“Lula livre”: quem o libertou? Está (mesmo) livre? Se não, como liberta-lo? (junto com o Brasil)

Por Piero Leirner

“Até Bolsonaro” já sacou o óbvio. Em outubro ele disse, no Facebook:

“Uma PEC pode mudar qualquer artigo da Constituição? Não! Os dispositivos da CF [Constituição Federal] que estão em capítulos de cláusulas pétreas somente poderão ser alterados numa nova Assembleia Nacional Constituinte”.

Pois bem. A gente sabe duas coisas: 1) o STF alavancou TUDO o que se passou de 2014 até aqui. Ele é tutelado por quem manda de fato, os militares; 2) não houve nenhum tipo mudança estrutural na correlação de forças até agora: a) o projeto de entrega do Brasil segue adiante, sem enfrentar maiores problemas; b) o projeto de fechamento do regime também segue adiante, e a assim chamada oposição ainda colabora, silenciando; c) os alinhamentos internacionais que o Brasil fez continuam os mesmos; d) nada mudou no plano ideológico, tudo está onde sempre esteve.

Se está tudo assim, então cabe também notar que Lula saiu por vontade das forças constituídas.

 

Notem a frase de Bolsonaro: “uma nova Assembleia Constituinte”. Essa era a vontade de Mourão durante a campanha, quem se lembra?

Fato é que está se analisando “mudanças no jogo eleitoral” e até se vaticinando um aumento ideológico da “polarização”, sem sequer saber o que Lula vai fazer.

O que eu aposto? Eu não vejo porque o conjunto de forças constituídas teria que fazer um recuo se eles estão ganhando todas. Medo do “efeito Chile”? Pelo contrário: se vier, agora já se tem alguém para jogar o peso nas costas.

Tenho para mim que há um cálculo qualquer aí. São “N” possibilidades. Se uma nova prisão por “promoção de distúrbios na ordem pública”, e aí jogam ele no DF junto com Marcola e finalmente costuram a suposta “aliança PCC-PT” (vejam, eles estão plantando isso desde 2009, e essa gente não tem limites); até enunciar maluquices como Lula ser culpado da disparada do dólar e pela volta da inflação (ontem todos os jornais já ensaiaram isso).

Mas é preciso ter em mente também que há margens. Lula tem uma enorme capacidade de agenciamento, e pode e fazer coisas para sair do script que está montado.

Eu vejo uma boa brecha na chegada de Putin e Xi semana que vem. Se achamos que esse é um jogo que mobiliza peças que estão fora do plano doméstico, é por aí que se começa a desequilibrar o jogo. Basta um encontro, não gravado, não grampeado. Quem sabe, numa embaixada. Seria, no mínimo, um bom termômetro.

Na minha opinião, se Lula ficar apenas nessa história de “organizar a esquerda”, então já perdeu. Não é falta de organização o problema dela: é infiltração. E assim voltamos ao começo dessa postagem. O clamor por uma constituinte.

Como temos insistido, o projeto é um outro desenho do Estado. E isso não se faz só com emendas ou remendos. E a tentação de “alas jurídicas” de um certo partido vai ser grande. Por isso mesmo, olho nas eleições para Presidência do PT daqui alguns dias. Pode ser um balão de ensaio dos cálculos feitos pelo chanceler Palpatine [General Heleno].

*

Nota D.E.: Perfeito, Piero Leirner. Até aqui o script do “Palpatine” segue perfeito. Até com “queda da bolsa e alta do dólar”, como previmos — com meses de antecedência.

 

 

 

 

Lula saiu ontem cercado pelo “PT Jurídico”: Wadih, Emidio, etc.

 

 

A ver…

Mas teremos outro bom indicador, Piero: Lula vai pautar “Patriot Act” Tabajara?

 

 

(Francisco Monteiro é dirigente do PSOL)

*

Resumão D.E.:

A hipótese mais provável é a de que Lula será mandado de volta para a cadeia, mas em isolamento. Seja em um presídio federal de segurança máxima, seja num quartel (“sala de Estado maior”), por ter sido chefe das Forças Armadas.
Alguns no entorno de Lula sabem que se trata de uma armadilha. Alertados, instruíram-no a recusar a “progressão de regime”, no início de outubro.
Deve ser por isso que os advogados de Lula insistiram na nota que soltaram ontem que o foco deles continua no julgamento do Habeas Corpus de Lula na Segunda Turma do STF, em que se alega a parcialidade de Moro. E que teria como resultado a necessidade de anulação das duas condenações já existentes (Caso “Triplex”; Caso “Sítio em Atibaia”). Zeraria o jogo.
Mas com a libertação de Lula nesta semana por via oblíqua (julgamento de uma ação constitucional genérica sobre execução provisória da pena após confirmação da condenação em segunda instância), o julgamento desse recurso específico de Lula — desconstitutivo das condenações existentes (zerando o jogo) – foi para as calendas.
Então, com uma futura alteração legislativa constitucionalizando a prisão após condenação em segunda instância (que já começou a andar no Congresso ainda na sexta-feira), Lula volta para a cadeia, já com a segunda condenação (Caso “Sítio de Atibaia”) confirmado em segunda instância (TRF-4). Esse julgamento está marcado para este mês ainda!
*
Fechamento do regime: a palavra ubíqua, desde sexta-feira passou a ser “terrorismo”, associando-a a Lula e ao PT (ver tuite do Principe de Orleans e Bragança e de Joice Hasselmann, ambos deputados federais da base do governo, abaixo).
Na hipótese de mandarem Lula para um presídio federal, podem envia-lo para o de Brasília, como sugeriu Piero, onde estrategicamente foi colocada toda a liderança do PCC desde fevereiro deste ano (ver o artigo sobre o assassinato de Marielle Franco). Como sabemos, o PCC está acertado com os Generais e com a Juristocracia — e, acima de todos, o Deep State — para estabelecer a “Pax do Evangelistão do Pó“. Daí imaginemos que eles ordenem um novo “Salve geral” (como o de 2006), com ataques “terroristas” não mais apenas em SP mas por todo o país.
Em vez de ser pendurado nos Generais, esse “ataque terrorista” (de falsa bandeira) poderia ter Lula como “contratante”. Como lembrou Piero, os Generais tentam associar o PCC e o PT há mais de década, lá no “Defesanet”. Bem como “FARC, Hezbollah e bolivarianos”.
A turma de Moro já vazou algo nesse sentido neste ano, usando Fausto Macedo no Estadão, seu vazador oficial desde os tempos de Lava Jato.

Com ataques do PCC e/ ou “caos” causado por apoiadores de Lula revoltados com sua volta à prisão, o Governo decreta uma operação de GLO (Garantia da Lei e da Ordem) e aprova a toque de caixa o “Patriot Act” Tabajara, diante da “comoção social” com o “terrorismo” associado ao “crime organizado”.
Para colocar ainda mais gasolina, por esta altura a Finança já deve ter estourado a bolha tanto do Real como da Bovespa, fazendo com que a classe média sinta-se empobrecida da noite para o dia e, de fato, perdendo parte significativa de suas poupanças (que foi diligentemente desviada da renda fixa para a Bolsa ao longo do ano). Barril de pólvora.

*

*

*

A tentativa de fraude da pinça PIG–PIGuinho Vermelho:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Bis:

 

 

*

Glenn Greenwald: um “limited hangout” — como sempre foi (C.Q.D.)

 

*

A “intelectualidade”

 

 

 

(Bernie Sanders tem seus “pontos de alavanca”, explorados então pela máquina Clinton)

*

Daquele que disse que “o PT tem que virar a página (da narrativa de) ‘golpe'”:

 

*

O “bate e volta” penitenciário:

 

 

 

 

 

*

O “terrorista” (e o “Patriot Act” Tabajara):

 

 

 

 

 

De novo: para frustração desses aí, com “Patriot Act” Tabajara não precisa de tanque na rua. Mais: esses “nacionalistas pela intervenção” serão “traídos” de novo, certo? (aff…)

*

As opções na prancheta do General Heleno:

 

Confira:

 

 

 

Acha importante o nosso trabalho? Fácil - clique no botão abaixo para apoiá-lo:

Facebook Comments