A “mandata” das deputadas

Luiz Carlos de Oliveira e Silva (Professor de Filosofia)

  1. Depois da minha crítica de ontem, eu soube que o uso do termo “mandata” para se referir a mandatos parlamentares exercidos por mulheres é generalizado no PSOL…
  2. Em postagem sobre o “politicamente correto”, de 28 de janeiro de 2016, eu dizia que “quem ridiculariza o politicamente correto, apegando-se a ocasionais exageros, precisa pensar melhor no assunto.”
  3. Mudei de opinião? Acredito que não… Continuo considerando, como disse na postagem citada, que “a linguagem também é um campo de luta política, por ser um mecanismo de construção de realidades sociais”.
  4. Marx e Engels, na “Ideologia Alemã”, destacaram, adequadamente a meu ver, a interdependência existente entre linguagem e consciência. Observemos a seguinte passagem: “A linguagem é tão antiga quanto a consciência – a linguagem é a consciência real, prática, que existe para os outros homens e que, portanto, também existe para mim mesmo; e a linguagem nasce, tal como a consciência, do carecimento, da necessidade de intercâmbio com outros homens.” [Tradução da edição da Boitempo, 2007, pp. 34-35]
  5. Vejamos um luminoso exemplo da importância política da fórmula “linguagem é consciência prática”: quando se deixa de falar “escravos” e passa-se a falar “escravizados” há um claro e imediato ganho de consciência sobre o fenômeno da escravização (reparem: eu não falei “escravidão”!) e da sua permanência como racismo.
  6. São nestes termos que devemos colocar, segundo penso, esta questão do “politicamente correto” na linguagem. Pergunto: o uso do termo “mandata” por mulheres parlamentares no lugar de “mandato” está em consonância com o princípio de que a “linguagem é consciência prática”, ou tudo não passa de uma forçação de barra tola, de efeitos de superfície, de exotismo cujo único objetivo é “causar”?
  7. Trata-se de uma pergunta retórica, já que eu não tenho dúvida quanto à resposta…
  8. Fato é que, me parece, “causar” ocupa o centro da ação política de não poucos grupos identitários. Esta ação tem dois objetivos: fazer com que a bolha esteja cada vez mais coesa, mais fechada em si, mais homogênea – de preferência com um idioma próprio! – e fazer com que os fora da bolha estejam cada vez mais distantes.
  9. Como não reconhecer que há um gozo narcísico na insistência em “causar” e um gozo perverso em “cancelar” os críticos do feminismo linguístico “à outrance”?
  10. Do modo como eu vejo as coisas, digo que é preciso chamar a atenção para a diferença entre ver a linguagem como um campo de luta política e os exotismos que só querem “causar” para manter a bolha coesa e feliz, ainda que alienada.

_______________________________________

Siga o Duplo Expresso em várias plataformas:

Canal do DE no Telegram

Grupo de discussão no Telegram

Canal Duplo Expresso no YouTube

Romulus Maya no Twitter

Duplo Expresso no Twitter

Romulus Maya no Facebook

Duplo Expresso no Facebook

Romulus Maya no Linkedin

Romulus Maya no Mastodon

Grupo da Página do DE no Facebook

Romulus Maya no Instagram

Romulus Maya no VK

Duplo Expresso no Twitch

Áudios do programa no Soundcloud

Áudios no Spotify

Áudios na Rádio Expressa

Link para doação pelo Patreon

Link para doação pela Vakinha

Autores

Facebook Comments

Redação D.E.

Redação do Duplo Expresso - onde "a verdade chega primeiro". Bem... às vezes primeiro, segundo, terceiro e... último! Único! rs

Redação D.E. has 19 posts and counting. See all posts by Redação D.E.