Economia gira quando há consumo

Eu estava preparando uma mensagem-convite (“Convite para trabalho em conjunto – Reforma do Judiciário”, começando pelo cartório). Tive de parar. O artigo do prof. Delfim Netto na Carta Capital desta semana – “A Sociedade perfeita e a possível”[ii] – me obrigou a parar tudo, para escrever o que aqui vai.
É bobagem insistir em que haveria algo a aprender ‘da crise’. Deve-se aprender, isso sim, de Marx, Simmel, Marini, Lula, Dilma, PT e tantos outros. Aprende-se seja do que for, exceto ‘da crise’. Parte significativa da classe trabalhadora não consegue reproduzir-se (efeito da superexploração).

Ler mais

A saída da crise ao alcance da mão, Parte 1: Ciclo político, democracia e bilionários

É do liberalismo a afirmação, que deixados livres e sem a interferência do Estado, os empresários levariam a Economia ao Pleno Emprego, por mais que governos liberais como Temer e FHC mostrem o contrário.
Os liberais alegam que o déficit público tiraria a Economia do seu equilíbrio e produziria inflação. Em “Liberalismo: ‘fake news’ ou ‘bad news’?” mostramos que a assertiva não resistiu, por exemplo, às 2 grandes crises de 1929 e de 2008, quando a presença do Estado salvou o capitalismo de um final apocalíptico.

Ler mais

Maria Lúcia Fattorelli – “Está quase tudo dominado”

Com informações dos bastidores da política e muitos dados que comprovam como o brasileiro vive a trabalhar para manter os privilégios dos bancos, a coordenadora da Associação Auditoria Cidadã da Dívida, Maria Lúcia Fattorelli comentou “A quem serve o Estado brasileiro?”. A resposta parece óbvia, mas fizemos o recorte da participação desta especialista, no programa Duplo Expresso, para que você perceba que “está quase tudo dominado”, mas que ainda podemos lutar e transformar uma triste realidade de exploração do nosso povo e destruição do Estado brasileiro.

Ler mais

Aspectos Políticos do Pleno Emprego (i)

As razões para a oposição dos “líderes industriais” ao pleno emprego alcançado via gastos do governo podem ser subdivididos em três categorias: (i) não gostam da interferência do governo no problema do emprego como tal; (ii) não gostam da direção dos gastos do governo (o investimento público e o consumo subsidiado); (iii) não gostam das mudanças sociais e políticas resultantes da manutenção do pleno emprego. Vamos examinar em detalhe cada uma dessas três categorias de restrições a uma política governamental expansionista.

Ler mais

A Ponte do Presente!

Mas o que fez Lula em 2008/2009? Liberou liquidez para a banca, como fez o resto do mundo? Não! Como Getúlio e Roosevelt, “fez o que tinha que fazer”, ordenou, ao presidente do BC- Henrique Meirelles, diante de sua relutância, a baixar os juros, e ato contínuo criou por contingência da crise o que seria o mais fantástico instrumento de financiamento do desenvolvimento brasileiro – o arranjo institucional BNDES-TESOURO! Por que desse entusiasmo?

Ler mais

Robotização é desemprego? Não (necessariamente!): tecnologia é problema político, não econômico

Não há relação direta entre a taxa de crescimento da produtividade e o desemprego. Portanto, não faz sentido, em princípio, temer pela perda de empregos. Os problemas relacionados ao rápido avanço da produtividade não são econômicos, mas políticos. Se gera concentração de poder político, pode gerar problemas sociais – e até mesmo militares – gravíssimos.
Entre 1945 e 1980, os trabalhadores contaram com a colaboração dos governos porque as elites temiam o alastramento do comunismo. Hoje, as elites não têm nenhum medo de deixar milhões desempregados passando fome, mas bovinamente entretidos com redes sociais, fake news, futebol, TV, etc.
O medo de revolução faz milagres. Mas se a tecnologia afastar o risco da insubordinação à tirania e à desigualdade, ela pode ser realmente um grande desafio para os anseios de liberdade, igualdade e fraternidade.

Ler mais

O Tripé do Bem: A bala de prata do próximo governante será usada?

O tripé macroeconômico perdeu a credibilidade e a utilidade. Ele funcionava como uma camisa de força que impedia os governos do PT fazerem políticas sociais e econômicas mais progressistas. Uma vez que a direita volta ao governo, a meta de superávit primário deixa de ser seguida e ninguém se importa. No governo Dilma, um milésimo de déficit a mais era motivo para os jornais entrarem em histeria, dizendo que o mundo ia acabar.

Ler mais