O roteiro para o fim da Petrobrás já está pronto e em andamento

Próxima a completar 67 anos de existência, a Petrobrás sofre hoje a maior ameaça à sua sobrevivência em sua história.

Administrada por financistas obedientes ao capital internacional, cuja visão rentista despreza a importância da empresa para o desenvolvimento da nação e que contam com o apoio irrestrito de uma mídia hegemônica despudorada, comprometida com interesses externos, que para atingir seus propósitos e capaz de transformar mentiras absolutas em verdades, para a opinião pública brasileira. Tudo acompanhado de perto por uma elite espúria e incompetente, que se sente mais confortável com um país colônia, submisso e sem soberania sobre o seu próprio destino.

MENTIRAS ABSOLUTAS E ESCANDALOSAS

A Petrobrás anunciou recentemente (19/02) com euforia o lucro de R$ 40 bilhões obtido no exercício de 2019. Seu presidente, Castello Branco, em mensagem bradou orgulhoso “O maior lucro da história da companhia”

Quanta sordidez. Basta dar uma olhada no Balanço publicado; não é necessário ser um especialista para verificar que o resultado foi obtido com o “lucro” de R$ 24 bilhões, pela venda de ativos (com destaque para a TAG) e de R$ 14 bilhões, com a venda do controle da BR Distribuidora. Mesmo assim a empresa distribuiu mais de R$ 10 bilhões aos acionistas.

Interessante como a mídia hegemônica não percebeu a importância do fato, tendo feito apenas pequenos ou nenhum comentário. E o mercado ? Bem, o mercado aplaudiu não o resultado, mas a distribuição de dividendos. Para o mercado dividendo é sempre bom, venha ele de lucro ou de venda de ativos.

Excluidos estes efeitos (venda de ativos e da BR) o resultado foi , com certeza, um dos piores da história da companhia.

Mais recentemente (29/02) foi divulgado o resultado em dólares, tendo a empresa registrado um lucro equivalente a US$ 10,2 bilhões, da mesma forma puxado pela venda de ativos ( US$ 6,7 bilhões) e do controle da BR Distribuidora (US$ 2,4 bilhões) . Portanto, para efeito de comparação, o resultado em 2019 foi de US$ 1,1 bilhão (10,2 – 6,7+2,4)

Em sua mensagem o presidente também destaca um importante aspecto financeiro:

“os desinvestimentos e a forte geração de caixa operacional – um valor recorde de US$ 25,6 bilhões – permitiram a redução da dívida em US$ 24 bilhões.”

O que será que ele entende por “recorde” ? Se levantarmos a geração de caixa operacional da companhia nos últimos anos temos o seguinte:

Petrobrás – Geração de caixa operacional – US$ bilhões

2011    2012     2013      2014      2015     2016    2017     2018    2019
33,7     27,0      26,3       26,6      25,9      26,1     27,1      26,4     25,6

De fato o presidente tem razão. Foi recorde de pior geração de caixa operacional dos últimos 9 anos (pelo menos).

Tanta mentira e ninguém questiona ?

Notem que no período (2011/2014) em que mídia hegemônica dizia que a empresa estava à beira da insolvência, causada pela corrupção e pelo subsidio ao mercado interno, ela obtinha as maiores gerações de caixa operacional.

OUTROS DADOS FINANCEIROS

Se são capazes de contar tantas mentiras, imaginem o que eles não ocultam.

Um importante indicador da saúde financeira de uma empresa é a liquidez corrente (divisão do ativo corrente pelo passivo corrente) que mostra a capacidade da sociedade cumprir com seus compromissos de curto prazo ( um ano ). Quanto maior o indicador mais tranquila é a situação financeira da empresa.

Petrobrás– Liquidez corrente

2010   2011   2012   2013   2014  2015   2016   2017   2018   2019
1,9       1,8     1,7      1,5     1,6     1,5      1,8     1,9      1,5     0,97

Outro recorde de Castello Branco, a pior liquidez corrente da história. Notem que no período (2010/2014) em que diziam que a companhia passou por problemas financeiros, foram obtidos os maiores índices.
Casttello Branco conseguiu, pela primeira vez na história, reduzir a liquidez corrente da Petrobras para menos de 1,00.

Isto significa dizer que a empresa está com capital de giro negativo (ativo corrente – passivo corrente). No jargão contábil “está vendendo o almoço para comprar a janta”

De menor importância mas que também mostra o nível de conforto financeiro de uma empresa temos o seu saldo de caixa.

Petrobrás – Saldo de Caixa US$ bilhões

2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019
17,7  19,1  13,6  15,9  16,7  25,1 21,2  22,5  13,9   7,4

Novo recorde, o menor caixa da década. Para quem sempre afirmou que a empresa passou por sérios problemas financeiros, o que dizer do momento atual ?

ASPECTOS ECONÔMICOS

Dados Petrobrás                     2011     2013    2018    2019

Lucro US$ bilhões                    20         11        7        1,1*

Remuneração acionistas

Preço corrente $ bilhões**        12        9,3        7       10,5

Remuneração acionistas

Preço 2019 R$ bilhões             18,3      12,5     7,3      10,5

*excluindo venda de ativos
**dividendos e juros sobre capital próprio

Vejam como no período em que a companhia trabalhava em favor da população brasileira os lucros eram maiores e a remuneração dos acionistas também.
Vale lembrar também a queda na receita liquida no período mesmo com os preços internos calculados em US$ – PPI .

Dados Petrobrás                     2017   2018    2019
Receita Liquida US$ bilhões     88,2     84,6    76,6

RELEVANCIA DA EMPRESA

Alguns dados que mostram a importância da Petrobrás para a economia brasileira

Dados Petrobrás                           2011    2013    2018    2019
Empregados mil                            81,9     86,1     63,4    57,9
Investimento US$ bilhões               43        45        13      10,7
Gastos com pesquisa US$ bilhões   1,5       1,1       0,6         *

*ainda não disponível

O QUE ESTÁ ACONTECENDO ?

A venda de ativos imprescindíveis (NTS, TAG, BR Distribuidora etc) aliada a uma política de preços de autoflagelo, chamada de Preço de Paridade de Importação- PPI desmontaram o equilíbrio e conforto financeiro que a companhia mantinha há muitos anos.

É oportuno salientar a política de preços (PPI) pois a maioria dos brasileiros e também dos petroleiros, acredita que os preços estabelecidos pela Petrobras em suas refinarias tem como base apenas os preços internacionais. Esta crença foi difundida pela administração da empresa e pela mídia à partir de 2016 para iludir a população brasileira.

Na realidade o Preço de Paridade Internacional – PPI, considera o preço internacional do produto(diesel, gasolina e gas) fora do Brasil, acrescenta os gastos com frete até um porto brasileiro, soma os gastos com internação(portuários, alfandegários etc), adiciona um seguro para garantir a estabilidade cambial e do preço do produto durante o tempo de importação e ainda atribui um lucro. Entenderam ? Portanto .

PPI = custo de importação + lucro

Com esta política a companhia permite que seus concorrentes no exterior vendam seus produtos no Brasil, tomando mercado da própria Petrobrás. Ou seja, é a Petrobrás fazendo caridade para seus concorrentes.

Uma verdadeira jabuticaba venenosa, que não existe e nunca existiu em lugar nenhum do planeta.
Mas os acionistas não reclamam desta situação?

Não porque de um lado, os acionistas brasileiros mal conhecem o que é PPI e seus efeitos nocivos.

Acreditam no que é informado pela mídia hegemônica.

Recentemente, em editorial, um “jornalão” defendeu a excrescência chamada PPI. No passado, este mesmo “jornalão” primeiro divulgou que o pré-sal não existia e depois que a Petrobrás não tinha tecnologia e por fim que estava quebrada. Mentira absoluta como vimos nos dados financeiros da companhia expostos acima.

Por outro lado os acionistas estrangeiros não tem o que reclamar, pois são também sócios das empresas estrangeiras que se beneficiam com a jabuticaba venenosa.

E EM 2020 A SITUAÇÃO MELHORA?

Pelo contrário, a tendência é piorar ainda mais. A empresa está completamente desestruturada e o resultado depende de venda de ativos. Por isto a pressa em vender as refinarias. Se isto não ocorrer há chance da companhia apresentar prejuízo em 2020, e é muito grande, a não ser que o preço do petróleo suba tanto que a venda de óleo crú resolva o problema.

Os indicadores financeiros tendem a piorar

E APÓS 2020, QUAL É O CENÁRIO ?

A Petrobras acaba de adquirir o direito de exploração de petróleo no chamado excedente da cessão onerosa.

O Plano de Negocios e Gestão – PNG 2020/2024 da companhia prevê investimentos da ordem de US$15 bilhões/ano no período, o que indica que não estão previstos investimentos para produção na área recém adquirida, pois isto exigiria volumes muito maiores de recursos.

O engenheiro Fernando Siqueira, diretor da Associação dos Engenheiros da Petrobras-AEPET em recente artigo sobre a compra pela Petrobrás dos direitos de exploração do excedente da cessão onerosa salienta ,
“favorecida pelo fato de seu consórcio concorrer sozinho e dar um percentual de óleo lucro de apenas 23% para a União, contra 80% cobrado pelos países exportadores de petróleo.

Nossa preocupação agora é com a possibilidade do cartel do petróleo estar preparando a compra da Petrobras com todo este acervo de reservas e de tecnologia.

Se não, como explicar a não participação das multinacionais em uma oferta desta importância ? “

O especialista Nick Cunningham explica:

“Desde de 2010, as cinco maiores empresas petrolíferas gastaram muito mais do que geraram ao incluir pagamento aos acionistas. ExxonMobil, BP,Chevron, Total e Royal Dutch Shell distribuíram US$ 536 bilhões em dividendos e recompra de ações desde 2010, um número que excede em muito os US$ 329 bilhões em fluxo de caixa livre no mesmo período”

“Essa prática reflete uma fraqueza subjacente nos fundamentos dos modelos contemporâneos de negócios de petróleo e gás : as receitas das operações das grandes petroleiras não estão cobrindo suas principais despesas operacionais e gastos de capital”

“Dividendos generosos e recompras de ações dão às empresas a aparência de desempenho financeiro confiável, quando, nesse caso, o oposto é verdadeiro”

Enquanto isso, a ExxonMobil não está desacelerando, gastando em níveis agressivos, enquanto perfura o Permiano e tenta acelerar suas descobertas de petróleo na Guiana.

Segundo o Citigroup “A ExxonMobil precisaria que os preços do petróleo fossem negociados a cerca de US$ 100 o barril para que a empresa pagasse todos os seus gastos e também cobrisse os pagamentos dos acionistas”

Em situação desesperadora as petroleiras internacionais precisam aumentar suas reservas para sobreviver.
A Agência Internacional de Energia – AIE afirma :

“O uso de óleo em carros de passeio atinge o pico no final da década de 2020 e, durante a década de 2030, a demanda aumenta em apenas 0,1 mb/dia em média a cada ano. Mas não há um pico definitivo no uso de petróleo em geral, pois há aumentos contínuos em petroquímicos, caminhões e nos setores de transporte e aviação”

Considerando que os grandes investidores internacionais (BlackRock, Vanguard, JPMorgan etc) estão fortemente presentes no capital das grandes petroleiras e também na Petrobrás, podemos entender que, do ponto de vista deles, seria muito mais interessante ver todo o acervo da Petrobrás (reservas, refinarias do sudeste e tecnologia) transferidos para as petroleiras internacionais.

Existem dois aspectos fundamentais : as petroleiras internacionais conseguem captar recursos a custo quase zero, o que não acontece com a Petrobrás, tornando os investimentos muito mais baratos. Por outro lado as petroleiras internacionais tem muito mais liberdade na distribuição de dividendos (mesmo que de forma suicida) do que a estatal brasileira, sendo mais atraente aos investidores.

Hoje, o ambiente no governo e na administração da Petrobrás é plenamente favorável à atuação dos grandes investidores.

Países como a Grã-Bretanha e a Alemanha criaram fundos bilionários para defender suas empresas da ação pedratória destes investidores. No Japão as leis societárias não permitem a entrada destes investidores. No Brasil eles sequer são percebidos, e atuam livremente com lobistas agindo no governo e no Congresso.

Sabendo que o Secretário Especial de Desestatização, Salim Matar, já falou que a Petrobrás precisa ser privatizada sem alarde, sem que o povo perceba, e o presidente da empresa, Castello Branco disse que sonha com a privatização da companhia, não é difícil imaginar para onde estamos indo.

E O QUE OCORRERIA COM A PETROBRÁS ?

A Petrobrás encerraria suas atividades. Seria fechada. Sairia da vida para entrar na história.

E O QUE OCORRERIA COM O BRASIL ?

O Brasil continuaria a ser colônia, como desejam os administradores financistas da Petrobras, a mídia hegemônica despudorada e nossa elite espúria.

Cláudio da Costa Oliveira – Economista aposentado da Petrobrás

*

*

*

Canal do DE no Telegram: https://t.me/duploexpresso
Grupo de discussão no Telegram: https://t.me/grupoduploexpresso
Canal Duplo Expresso no YouTube:
https://www.youtube.com/DuploExpresso

Áudios do programa no Soundcloud: https://soundcloud.com/duploexpresso
Link para doação pelo Patreon: https://www.patreon.com/duploexpresso
Link para doação pela Vakinha: https://www.vakinha.com.br/vaquinha/643347
Duplo Expresso no Twitter: https://twitter.com/duploexpresso
Romulus Maya no Twitter: https://twitter.com/romulusmaya
Duplo Expresso no Facebook: https://www.facebook.com/duploexpresso/
Romulus Maya no Facebook: https://www.facebook.com/romulus.maya
Grupo da Página do DE no Facebook: https://www.facebook.com/groups/1660530967346561/
Romulus Maya no Instagram: https://www.instagram.com/romulusmaya/
Duplo Expresso no VK: https://vk.com/id450682799

 

Acha importante o nosso trabalho? Fácil - clique no botão abaixo para apoiá-lo:

Facebook Comments