Caciques do mercado financeiro tentam esconder rombo na PEC de Guerra

Por Maria Lucia Fattorelli.
Durante toda a semana, Paulo Guedes e Henrique Meirelles, ambos com longo histórico na atuação no mercado financeiro, participantes da alta cúpula de grandes bancos, fizeram de tudo para desviar o foco do imensurável rombo de trilhões de reais que está escondido na chamada PEC do Orçamento de Guerra (PEC 10/2020): a mais escandalosa transformação de trilhões de papéis podres dos bancos em “dívida pública”.

Ler mais

O rei está nu e o neoliberalismo exposto

Por Felipe Quintas e Pedro Augusto Pinho.
O Brasil é um país rico, tem 350 bilhões de dólares estadunidenses (USD) em reservas que nada rendem (juros zero), duas das pessoas mais ricas do mundo e os bancos mais rentáveis do Planeta. Mas fica discutindo e postergando pagar 120 dólares USD para as pessoas que foram incentivadas, por campanha estatal, e na prática obrigadas, devido ao monetarismo e ao judicialismo fanáticos que destruíram grande parte dos empregos formais, a serem empreendedores, empresários individuais e hoje estão sem emprego e receita.

Ler mais

Bolsonaro, Folha e o ‘Telecatch’

Por Piero Leirner.
A ideia de transformar o ‘Telecatch’ em conceito para entender a guerra híbrida veio do Romulus Maya, há cerca de 2 ou 3 anos.  Ele bem alertou então: “mesmo empresário, dois lutadores – toda oposição é ilusória”.
Assim é, também, essa que foi criada – e vivida em ambos os lados – de 2018 para cá, entre a imprensa establishment (mas pode levar na bacia das almas também os blogs satélites [de ambos “lutadores”]) e Bolsonaro.
Estamos falando há tempos que o projeto visa um “reboot” do Estado.

Ler mais

Quem está lucrando com o Coronavírus?

Por Alejandro Acosta.
A crise sanitária do Coronavírus representa um dos componentes da política de guerra com os quais o grande capital intenta controlar a crise, evitando quebradeiras em massa.
No meio do estado de choque generalizado (uma segunda onda da “Doutrina de Choque” que foi desatada após o 11.9.2001),o objetivo é impor ataques brutais contra os trabalhadores e as massas em escala global.
Esses ataques são ainda mais brutais na América Latina que é considerada pelo imperialismo norte-americano o próprio quintal.

Ler mais

Líderes nacionalistas: Velasco Alvarado

Por Felipe Quintas.
De acordo com Velasco Alvarado, a via peruana do desenvolvimento seria caracterizada pela participação popular na política e na economia. O Estado e as relações de produção seriam a institucionalização da soberania popular, e, portanto, deveriam ser profundamente remodelados. Seu mote era de que, para problemas peruanos, deveriam ser encontradas soluções peruanas.

Ler mais

O dia após o coronavírus

Por Alejandro Acosta.
A crise sanitária do coronavírus representa um componente da política da grande capital para conter a maior crise capitalista mundial das últimas décadas, por meio de uma  terceira onda de “neoliberalismo”, ao estilo da imposta pelo general Augusto Pinochet no Chile, na década de 1970.
Porque? Porque é necessário pagar as contas dos resgates do grande capital em crise. Um componente fundamental dessa política é o arrocho salarial super intenso e a destruição dos programas sociais.

Ler mais

Líderes nacionalistas: Mohammed Mossadegh

Por Felipe Maruf Quintas.
Com base na renda obtida pela nacionalização do petróleo, Mossadegh instituiu um conjunto de reformas sociais igualitárias, como a libertação dos camponeses do trabalho obrigatório nas terras dos senhorios, a criação de direitos trabalhistas, de um sistema de previdência pública e do imposto de 20% sobre a renda fundiária para financiar projetos de infraestrutura social, como controle de doenças, habitação rural e banhos públicos.

Ler mais

Rebelião no Chile hoje. Brasil e América Latina amanhã. Papel da esquerda

O imperialismo quer implementar o modelo pinochetista chileno no Brasil, como modelo para toda a América Latina. A preparação da estrutura jurídica policial militar e o ascenso dos generais ao controle dos postos chave do governo tem como objetivo impor brutais ataques contra os brasileiros e todos os latino-americanos.
A manifestação dos bolsonaristas em 15.3 faz parte de uma manobra de Donald Trump para impulsionar a Jair Bolsonaro como uma liderança da extrema direita em América Latina, dada a brutal crise de Macri, Piñera, Duque e Guaidó.

Ler mais

Reflexões sobre a criação do Estado Nacional: um modelo próprio

Por Felipe Quintas, Gustavo Galvão e Pedro Augusto Pinho.
Também como toda organização, o Estado Nacional possui um objetivo, cuja persecução é sua razão de existir. E o que dá existência de um Estado Nacional? Sua soberania, isto é, a soberania da Nação a qual representa e governa. E o que seria a soberania? A capacidade de gestão autônoma, independente de restrições que não sejam as do território onde exerça seu Poder. Uma colônia – política, econômica, tecnológica, religiosa, ideológica – não constitui um Estado Nacional: as independências, o conjunto de todas elas, constituirão a efetividade do Estado Nacional.

Ler mais

O Sistema da Dívida na contramão da Economia de Francisco

Por Maria Lucia Fattorelli.
No Brasil, temos identificado diversos mecanismos ilegais e ilegítimos, tanto na dívida externa como interna, federal, de estados e municípios. Não se trata de questionar a responsabilidade fiscal, mas sim do funcionamento da alimentação do Sistema da Dívida por mecanismos que sacrificam a economia real, ao mesmo tempo em que privilegiam os bancos. Por causa desses mecanismos, as dívidas só crescem, mesmo em períodos de superávit primário.
De 1995 a 2015 produzimos mais de R$ 1 trilhão de Superávit Primário, ou seja, gastamos bem menos do que arrecadamos. Apesar dessa economia imensa de mais de R$ 1 trilhão, a dívida interna aumentou de R$ 86 bilhões para quase R$ 4 trilhões no mesmo período, e seguiu crescendo, principalmente devido aos mecanismos de política monetária do Banco Central, responsáveis por déficit nominal das contas públicas. (Fonte: Tesouro Nacional)

Ler mais

O enigma do “acordo de paz” no Afeganistão

Por Pepe Escobar.
Nesta foto tirada em 21 de fevereiro, jovens e ativistas da paz se reúnem para celebrar a redução da violência, em Kandahar. Uma trégua parcial de uma semana tomou conta do Afeganistão em 22 de fevereiro, com alguns civis jubilosos dançando nas ruas enquanto o país cansado da guerra se preparava para o este próximo sábado, dia planejado para um acordo de paz entre o Taliban e os Estados Unidos.
Foto: AFP / Javed Tanveer

Ler mais

Salvando a humanidade da falência: acordos climáticos e energia

O banimento do carvão termelétrico terá o efeito econômico de uma guerra, mas sem que ninguém precise morrer. A guerra normalmente resolve os problemas de desemprego, crise bancária, excesso de oferta, capacidade ociosa, recessão e estagnação porque faz o governo aumentar substancialmente os gastos e o déficit público e assim aumenta o emprego, aumenta a oferta de dinheiro, melhorando o balanço do setor bancário, e aumenta o investimento privado para atender a essa demanda crescente.

Ler mais

Reflexões sobre a criação do Estado Nacional: sociedade e Estado

Assim, a participação popular e o desenvolvimento econômico são importantes para a construção e o fortalecimento do Estado. A primeira assegura a interdependência entre a ossatura estatal e a realidade nacional, e o segundo alarga os horizontes coletivos e amadurece as bases físicas da autodeterminação da sociedade.
São, portanto, expressões e suportes da cidadania, entendida como o estatuto de pertencimento comum à nação e cuja efetividade depende de um Estado forte e coeso para garantir direitos e sancionar as respectivas obrigações.

Ler mais

Salvando a humanidade da falência: guerra total e política ambiental

Uma radical mudança na forma como produzimos e consumimos energia implicaria grande aumento dos investimentos em todo mundo, o que poderia ser um afastamento do risco de crise econômica global, causado pelo excesso de capacidade industrial, e a pouca disposição dos governos investirem em infraestrutura pública e gastos sociais. Aliás, as mesmas razões que levaram o mundo à grande depressão de 1930 e à II Guerra Mundial.

Ler mais

Salvando a humanidade da falência: depressão e guerra

A saída da crise de 2008 teve uma fase inicial, no caso dos EUA e Europa, em que se usaram políticas fiscais e políticas monetárias protecionistas mal dissimuladas. A partir de 2010, a Europa abandonou as políticas fiscais e reforçou suas políticas monetárias e protecionistas com câmbio competitivo. Os EUA, em menor grau, também deram ênfase tão grande em suas políticas monetárias e protecionistas que as políticas fiscais se tornaram menos intensas.
Leia e compartilhe.

Ler mais

A resposta da China ao vírus tem sido “de tirar o fôlego”

O coronavírus abre uma verdadeira caixa de Pandora em biogenética. Permanecem questões sérias sobre experiências in vivo nas quais o consentimento de “pacientes” não será necessário – considerando a psicose coletiva inicialmente desenvolvida pela mídia corporativa ocidental e até a OMS em torno do coronavírus. O coronavírus pode muito bem se tornar um pretexto para experimentos genéticos via vacinas.

Ler mais

150 anos da destruição do estado-nação paraguaio pelo exército brasileiro

A união do Império do Brasil e da Argentina liberal-unitária levaram o Paraguai a uma guerra que não poderia vencer. Quando as tropas da Tríplice Aliança invadiram o país, em inícios de 1866, conheceram uma oposição inesperada, heróica e incondicional lutada sobretudo pela população rural, logo traída pelas classes dominantes. Não houve rendição. O exército paraguaio combateu praticamente até a extinção.
Não deixe de ler.

Ler mais

Reflexões sobre a criação do Estado Nacional: o arcaísmo brasileiro

Como entendeu claramente Bonifácio, trocou-se a nacionalidade de uma potência, que poderia ser a maior do mundo, o Brasil unido a Portugal, por um autoritarismo provinciano, pela visão estreita e tacanha do despotismo que vem da insegurança, da arrogância que camufla o medo, do complexo de vira-lata, que submete corpo e alma.
Leia e divulgue.

Ler mais

A maior batalha de todos os tempos, para deter a integração da Eurásia

Para os EUA é, realmente, batalha existencial – contra todo o processo de integração da Eurásia, as Novas Rotas da Seda, a parceria estratégica Rússia-China, aquelas armas hipersônicas dos russos, combinadas com diplomacia de alta qualidade, o profundo desgosto e sentimento de revolta contra as políticas dos EUA em todo o sul global, o já quase inevitável colapso do EUA-dólar. O que é certo é que o Império não se deixará empurrar em silêncio para o fundo da noite. Devemos todos estar preparados para a maior batalha de todos os tempos.

Ler mais

A Era das Guerras Econômicas – origem, estrutura e razão no atual cenário global

A Escola de Guerra Econômica Francesa iniciada em meados de 1997, através da realização de estudos organizados por Henri Martre, concebe o atual cenário globalizado mundial como a Época ou Era da Guerra Econômica, muito antes do cenário atual de radicalização entre China e EUA que deixa isso patente. Ou seja, caracteriza o momento atual como de uma nova época em que a tensão entre um modelo que se vinha impondo de unipolaridade é tensionado com um atores de grande força econômica e militar de tal sorte que o atual cenário global deveria ser caracterizado estruturalmente como tempo de Guerra Econômica generalizada. 

Ler mais

A queda dum Anjo – A súbita mudança de Bento Albuquerque

Em outubro de 2017, o atual Ministro de Minas e Energia, o almirante de esquadra Bento Costa Lima Leite de Albuquerque Junior – então diretor-geral de Desenvolvimento Nuclear e Tecnológico da Marinha – concedeu entrevista à revista Carta Capital. O assunto era o Programa de Desenvolvimento de Submarinos da Marinha do Brasil (Prosub), do qual o principal empreendimento era a construção do submarino nuclear.

Ler mais

A última razão do crime

As duas grandes guerras da primeira metade do século XX recolocaram este poder no outro lado do Atlântico e na proximidade dos Montes Urais. As finanças deixaram de dar as cartas e se subordinaram, por breves décadas, ao capital industrial, então indissociável do Estado-nação, à época comprometido com a compatibilização entre acumulação privada e cidadania.
Leia, debata, compartilhe.

Ler mais

Militarismo em países dependentes e subdesenvolvidos

Essa mesma visão de desenvolvimento interno para países em desenvolvimento ou dependentes político e economicamente deveria ser base para gestar entre os mesmos objetivos que visassem a ampliação de sua soberania a frear processos de lobbies intervencionistas (políticos e de desenvolvimento). Também deveria impulsionar uma nova “consciência” entre setores civis e militares (o que dependeria da articulação de ambos setores), gestando uma visão nova de desenvolvimento nacional, industrial, de inteligência e soberania nacional. Esta não é nossa realidade atual.
Leia, debata, compartilhe.

Ler mais

A Foreign Affairs e o retorno da (nunca abandonada) questão nacional

  Por Felipe Quintas   Os meios acadêmicos norte-americanos despertam para a atualidade e a importância da questão nacional.  

Ler mais