O futuro sem dor

O projeto musical do Duplo Expresso segue com mais uma composição de Wellington Calasans musicada por Leonardo Lobo. A maneira inconsequente como os conteúdos produzidos pela Rede Globo têm sido compartilhados por tantas pessoas, inclusive aquelas que são simpáticas ao campo progressista da política, motivou esta reflexão. Desta vez um pop/rock com elementos árabes e também nordestinos fazem a base dos arranjos musicais. Aumente o volume e compartilhe.

Ler mais

Duplo Expresso – Öppna Kanalen | #S02E01

Esse é o primeiro programa Duplo Expresso no Öppna Kanalen (canal via cabo em todos os países nórdicos) em 2019. Wellington Calasans e Romulus Maya iniciam a temporada deste ano com um panorama sobre o governo Bolsonaro e o papel da oposição para tentar barrar os absurdos que são anunciados.

Ler mais

Até um cego vê quem é Bolsonaro

O quadro semanal “Até um cego vê!”, apresentado por Leonardo Lobo, reafirma o que temos dito sobre na nossa página sobre o programa Roda Viva e também sobre o comportamento de certos setores da esquerda.
Primeiro que o Roda Viva tem audiência ínfima e ganha mais repercussão por conta dos comentários dos “especialistas em tudo” nas redes sociais. Segundo porque algumas alas da esquerda ocupa muito o tempo com o entretenimento da direita. Comentar Bolsonaro, por exemplo, pode ser um desses elementos de dispersão.

Ler mais

Até um cego vê! #5 – Padre Antônio Vieira pensava à frente do seu tempo ou fomos nós que voltamos ao passado?

No quadro “Até um cego vê!” desta semana, Leonardo Lobo recita este poema com a propriedade de quem tem “lugar de fala”. É um alerta aos governantes, sobretudo no atual Regime Temer que, assim como na escola barroca, é caracterizado pelo contraste. No caso do Brasil, as visíveis diferenças entre os privilégios dos muito ricos e o abandono dos pobres.

Ler mais

O que “até um cego vê” no Brasil da hipocrisia que “funciona normalmente”

Criar limonada do limão, fazer espinhos florescerem… Não é para qualquer um. Quem poderia falar um pouco disso é mais novo comentarista do Duplo Expresso, Leonardo Lobo. Notem bem: foi ele próprio, que não enxerga, quem escolheu para nome do seu comentário semanal (coisas que) “até um cego vê”.
Sim, um “cego”. E não um “deficiente visual”. Ou, mais eufemisticamente ainda (para quem?), uma “pessoa portadora de necessidades especiais”. Demorou, mas finalmente saímos do excesso do politicamente correto discursivo dos anos 1980 e 90 que, com tais floreios, preocupava-se mais em não ferir suscetibilidades das pessoas “normais” (sic) do que propriamente a daqueles que tal excesso visava a “descrever” (mas não tanto assim que chocasse, não é mesmo?).

Ler mais