Amadorismo, Ingenuidade ou Cumplicidade?

Aqui o extrato do comentário de Thais Moya no Duplo Expresso de 12/mar/2019:

 

Por Thais Moya, para o Duplo Expresso:

A mídia, em especial, o jornalismo (Globo, Estadão, Folha e afins) passou as últimas décadas demonizando a Esquerda, o PT e Lula, com enorme êxito. Infelizmente, durante esse ataque sem trégua, Lula e Dilma acarinharam e alimentaram ($$$) muito bem as feras.

Resultado? O Golpe e seus desdobramentos: Bolsonaro e suas sandices.

Bolso e sua equipe são frutos dessa mídia sórdida e sabem muito bem disso. E, exatamente por isso, se blindaram. Ou seja, assumiram o governo com racionamento de verba$ publicitária$ e, principalmente, demonizam a mídia; o que afasta e neutraliza qualquer denúncia oriunda de jornalistas.

Pela primeira vez, mesmo que por vias tortas, a população olha para a imprensa com olhos críticos, questiona a pretensa neutralidade dela, enxerga que há objetivos políticos em cada publicação.

O que a Esquerda faz? Usa esse momento para qualificar o fenômeno e lançar luz para o que a mídia fez com Lula e toda agenda política em torno dele? Lança uma campanha educativa nas bases e nas periferias acerca da manipulação da mídia, e como a mesma trabalha para Finanças contra o povo?

NÃO!

Ao contrário: Na primeira oportunidade de grande escala, a Esquerda abraça Estadão e O Globo, neutraliza todo o histórico e sai em defesa de seus jornalistas. Os mesmo que, até ontem, eram acusados de cúmplices do Golpe.

Em outras palavras, Gov. Bolsonaro blindou-se da mídia e empurra ela pra cima da gente. O que políticos e mídias esquerdistas fazem? Abraçam o capeta e fazem ciranda[DE1] com ele.

Ou seja, para o povo, que observa o baile de longe e com desconfiança, são obviamente dois demônios dançando juntos: Esquerda e mídia.

Até Zé de Abreu, a bobagem que muitos acreditam ser a maior oposição da atualidade, já se solidarizou com a mídia difamada pelo governo.

Entendem por que a Direita está dando um baile em nós?

Eu só não sei ainda se é ingenuidade, amadorismo ou cumplicidade de boa parte das lideranças e mídias progressistas.

 


* Thaís Moya é doutora em Sociologia com pós-doutorado em Ciências Sociais, além de comentar todas as terças-feiras no Duplo Expresso.

• • •

DE1 – Lula é do interior pernambucano. A ciranda é uma música e dança deste mesmo estado, mas do litoral. Da  Ilha de Itamaracá, para atender uma precisão geográfica. Entretanto, a Esquerda brasileira não pode ficar apenas dando-se as mãos, fazendo roda, criando hashtags e entoando cantilenas repetitivas enquanto espera seu líder voltar do mar. Esse mar que miram enquanto rodeiam é mais impreciso que a tontura que provocam…

Acha importante o nosso trabalho? Fácil - clique no botão abaixo para apoiá-lo:

Facebook Comments