#EuNão: manifesto contra o fascimo-chic que deu certo

Quando um movimento político se diz apartidário já é uma construção ideológica. A quem serve o movimento #elenão? O “ele” é uma fulanização que pode ser apontada a qualquer um. Dessa forma, pode ser instrumentalizado por qualquer interesse em disputa que “não” quer perder. Quem ganha com o movimento #elenão? A Rede Globo, o Mercado, e a Direita Fascista.
“PT JURÍDICO”: O FASCIMO-CHIC QUE DEU CERTO: Não é “nós” contra “ele”, mas muito de “nós”, “nele”. O terreno do fascismo já está pavimentado, o “coiso” não precisará fazer nada para que essas “coisas” continuem acontecendo. Deve ser por isso que estarão “todos” juntos, de mãos dadas, “contra” “ele”. NÃO CONTEM COMIGO. #EUNÃO

Ler mais

Mídia e Justiça – O Gozo dos Fascistas

O promotor de Justiça, André Guilherme de Freitas, na manhã de terça feira (24) realizou uma inspeção no presidio Bangu 8, indo direito para a cela do ex-governador Sérgio Cabral. Ao ingressar na ala, determinou: “Detentos, todos de cabeça baixa e de frente para a parede”, Sérgio Cabral argumentou que a atitude do promotor era desproporcional, e esse promotor, ao ser contestado, mandou que o enviassem para uma solitária, em um exemplo claro de ilegalidade e abuso de autoridade.
Para ilustrar mais um exemplo do arbítrio midiático-judicial, o ex-senador Luiz Estevão, também foi colocado em uma solitária por dez dias no presídio da Papuda no Distrito Federal, em janeiro do ano passado, após a polícia civil encontrar uma cafeteira e chocolate na cela em que estava.

Ler mais

O Geógrafo Errante – Uma crônica sobre o Existir

Existia um certo geógrafo que estudava muito. Ele era o mais renomado e brilhante geógrafo de sua época. Da sua escrivaninha de mogno ocre e rodeado por uma muralha de livros, o geógrafo conhecia detalhadamente cada vegetação, cada clima, os oceanos, os rios, os mares, as rochas, as montanhas, os desertos, as cidades… Através de páginas e mais páginas, muitas delas amareladas e toldadas por poeira e mofo, algumas mais que outras, por certo, sacudidas por muitas leituras, ele conheceu o planeta inteiro!

Ler mais

“Direito ao ponto” #9 – Sequestro da (nossa!) Soberania Popular

Nesta semana, Maria Eduarda Freire trata da soberania popular, fundamento do Estado – democrático – de direito, nos termos da Constituição de 1988. A criminalização da política, em tempos de Lava Jato, é a tática adotada pela Finança – por meio da mídia – para alienar o povo do seu poder sobre decisões de Estado. Para tanto, a mídia, a boca do capital financeiro, reforça o complexo de vira-latas: “entreguemos tudo para os EUA pois, diferentemente de nós, eles são honestos, capazes e trabalhadores”;“privatize-se tudo para acabar com a roubalheira (dos nossos representantes… eleitos!)”.

Ler mais

Maria Eduarda Freire – Escola Sem Partido: o novo AI-5 da Educação

Quando alguns setores extremistas passaram a tentar impor a aprovação do projeto de lei “Escola sem Partido”, o debate, como praticamente tudo atualmente no Brasil, foi reduzido aos aspectos ideológicos, mas há interesses econômicos que mostram que se existe algum partido interessado em dominar a educação do Brasil, este partido é o “lobby educacional”.

Ler mais

“Direito ao ponto” #7 – Lutar por Lula Livre é lutar por Direitos Humanos

Com a necessária indignação, Maria Eduarda Freire apresenta dados estatísticos que revelam a predominância do desejo de linchamento entre os brasileiros, onde o atropelo às leis e direitos fundamentais, resguardados pela atual constituição, dão lugar ao ódio que ganha cada vez mais espaço na rotina das pessoas.

Ler mais

Quando não será a Lava Jato um “valhacouto de torturadores”?

Eles andam por aí, com seus butins de caça, caçando pessoas. A dor de ter a sua dignidade inapelavelmente rasgada pelas garras do sistema de justiça é de uma violência tão excessivamente tétrica e brutal que nada é capaz de definir o que é ser ferido por tamanha dor. É a dor de ter a sua vida barbarizada por promotores e juízes sanguinários, pelos dedos apontados em riste de uma sociedade sem rosto, sedenta por um bode expiatório, e uma mídia linchadora de reputações que “mata” em vida. É um matadouro.

Ler mais

“Direito ao ponto” #6 – “Foro ‘privilegiado’ e o avanço do STF”

Nesta semana, Maria Eduarda Freire trata do mais recente episódio em que o STF reescreve a Constituição, sem competência para tanto. Desta vez, para aumentar ainda mais o cerco da Juristocracia aos Poderes Políticos, representantes – eleitos – da soberania popular, restringindo o alcance da sua garantia constitucional ao foro por prerrogativa de função, erroneamente chamado (de maneira interessada) de “foro privilegiado”.

Ler mais

“Direito ao ponto” #5 – “delações premiadas”

Nesta semana, Maria Eduarda Freire trata do instituto da delação premiada. Desde a sua origem nas Ordenações Filipinas, até a completa degeneração – de si e, por meio dela, do próprio processo penal brasileiro como um todo – no país da Lava Jato.  Assim como na “Deforma trabalhista”, agora também no processo penal prevalece “o negociado sobre o legislado”. I.e., o “negociado” (?) com um MPF abandidado, que não hesita em praticar, ele mesmo, extorsão mediante sequestro. Usando, para tanto, poder de Estado!

Ler mais

Os Fora da Lei “no velho oeste brasileiro”

Segundo dados do IBGE, hoje, no país, temos mais de 14,2 milhões de trabalhadores desempregados. A Lava Jato contribuiu diretamente para esses 14,2 milhões de brasileiros na miséria, através da autopromoção midiática e narcisismo de Juízes, delegados, promotores e procuradores, que destruíram a economia nacional e nossas grandes empresas com competitividade internacional, protegidos pela estabilidade de seus empregos, e pela blindagem corporativa, portanto, conformam o instrumento perfeito para a imposição dos interesses antinacionais do capital financeiro internacional.

Ler mais

“Direito ao ponto” #1 – permitiremos que “lavem a jato” a Constituição?

Estreia da nova colaboradora do Duplo Expresso, a graduanda em direito Maria Eduarda Freire, engajada na luta contra a meganhagem e pela restauração do Estado de Direito.
“Permitiremos que ‘lavem a jato’ nossos direitos e garantias individuais? Que ‘lavem a jato’ a Constituição?

Ler mais