos ou querem lhe dar).

Janot quer um genocídio político:

– Erradicar o PT e grosso modo a esquerda.

Ministros do STF são espertos.

Vão embarcar nessa tentativa de genocídio?

* * *

Como podem ver, muita coisa em aberto.

As coisas ficaram ainda mais incertas.

Quem souber qual o bloco majoritário no STF para essas questões em aberto tem a resposta.

* * *

Aliás, era visível o cansaço físico de Barroso.

Não posso esquecer que ele é alguém que “nasceu de novo” há poucos anos. Fora desengano pelos médicos em 2012 com um câncer raro e agressivo. Já se despedia deste mundo e dos seus, fazendo a sua paz.

Uma última tentativa de tratamento experimental nos EUA inesperadamente o salvou.

Depois disso ele chega ao local que ambiciona há décadas: o STF.

Pode ser ingenuidade minha, pois nem sempre isso se confirma (vide comportamento de Roberto Jefferson em seu “retorno triunfal” nesse episódio do impeachment), mas tendo a achar que a pessoa que é forçada a fazer um balanço da vida com o fim absoluto batendo à porta tende a, se ficar, passar a dar menos importância a coisas menores e a focar nas maiores. Principalmente no seu legado e em que ele vale para as novas gerações.

Para mim, a pessoa tende a tirar o foco de sua dimensão individual e a avaliar como a sua vida se encaixa na História.

Ficaria menos egoísta – em sentido estrito e em sentido lato.

Lembro-me, p.e., da tardia conversão de Teotônio Vilela à oposição à ditadura, virando um dos símbolos das diretas enquanto era internamente devorado por um câncer.

Digam…

– É ingenuidade minha ou se aplica à maioria das pessoas que batem na trave e voltam pra este lado da existência?

Acha importante o nosso trabalho? Fácil - clique no botão abaixo para apoiá-lo:

Facebook Comments

Romulus Maya

Advogado internacionalista. 10 anos exilado do Brasil. Conta na SUÍÇA, sim, mas não numerada e sem numerário! Co-apresentador do @duploexpresso e blogueiro.