Lava Jato, Máfia, Corrupção e Judiciário – Parte I

A corrupção é o sinal de Estado fraco. O que é Estado fraco? Aquele que a elite que o dirige está comprometida com a manutenção do “status quo”, com o imobilismo – econômico, social, cultural -, no caso brasileiro, com manutenção da escravidão e com o modelo exportador de produtos primários, contra a industrialização.

Ler mais

Reflexões sobre Transporte Espacial no Brasil

Quaisquer considerações quanto ao emprego de satélites no âmbito do governo sempre impuseram as necessárias cautelas. No que se refere a lançadores nacionais, além da indisponibilidade dos referidos equipamentos, a médio e longo prazo, são óbices rotineiros a carência de recursos e pessoal especializado.

Ler mais

Duplo Expresso 21/mar/2019

Para assistir, curtir as páginas e compartilhar, temos no Programa Duplo Expresso desta quinta-feira, 21/03, os seguintes destaques:
– O escritor, sociólogo e analista internacional Lejeune Mirhan fala sobre: “Quando as elites dividiram o mundo – Parte final: Os tratados de Versailles, San Remo, Sévres e Lausanne”
– O Embaixador Samuel Pinheiro Guimarães comenta a atualidade política do Brasil e do mundo.
– O politólogo e analista internacional Eduardo J. Vior fala sobre: “O que aconteceria com o Brasil se Macri não chegar à eleição de outubro?”
– Romulus Maya e Carlos Krebs fazem a análise da conjuntura política.

Ler mais

Bolsonaro, OMC, OCDE e o fim do Brasil: tirem essa gente do Executivo urgente!

– Os EUA sacaram a sede por validação – principalmente em nível internacional – que acomete Bolsonaro e aproveitaram para meter uma faca – histórica!
– É o fim de uma política externa na área do comércio – referência em nível internacional – de décadas, que perpassou militares, redemocratização, FHC e Lula. Ou seja, de Estado!
– A pior elite do mundo – míope -, a “industrial” (existe?) e a agrária, talvez ainda não conheça as consequências de sair do Sistema Geral de Preferências (restrito a países em desenvolvimento) para as nossas exportações. É muito pior que “embaixada em Jerusalém”!
– “Perde-perde”: se o Brasil já pode adotar o que julgar ser conveniente na qualidade de observador da OCDE, para que dar as calças para entrar na mesma? A não ser que o objetivo seja, justamente, deixar certos orifícios já devidamente expostos… perpetuamente, no caso (“lock-in effect”).

Ler mais

O povo brasileiro não é pacífico, ele é pacificado

O povo brasileiro não é pacífico, ele foi é pacificado; pacificado pelo medo, amedrontou-se de bandidos, de vermelhos, de seus próprios preconceitos, dos humores do mercado, do desemprego e das nuvens despoéticas de puro gás lacrimogênio. Pacificado pela repressão policialesca e juristocrática, pacificado pelas ilusões narrativas e midiáticas. Pacificado pelo desvio de foco ocultando na fumaça as questões de poder verdadeiras, de classe e de soberania.

Ler mais

Novos Alvos da Banca: Militares, Magistrados e Promotores

Vivemos a guerra híbrida do sistema financeiro internacional contra a humanidade. Os argumentos são envolvidos nas mais atraentes embalagens e se apresentam sempre a favor da banca, como abrevio este sistema demolidor.Pelas redes sociais foi divulgada a seguinte tabela de valores médios de aposentadorias, onde logo encontramos inconsistências, incoerências, além da anônima autoria. É o fake da banca em ação. Com que propósito?

Ler mais

99%, UNÍ-VOS! – Lara Resende mudou? Hummm…

Helio Silveira e Rogerio Lessa retomam o alerta: os 99% precisam entender o que esconde-se no discurso austericida dos 1%. Não se deixem enganar pelo mundo limpinho e cheiroso que os liberaris prometem ao afirmarem que um Estado-Mínimo será o máximo para as vidas de vocês. Isso, na melhor das hipóteses, é um sofisma indefensável. Mas, nunca é tarde para a conversão de um pecador… Neste texto, é abordada e discutida a revisão de Lara Resende sobre o austericídio nacional do qual foi um dos mentores: o Plano Real de 1994.

Ler mais

Guaidó: Presidente dele mesmo? Faltou povo, sobrou mídia

Não à toa, a grande mídia – pelo mundo – muito se esforçou para tentar ludibriar o público com enquadramentos fechados, no intuito de convencer que havia uma multidão à espera de Guaidó, no seu retorno. Justaposição de imagens, porém, desmonta toda a farsa.
Parece que as aventuras de Guaidó, patrocinadas pelo imperialismo norte-americano, que quase incendiaram as relações entre Venezuela, Colombia e Brasil, no último dia 23, revelaram para população venezuelana que o rapaz não passa de um fantoche nas mãos do Tio Sam.

Ler mais

PRECISA-SE OPOSIÇÃO | Nação sob o Poder de um Sistema e Conclusão

Pedro Pinho conclui a trilogia de artigos onde explora a questão-chave a quem espera um contraponto ao modelo anunciado de governo: Quem é oposição no Brasil hoje? Esta parte final desenvolve a visão de que o Estado brasileiro deixou de ser manipulado por outros Estados Nacionais e foi tomado de assalto. Usando como armas a dívida e a corrupção, agora quem dá as cartas é o sistema financeiro internacional. Prometendo o sol da “liberdade”, a Banca esconde as trevas da escravidão dentro de nossa sociedade de classes. Onde encontrar um farol de Oposição para guia-nos à luz do dia?

Ler mais

PRECISA-SE OPOSIÇÃO | Nação sob Poderes Nacionais Estrangeiros

Pedro Pinho dá sequência à trilogia de artigos que explora a questão-chave aberta com a posse do governo Bolsonaro: Quem é oposição no Brasil hoje? Após a introdução tratando do período colonial, neste artigo o autor apresenta os vínculos do Brasil-Império, passa pela Velha República e alcança a Era Vargas mostrando o movimento pendular brasileiro desde a esfera de influência britânica até a aproximação com o império estadunidense. Novamente, o foco está na compreensão entre o controle (Poder) e o executor deste (Governo), e a apresentação dos tópicos nacionalistas capazes de oferecer um contraponto à dominacão externa: soberania, cidadania, segurança e justiça.

Ler mais

Uma Reflexão sobre a Energia como Política Pública

Esse artigo faz parte da série de questões que foram explicitadas pelos Coletes Amarelos na França. O estopim da manifestação foi justamente o aumento de um imposto sobre a energia. A problemática apresentada pelos dois documentários franceses é a mesma encontrada no contexto brasileiro: Especificamente sobre a questão da perda da soberania com a privatização da energia. Assim, esse artigo apresenta uma discussão sobre a importância do setor energético de qualquer país, seja a França ou o Brasil.

Ler mais

PRECISA-SE OPOSIÇÃO | Introdução e a Nação sob o Império Português

Pedro Pinho inicia aqui outra trilogia de artigos, agora explorando a grande questão aberta após a deflagração do governo Bolsonaro: Quem é oposição no Brasil hoje? Assumindo que não tem intenção de oferecer nenhuma resposta fácil ou imediata, o autor posiciona-se sobre os aspectos históricos para indicar-nos quem é/está Governo e quem é/tem o Poder. Entendendo isso, poderemos deixar a armadilha do ideário “prafrentex” e seguir para a implementação de um modelo real de luta social. Quem sabe assim as transformações nacionais e políticas finalmente ocorram, não?

Ler mais

Duplo Expresso 13/fev/2019

Para assistir, curtir as páginas e compartilhar, temos no Programa Duplo Expresso desta quarta-feira, 13/02, os seguintes destaques:
– A arquiteta PhD em Administração de Empresas Patrícia Vauquier comenta: “Como a financeirização da economia degrada a organização do trabalho”
– O especialista em Minas e Energia, PhD em Engenharia na área do petróleo Paulo César Ribeiro Lima fala sobre: “As elevadas margens de distribuição e revenda de combustíveis no Brasil”

– Wellington Calasans e Romulus Maya fazem a análise da conjuntura política.

Ler mais

Direita ou Esquerda – Para a banca tanto faz…

São tempos de par ou ímpar, segundo Pedro Pinho. Herege ou religioso. Romano ou bárbaro. Católico ou protestante. Comunista ou capitalista. Por todos os tempos, o Poder sempre procurou simplificar as diversidades de qualquer natureza, em especial as ideológicas ou as que o pudessem enfrentar (ou apenas assumir) suas diferenciações. Uma carga com as polaridades do tipo: nós ou eles.

Ler mais

Mourão e a revelação do enigmático “Grande Acordo Nacional”

É revoltante que tentem viabilizar como estadista um candidato a Pinochet (com direito a Paulo Guedes e “Brazilian Boys’’) que recentemente afirmou que “Uma Constituição não precisa ser feita por eleitos pelo povo”. O, ainda, vice de Jair Bolsonaro disse que a elaboração da última Constituição brasileira, de 1988, por parlamentares eleitos, “foi um erro”, e defendeu que a nova Carta deveria ser criada por “grandes juristas e constitucionalistas”. Democracia sem povo? É isso que significa ser um estadista?

Ler mais

Poder, Governo, Informação | Parte 3 de 3

Pedro Pinho conclui a série de artigos tratando da tríade poder, governo e informação, analisando o último vértice: a riqueza na aplicação das teorias da informação. Citando diversos autores que pesquisaram e apresentaram seus trabalhos a respeito dos conceitos e usos da comunicação, ele mostra como o sistema financeiro internacional – a banca – anteviu com clareza o uso desta força como ferramenta de dominação para suas regras e intenções. Se a banca em si não é capaz de “fazer cultura”, é ela quem detém o controle sobre os meios de comunicação de massa que lhe referendam. A partir daí, sempre ficou mais fácil estender o domínio pela economia, política – o psicossocial dos povos – e dentro dos governos a partir da última década do século XX.

Ler mais

Falso dilema ambiental e indigenista ameaça o país

É preciso evitar a falsa polarização entre, de um lado, o ambientalismo/ indigenismo de santuário, defendido por ong’s financiadas por Estados e corporações imperialistas e que procura estabelecer reservas imensas justamente em áreas repletas de recursos estratégicos (minérios, água, etc.) e, de outro, a exploração selvagem e inconsequente da terra e das pessoas por oligarcas locais. Não há, na prática, oposição entre essas posições. Ambas convergem para a desestatização e o não-desenvolvimento de imensas parcelas do território (sobretudo no Norte e Centro-Oeste) e, portanto, para a miséria de sua população, o esvaziamento demográfico, o contrabando e a privatização de riquezas nacionais, a degradação ambiental, o separatismo com base no fomento a identitarismos étnicos, e a fragmentação territorial.

Ler mais

Poder, Governo, Informação | Parte 2 de 3

Pedro Pinho dá sequência à série de artigos tratando da tríade tácita entre a ordem, a mão e a fala da ilusão. Neste segundo, ele trata do Governo. Tomando por base os governos militares que assaltaram o país a partir de 1964, ele mostra como a estrutura de poder do Estado nacional foi levada do capitalismo industrial para o sistema financeiro internacional – a banca. O combate a eventuais “surtos” de industrialização no Brasil sempre foram combatidos por nossos colonizadores, impedindo que nosso desenvolvimento desse suporte à construção da soberania nacional, à construção da cidadania e as seguranças que abrangem a pessoa, suas posses e seus direitos.

Ler mais

O Brasil na Contramão das Políticas de Segurança Pública do Mundo – Uma bomba de retardo que irá explodir no colo da sociedade

Os principais entraves para uma política de segurança pública verdadeiramente eficaz no país são provenientes de uma mídia monopolista que desinforma e incita permanentemente o ódio aberto aos marginalizados, legislações equivocadas, como a lei antidrogas, e uma cultura jurídica antiliberal e encarceradora. Podemos perceber essa ineficiência através do discurso do recém empossado ministro da Justiça e Segurança Pública, ex-juiz Sérgio Moro, no qual ele fala sobre tornar lei a prisão em segunda instância, instituir o plea bargain, que foi a principal causa do encarceramento em massa nos EUA, pregando também o fim da progressão de regime para membros do que ele chama “organizações criminosas”, destituição de direitos das pessoas presas, entre outras.

Ler mais

Poder, Governo, Informação | Parte 1 de 3

Pedro Pinho inicia uma pequena série de artigos tratando da tríade tácita entre quem ordena, quem faz e quem fornece a ilusão necessária para que isso funcione. Neste primeiro, ele trata do Poder – essa coisa abstrata que vende-se como algo que emana do povo, mas que, na verdade, apenas faz uso dele. Umas poucas famílias, agora em um enorme banquete corporativo autofágico, fazendo uso da população para ampliar sua dominação econômica. Sua arma? A dívida! Assim, o abstrato “mercado” alimenta a roleta de um cassino onde as fichas somos nós…

Ler mais

Análise: os (des-) caminhos da esquerda em 2019 e a avenida aberta para Bolsonaro

Não interessa a Bolsonaro ou a quem o levou ao poder uma “Noite de São Bartolomeu”, um expurgo do PT. Basta a inviabilização em eleição majoritária. O antipetismo é hoje um piso político – e eleitoral – dos maiores, senão o maior. Para que abrir mão disso, zerando o jogo? E permitindo a formação de uma nova oposição, sem rejeição tão alta? Em política não há vácuo…
Bolsonaro – e os que o levaram até lá – e o PT (o “sem voto”, de SP) tendem a continuar se escolhendo reciprocamente como adversários político-midiáticos, tentando impedir o surgimento – ou pelo menos a clarificação – da verdadeira polarização atual, no Brasil e no mundo: soberanismo nacionalista (de esquerda ou de direita) vs. Globalismo financista do (zero vírgula) 1% transnacional contra o 99,9% – global. Terão sucesso Bolsonaro e “PT sem voto” nesse mascaramento – a dois – da realidade histórica?
O problema da direção do PT (sem voto) é querer fazer do partido o substituto do PSDB como sucursal Clintoniana no Brasil;
A centro-esquerda como um todo ainda está em fase de negação e coloca-se, do ponto de vista histórico, no campo reacionário, dos que querem fazer voltar o ponteiro do relógio da história (para o ciclo 1988-2012).

Ler mais

Bolsonaro faz com mentiras a “doutrinação” que o PT evitou fazer com verdades para “controlar facilmente a boiada”

Aqueles que hoje criticam Bolsonaro por utilizar as redes sociais para a propagação de “Fake News” devem fazer uma autocrítica. Se houver honestidade na própria crítica, verão que a “doutrinação” que Bolsonaro faz hoje com mentiras, o PT deixou de fazer “com verdades”, pois apostou na alienação política das pessoas como uma ferramenta de “manutenção e controle da boiada vermelha”.

Ler mais

Mourão, a meritocracia tamanho família e a herança escravocrata

Mourão engana os incautos. Se tivesse um pouco de honestidade intelectual, falaria com mais propriedade que a nossa verdadeira herança é escravocrata. Foi essa a herança que moldou as nossas instituições, origem do ódio ao pobre. O mais grave no discurso retrógrado do ex-general, e vice-presidente, Mourão é a total incoerência entre aquilo que discursa sobre a meritocracia e a completa ausência de autocrítica neste caso do próprio filho.

Ler mais

Vamos cantar para “espantar os males” da política

Você está preparado pra receber tudo calado?
Este é o preço: “Quem não ouve conselho, ouve: coitado”
É o que resta pela sua omissão
Fingiu lutar, mas agiu como um perfeito alienado
Agora é jurar amor pela pátria que resta
Como se estivesse num presídio, vida dura de condenado
Vai ter liberdade de assistir Faustão
E ainda dizer que está “antenado”

Ler mais

Bolsonaro – Entre o mito e a realidade (Parte I)

Bolsonaro acreditou ser possível se sustentar nos 58% de votos para tentar dominar as rédeas da situação, mas as coisas não são simples para quem, como é o caso de Bolsonaro, para se eleger vendeu a alma a dois demônios, Paulo Guedes (o “Chicago boys”, ultraliberal) e à ala militar entreguista, ultraliberal representada pelo seu vice, ex-General, Mourão. Mourão, inclusive, afirmou em recente entrevista que estaria montando um “Dream Team”, com pessoas de diversas áreas, economia, diplomacia, etc. Seriam talvez os “Brazilian Boys”. No Chile sabemos como tudo terminou. No Brasil pode ser muito pior.

Ler mais

O “socialismo” do Brasil e a “Revolução Azul e Rosa”

Enquanto estudo publicado no início do ano passado pela organização não-governamental britânica Oxfam mostra que cinco bilionários brasileiros concentram patrimônio equivalente à renda da metade mais pobre da população do Brasil, Bolsonaro e “Progressistas” debatem um socialismo que não passa de mais um tapa na cara dos brasileiros.

Ler mais

A Petrobras e a Próxima Crise

Olhar a perspectiva histórica a partir de crises econômicas insufladas pela banca permitirá que se anteveja o que vem pela frente, no Brasil e no mundo. Pedro Augusto Pinho apresenta o atual momento como de ebulição controlada, onde distintas chaves serão acionadas conforme a conveniência econômica. Tomando como base as crises do petróleo ao longo da segunda metade do século XX, é demonstrada a passagem do poder econômico do sistema geopolítico para o sistema financeiro apátrida. O mesmo sistema sedento pelo Pré-sal e que força a inviabilização da Petrobras como player mundial na áea de energia. Agora, já finalizando a segunda década do século XXI, ele mostra os reflexos da última série de crises: consolidação do poder da banca e extensão da sua dominação ao mundo da comunicação, da política, do psicossocial e de diversos governos nacionais.

Ler mais

Bolsorão Temer Rousseff da Silva – O Frankenstein brasileiro que “toca o terror” contra o povo

Quando falamos sobre terrorismo, devemos lembrar que o PT no governo Dilma também deixou mais um presente para Jair Bolsonaro e seu governo civil-militar: apesar do Brasil já contar com instrumentos legais para punir atos terroristas, o governo Dilma sancionou em 2016 a Lei Antiterrorismo na esteira da realização das Olimpíadas no país. O objetivo original era supostamente conter os Black Blocs presentes em diversas manifestações na época.

Ler mais

Mourão, o pigmeu tupiniquim com complexo de Deus

Mourão (Morurinho) é um gigante para falar de quem tem como refém, mas é do próprio tamanho (um pigmeu) quando não fala da corrupção dos bancos, dos juros, da sonegação de impostos ou da auditoria cidadã da dívida. No sentido oposto, tenta convencer de que tudo de ruim está no Estado. O mesmo Estado que deu e dá aos militares brasileiros uma condição que poucos militares do planeta possuem. Para fazer o quê? Entregar as nossas riquezas e escravizar o nosso povo?

Ler mais

Os bancos substituem estados e municípios. É a farra da securitização!

Esse esquema joga no lixo a Lei de Responsabilidade Fiscal e todas as regras de finanças públicas do país, pois envolve:

a) contratação ilegal de dívida pública;
b) comprometimento do Estado com elevadíssimas garantias públicas e até indenizações;
c) desvio de recurso público: dinheiro pago por contribuintes será desviado durante o seu percurso pela rede bancária e não chegará ao orçamento público.
É tão infame que mascara até o conceito de “Securitização de Créditos”, porque quando bancos fazem securitização, eles se livram dos créditos de difícil de cobrança e entregam para pequenas financeiras cobrarem. No caso desse projeto, a Fazenda pública é que continuará cobrando os tributos, mas entregará o valor arrecadado para investidores privilegiados.
Por isso é imprescindível contatar deputados e deputadas para REJEITAR O PLP 459/2017

Ler mais