A Era das Guerras Econômicas – origem, estrutura e razão no atual cenário global

A Escola de Guerra Econômica Francesa iniciada em meados de 1997, através da realização de estudos organizados por Henri Martre, concebe o atual cenário globalizado mundial como a Época ou Era da Guerra Econômica, muito antes do cenário atual de radicalização entre China e EUA que deixa isso patente. Ou seja, caracteriza o momento atual como de uma nova época em que a tensão entre um modelo que se vinha impondo de unipolaridade é tensionado com um atores de grande força econômica e militar de tal sorte que o atual cenário global deveria ser caracterizado estruturalmente como tempo de Guerra Econômica generalizada. 

Ler mais

Falso dilema ambiental – Uma luz sobre essa questão central (atualização)

Apresentamos uma atualização com mapas que amplificam o teor do debate aqui apresentado. Está colocado ao final. • • •

Ler mais

Falso dilema ambiental – Uma luz sobre essa questão central

Este artigo é a abertura de um debate. A partir de um comentário/texto publicado pelo Duplo Expresso há alguns dias, a doutora em Biogeografia (USP) e pesquisadora do Instituto de Botânica de São Paulo – Katia Mazzei – sentiu-se compelida a propor uma réplica. Com isso, iniciou-se uma discussão sobre a questão apresentada pelo cientista político Felipe Quintas do “falso dilema ambiental e infigenista”. Qual a melhor resposta para a sustentabilidade dos ricos biomas nacionais? Como transformar a abundante riqueza em fonte de desenvolvimento para o nosso país?

Ler mais

Falso dilema ambiental e indigenista ameaça o país

É preciso evitar a falsa polarização entre, de um lado, o ambientalismo/ indigenismo de santuário, defendido por ong’s financiadas por Estados e corporações imperialistas e que procura estabelecer reservas imensas justamente em áreas repletas de recursos estratégicos (minérios, água, etc.) e, de outro, a exploração selvagem e inconsequente da terra e das pessoas por oligarcas locais. Não há, na prática, oposição entre essas posições. Ambas convergem para a desestatização e o não-desenvolvimento de imensas parcelas do território (sobretudo no Norte e Centro-Oeste) e, portanto, para a miséria de sua população, o esvaziamento demográfico, o contrabando e a privatização de riquezas nacionais, a degradação ambiental, o separatismo com base no fomento a identitarismos étnicos, e a fragmentação territorial.

Ler mais

A necessidade de estudo da guerra híbrida que assolou o Brasil na última década.

O Brasil nos últimos anos esteve em guerra. Provavelmente você leitor deste artigo venha a discordar ou nunca leu nenhuma notícia sobre as bombas que foram jogadas nessa nação pacífica (subserviente na geopolítica, mas tecnocrata e perversa com sua população).
Sem disparar nenhuma bala, essa guerra foi eficaz, destruíram a economia, a indústria, as instituições, o psicológico da população e o clima democrático.

Ler mais