Ministro Dias Toffoli – Uma alma subordinada ao senhor da vez

Qual a indagação que os dirigentes e ex-integrantes dos governos petistas poderão fazer quanto ao atual comportamento do ministro Tofolli? Esta alma subordinada ao senhor da vez é o fruto de uma escolha sob crescente pressão do próprio PT para ocupar com “gente aliada” a Corte que julgaria o “Escândalo do Mensalão”. Fruto que nasce dessa semente só poderia dar nisso…

Ler mais

Fachin, o “Molechin” da vez

Molechin, ou melhor!, Fachin, quer “plantar” algo que não consta no pedido da defesa de Lula para “fazer as vezes do TSE”, antecipando um impedimento de Lula na corrida eleitoral 2018. Uma jogada de malandro que deve ser repudiada pelos amantes do direito e da justiça.

Ler mais

Liberdade de Lula não é uma moda; é uma luta por justiça e pelo resgate da política

De nada vai adiantar a estratégia de “jogar perfume em peixe podre”, como tem sido feito desde o famigerado “mensalão”. É preciso denunciar os abusos, o estupro à democracia e às leis. É preciso dar nome aos bois, incomodar e tirar a paz de cada um e de todos que usam as instituições para a prática de crimes.

Ler mais

Regime mira em Gleisi para acertar Lula. Restou o grito!

O STF comanda um judiciário viciado em praticar crimes. A completa parcialidade e o apreço pelo papel de sabujo do mercado financeiro desmoralizam a cada dia esta ditadura da toga que já não se envergonha de assim ser identificada. Não foi suficiente o arbítrio de prender Lula sem crime, agora querem calar quem foi eleita por Lula para ser a sua voz fora do Guantánamo de Curitiba: Gleisi Hoffmann.

Ler mais

Temer – mais Lula – e o inimigo (comum) a neutralizar: Barroso!

O – verdadeiro – alvo: Barroso tenta fazer Temer refém, através da prisão de seus dois operadores, para virar votos no STF em favor da prisão de Lula. O inimigo de Barroso é a política. Toda ela. Pouco se lhe dá – no longo prazo – se oligárquica ou popular, sujinha ou cheirosa. O projeto é a substituição da democracia, o governo da maioria, pela “noocracia à brasileira”, o governo de um triunvirato não eleito: finança internacional (mais Deep State americano), cartel midiático brasileiro e, como operadores de campo, os “juristocratas”.

Ler mais