Chile: Entre o coronavírus, a mentira, a fome e os protestos sociais

Por Alejandro Acosta

A pandemia de Covid-19 parece ter interrompido o curso da rebelião desencadeada no final de 2019. A classe dominante chilena, depois de manobrar sem sucesso para conter o curso das lutas, finalmente encontrou na pandemia o pretexto para reforçar o controle político, parte de um estado que já é herdeiro das práticas repressivas do pinochetismo. Mas a operação consensual entre o piñerismo e os antigos partidos da Concertación colide com a revitalização das lutas. As mentiras de Piñera colocam gasolina no fogo.
A Rebelião Popular que começou em outubro deixou claro o “modelo chileno” e expôs uma realidade que vínhamos denunciando há anos. O modelo teve que explodir com o grito de dignidade e logo depois de caminhar a realidade que estava muito bem escondida com a publicidade de um modelo de sucesso veio à luz: estamos com fome!
Essa realidade tornou-se totalmente visível após o desenvolvimento da pandemia da covid-19. Naturalmente, o sistema faz o que sempre faz, que é proteger a ditadura dos empresários e abandonar o povo à sua sorte. Meses antes, em meio à rebelião, políticos de todas as cores correram para assinar um acordo para ocultar as demandas populares e salvaguardar o sistema, prometendo reformar a constituição e fazer algumas mudanças. Mas, é claro, mudanças e reformas controladas pelo mesmo de sempre: a classe burguesa dos negócios aliou-se e subordinou-se ao grande capital transnacional.
A chegada da pandemia não fez nada além de mostrar a verdadeira face um do outro, quando empresários e políticos se uniram sob a ideia de que a economia deveria continuar com a marcha, mesmo às custas da vida de milhares de chilenos, como disseram publicamente líderes empresariais e empresários.
O governo Piñera imediatamente tomou medidas para salvaguardar os lucros dos empresários e correu para aprovar leis e decretos apoiados, principalmente pela chamada “oposição” (na verdade deveria ser chamada de “colaboração”) e transferiu enormes recursos econômicos de todos os países. Chilenos para empreendedores.
Sim, o “Piñeravírus” é mais mortal que o coronavírus …

Ouça o artigo no player abaixo e na Rádio Expressa:


Entre a fome e o coronavírus

Mais que Piñera, porém, o responsável é uma elite política no Chile que administra as instituições de Pinochet há pelo menos 30 anos, dentre as quais socialistas e democratas-cristãos e a Frente Ampla. É por isso que, quando Michelle Bachelet aparece criticando a resposta à política de saúde pública de Sebastián Piñera, ela procura ignorar uma realidade que ela, como Ministra da Saúde de Lagos e Presidente do Chile, em duas ocasiões, ajudou a produzir. A falta de honestidade, hipocrisia e oportunismo da elite política como um todo é brutal. Devemos dizê-lo com todas as letras: não há diferença entre Frei, Lagos, Piñera ou Bachelet.
A tensão causada pelas grandes mobilizações gerou a reação das elites políticas que mascararam todas as crises nos últimos 40 anos, incluindo a atual crise da saúde. E enquanto todo o Chile clamava por uma paralisação de atividades para interromper a curva ascendente, essa elite política levantou o conceito de “retorno à normalidade”
A verdade está começando a olhar para fora.
O verdadeiro número de mortos pela pandemia no país foi evidenciado quando a jornalista Alejandra Matus, através de sua conta no Twitter, publicou um documento que revelava as mortes escondidas por trás do número oficial. Entre 3 de março e 29 de abril, o Registro Civil registrou 4.201 mortes por “doenças respiratórias”. Enquanto o Ministério da Saúde –Minsal – reconhece 209 mortes de Covid-19. “Dados do Cemitério Geral revelam um aumento de 80% nas mortes por causas respiratórias entre março de 2019 e março de 2020 e 24% até abril de 2019 – 2020. Os enterros por covid-19 naquele período foram apenas 20, ou seja, 12% das causas respiratórias registradas em certificados oficiais”, disse a jornalista.
Na última sexta-feira, o CIPER tornou pública a investigação que revelava as mentiras do governo com a cumplicidade da elite política e que era um segredo aberto: o número de mortos e infectados que o governo tem reportado à OMS é muito maior do que relatado todos os dias por porta-vozes oficiais ao público. Desde muito cedo no sábado, denunciamos essa situação junto a milhares de chilenos e, finalmente, o representante da burguesia de plantão em La Moneda teve que ceder e o “médico da morte”, como é conhecido o ex-ministro da Saúde Jaime Mañalich foi obrigado a renunciar.

Mañalich com Piñera

A renúncia de Mañalich mostrou a profundidade da crise no governo que foi forçado a trocar vários ministros nas últimas semanas, mas também destaca a podridão de um sistema jurídico-político, econômico e social sustentado na morte, corrupção, mentiras e a repressão mais letal contra a população indefesa.
A crise do sistema chegou a tal ponto que, mesmo com todas as evidências sobre o desempenho criminal do ex-ministro, a chamada oposição dentro do parlamento vai apenas  “estudar” a possibilidade de uma acusação constitucional.

O pior rosto do “neoliberalismo”
Depois de três meses desde o primeiro caso relatado no Chile, foram registados 174.293 infectados e 3.323 pessoas morreram, na primeira quinzena de junho de 2020. É evidente, à luz das novas investigações, que esses números não estão relacionados aos reais; e será muito difícil obter dados reais que confirmem o número total de mortes. O governo e o sistema os escondem, porque revelam a crise total do sistema de saúde, mantida tanto pela agora oposição Concertación, quanto pela direita que hoje encabeça o governo que aplica o terrorismo de estado.
A situação é de incerteza, não se sabe até quando o contágio aumentará, quando a epidemia terminará ou quando as pessoas começarão a se manifestar novamente. Muitas pessoas não vão aos centros de saúde porque eles estão em colapso. E, se o fazem, é quando se encontram em estado grave; nesse caso, como uma “solução”, o governo pede que as pessoas primeiro façam o PCR do coronavírus, cujo resultado leva pelo menos uma semana para ser divulgado pelo sistema público. Esse exame médico, em particular, tem um custo de mais de 25.000 pesos, ou seja, cerca de US$ 35 a US$ 40, no mínimo, e pode ser mais caro. Então, quando as pessoas chegam a esse extremo, é tarde demais para agir.
A pandemia revelou a verdadeira face do capitalismo, onde o sistema público é incapaz de responder. Por outro lado, também mostra o pior lado da “municipalização” dos serviços de saúde. Em outras palavras, eles não são centralizadas pelo Ministério da Saúde, mas são administradas pelos municípios e, no caso do monitoramento de casos do covid-19, não recebem um único peso para financiar essas atividades.

A fome começa a ganhar as ruas

Desde o dia 18 de maio, o protesto social foi reativado, com a primeira manifestação contra a fome na Comuna de El Bosque (zona sul de Santiago), como aconteceu em vários lugares do Chile. A partir de então, o Estado reativou as remoções de colonos sem-terra e de recuperação de terras do povo Mapuche, deixando centenas de pessoas nas ruas.
Com a ideia de fazer proselitismo político com dinheiro público, o governo, em sua tentativa desesperada de subir nas pesquisas, decidiu entregar “cestas familiares” ou caixas de alimentos para 70% dos 40% mais vulneráveis.
Isso também fez com que muitos alimentos, como legumes (principalmente importados), aumentassem em 30% o valor. Assim, o custo de vida e alimentação, que já ocupa uma parte importante dos gastos dos salários das famílias, aumenta, forçando as famílias a comer alimentos de baixa qualidade ou simplesmente parar de consumir alimentos saudáveis, ​​o que dificulta o fortalecimento do sistema imunológico em plena pandemia.
Enquanto o contágio aumenta descontroladamente, as grandes empresas apresentam decretos, por meio de leis ou projetos de lei existentes, com o objetivo de reativar a economia da construção, imobiliária, mineração, pesca, florestal, agronegócio, entre outros, com subsídios, empréstimos e endividamento do país com o Fundo Monetário Internacional.

Violência: ordem do dia

Por outro lado, as comunidades indígenas denunciaram a repressão pelos carabineiros na região de Lonquimay. Remoções injustificadas, ameaças constantes e repetidas pela polícia, contra os povos indígenas, pessoas da comunidade Mapuche e especialmente o werken (porta-voz) Alejandro Treuquil, que foi emboscado e executado por pessoas desconhecidas, pouco antes da reunião que teria no Instituto Nacional de Direitos Humanos – INDD – onde ele iria denunciar o assédio policial que sofria desde o dia 13 de maio.
Agora, só resta a denúncia da viúva pela ameaça de morte ao esposo. O relato foi recebido pelo porta-voz indígena da comuna de Araucanía, polícia e por um telefonema do INDH  para as diferentes autoridades chilenas, para que morte do werken seja esclarecida com rapidez e diligência. “O Conselho do Instituto Nacional de Direitos Humanos lamenta profundamente o assassinato do werken Mapuche Alejandro Treukil Treukil, do lofWeNewen da comuna de Collipulli, que ocorreu na manhã do dia 5 de junho”, diz parte de uma declaração.
Nos últimos meses, houve mais remoções de terras dos moradores sem terra e sem teto, realizadas por comunidades Mapuche em todas as regiões. Os proprietários dessas terras são as mesmas grandes empresas. A situação dos povos ancestrais, ou indígenas, é ainda pior: eles têm poucas terras para a subsistência de suas extensas famílias. Algo semelhante acontece com pequenos produtores camponeses de alimentos, que vendem sua produção, a baixo custo, para empresários dos transportes, os quais controlam os preços dos alimentos. Enquanto isso, essas grandes empresas intervêm em grandes áreas de terra ou continuam a comprá-las. Além disso, nos últimos dias, Don Julio Faundez* morreu em uma recuperação de terras feitas por camponeses no sul do Chile, usurpadas pela Florestal Arauco. E agora o assassinato de um ataque armado encapuzado contra o líder Mapuche da comunidade WeNewen em Collipulli, além de ferir mais duas pessoas.

Diagnóstico das organizações sociais

As medidas do governo Piñera visam aprofundar o modelo “neoliberal”. Limita as pessoas a mudarem de fundo de pensão, moderniza o sistema de inteligência e a repressão policial-militar com, por exemplo, a chegada de oficiais da Marinha (com o melhor sistema de inteligência) à Agência Nacional de Inteligência – ANI – e também com projetos de lei destinados a conferir mais poderes ao Presidente da República, aos encarregados dos Carabineros e às forças de inteligência regionais e provinciais.
É evidente que eles fazem diagnósticos de como as organizações sociais operam, com o objetivo de desmontá-las ou reduzir sua influência. Da mesma forma, é assegurada a impunidade judicial dos responsáveis ​​(políticos e grupos policiais, militares e civis) pela repressão ou assassinato de líderes sociais ou indígenas, que foi agravada com o Estado de Emergência.

“Somente o povo ajuda o povo”

Como estratégia de subsistência, as famílias mais vulneráveis ​​do país se aproximam da panela de comida todos os dias, como a memória social dos bairros populares.
O povo chileno tem reagido de diferentes maneiras. Por um lado, recuperou sua memória histórica, retornando às Ollas Comunes (“panelaças comuns”), um tipo de cozinha de sopas em mutirão que, há mais de 100 anos, os setores populares usavam para enfrentar a fome. Pelo menos em Santiago, existem centenas de “panelaças comuns”, onde muitas pessoas são alimentadas. Mas, assim como existem grupos comunitários independentes que os realizam, os municípios ou candidatos eleitorais em parte da região sul de Santiago os estão financiando.
A articulação social é simplificada e entrelaçada para enfrentar a pandemia, graças aos cabildos cidadãos (conselhos de cidadãos) que apareceram durante a rebelião popular. A presença feminina diante da crise tem feito das mulheres protagonistas.
Existem vários setores mais vulneráveis. De acordo com estudos da Fundação Sol, 38,9% da força de trabalho empregada (3,6 milhões) não possui contrato de trabalho; a maioria não possui escolaridade e realiza trabalhos informais. Dos 61,1% que possuem contrato em ocupações precariamente pagas, 50% ganham apenas menos de 400.000 pesos (equivalente a cerca de 500 dólares americanos).
O nível alarmante de desigualdade e precariedade no Chile força 30% dos idosos a trabalhar. Existem 11,5 milhões endividados e mais de 5 milhões inadimplentes (estudantes, devedores de moradias, famílias que precisam de comida etc.) e 850.000 pessoas subempregadas. Devemos destacar que 54,3% dos mais pobres do Chile são mulheres. Os números de desempregados já estão aumentando; em dois milhões de pessoas durante a pandemia.
Durante a crise econômica causada pela pandemia, o governo garantiu às empresas que elas não mexeriam no bolso, deixando milhares de migrantes e migrantes chilenos na rua. Embora os dados não estejam atualizados, já havia entre 500.000 e 700.000 famílias desabrigadas, perfazendo um total de cerca de quatro milhões de pessoas desabrigadas.
Nas áreas rurais, especialmente no norte de Santiago, a seca os atinge, enquanto a privatização da água garante esse recurso para empresas de abacate ou agronegócio, e não para pequenos agricultores, nem mesmo para consumo humano. Nos últimos anos, milhares de pessoas forneceram água através de caminhões-cisterna, enquanto empresários e vários políticos, incluindo militantes proeminentes dos democratas-cristãos, são os proprietários de água para todos os chilenos.
Uma grande percentagem da produção de abacate é obtida à custa da secagem dos rios que deixa as comunidades sem água para consumo. As empresas exportadoras mantêm o negócio plantando milhares de hectares em terras impróprias para o cultivo, destruindo a agricultura familiar.
O Chile está passando por uma seca tão perigosa – afeta mais de 60% da população nacional – que pode atingir mais do que a pandemia. Mas a verdade é que essa seca é o produto do uso privado da água e não por falta de chuva. Há coisas que o país não consegue mais resistir.

O “Acordo Nacional” contra o povo chileno

Enquanto tudo isso está ocorrendo, o governo, juntamente com a oposição, refina os detalhes do famoso “Acordo Nacional”, que nada mais é do que a nova maneira de manter o domínio e o atual sistema de exploração.
Este acordo inclui alguns acordos públicos que já são notórios, e outros, mais secretos e privados, com o objetivo de encontrar uma figura dentro da oposição pró-sistema, que esteja longe dos partidos tradicionais, mas que responda aos seus interesses e que seja a figura presidencial da oposição.
Para o governo, é muito claro que seu setor político não vencerá as eleições presidenciais e é por isso que, com seus aliados da oposição, eles procuram impulsionar alguém que represente seus interesses. A figura que eles procuram deve ser relativamente jovem, não identificada com a política partidária ou com o Congresso,e que faça uma certa oposição a Piñera, para que ela seja aceita pela população e possa canalizar o protesto do cidadão para o voto e para sua futura eleição. É visto pelo povo como um verdadeiro triunfo, para que possam continuar a administrar o país com calma e aumentar ainda mais a exploração dos trabalhadores.
Essa é uma operação política bem pensada, dirigida por Washington, assim como o foi o tratamento dado ao substituto do ditador Pinochet, o democrata-cristão Patricio Aylwin. Todos os esforços do governo e da oposição seguem nessa direção, pois, assim, o ciclo da Rebelião Popular e suas implicações para o resto do continente ficariam encerrados. Nesse sentido, foi feito um trabalho para posicionar Izquia Siches, presidente da Faculdade de Medicina, como a candidata ideal para montar essa nova operação mafiosa dos grandes empresários que governam o Chile.
Diante dessa imagem sombria, a classe trabalhadora e os setores populares estão resistindo, tentando reunir forças, pensando em um segundo levante social quando a pandemia terminar. Mas há uma suspeita, bem fundamentada, de que ela está sendo usada e que estão apostando em sua extensão para evitar esse segundo levante.
O governo decretou leis, decretos e outras medidas destinados a fortalecer o estado policial militar e a punir severamente qualquer indício de protesto ou organização das bases populares, com o apoio entusiástico da oposição, que acolherá esses mecanismos quando voltar ao governo.
Mas, apesar de tudo o que foi exposto, a organização popular está avançando a partir de baixo; novas formas e métodos estão sendo elaborados e as pessoas entendem,cada vez mais, que todo o sistema está podre, apesar da brutal campanha para distorcer sua vontade.
Em breve, veremos novamente as massas populares nas ruas, porque esse clamor contra a fome, a máfia, o crime, a preguiça e a cumplicidade não vai  parar e o povo chileno sairá novamente arriscando suas vidas nas ruas, pelo direito à dignidade. Que assim seja no Chile, no Brasil e em toda a América Latina.
Sem justiça social, não haverá paz!
Que vivam os que lutam!

Alejandro Acosta é editor do jornal Gazeta Revolucionária.

*Um camponês que, desde a primavera do ano passado, asumiu a difícil tarefa de lutar pela recuperação territorial, dedicando os últimos meses de sua vida à regeneração da vida camponesa no Fundo Mundo Nuevo, resistindo à penetração da empresa Florestal Arauco em Curanilahue, na região do Biobío.

_______
Canal do DE no Telegram: https://t.me/duploexpresso
Grupo de discussão no Telegram: https://t.me/grupoduploexpresso
Canal Duplo Expresso no YouTube: https://www.youtube.com/DuploExpresso
Romulus Maya no Twitter: https://twitter.com/romulusmaya
Duplo Expresso no Twitter: https://twitter.com/duploexpresso
Romulus Maya no Facebook: https://www.facebook.com/romulus.maya
Duplo Expresso no Facebook: https://www.facebook.com/duploexpresso/
Romulus Maya no Linkedin: https://www.linkedin.com/in/romulo-brillo-02b91058/
Romulus Maya no Mastodon: https://mastodon.social/@romulusmaya
Grupo da Página do DE no Facebook: https://www.facebook.com/groups/1660530967346561/
Romulus Maya no Instagram: https://www.instagram.com/romulusmaya/
Romulus Maya no VK: https://vk.com/id450682799
Duplo Expresso no Twitch: https://www.twitch.tv/duploexpresso
Áudios do programa no Soundcloud: https://soundcloud.com/duploexpresso
Áudios no Spotify:
https://open.spotify.com/show/5b0tFixIMV0k4hYoY1jdXi?si=xcruagWnRcKEwuf04e1i0g
Áudios na Rádio Expressa: https://t.me/radioexpressa
Link para doação pelo Patreon: https://www.patreon.com/duploexpresso
Link para doação pela Vakinha: https://www.vakinha.com.br/vaquinha/643347

 

Acha importante o nosso trabalho? Fácil - clique no botão abaixo para apoiá-lo:

Facebook Comments